Bélgica, Martinez, e Henry.

Saturday, 7 July 2018 · Posted in ,

Leandro Stein escreve, O camisa 10 que se cobra, o craque que se espera: Hazard teve uma exibição grandiosa em Kazan.

“De uma maneira geral, a Bélgica funcionou muito bem a partir de ótimas atuações individuais. Courtois foi monstruoso sob as traves. Toby Alderweireld e Vincent Kompany formaram uma dupla sólida na zaga. Marouane Fellaini teve uma partida totalmente acima das expectativas e calou seus detratores, tomando conta do meio-campo, dando combate a todo momento. Nacer Chadli fez de tudo um pouco e se valeu demais pelo empenho. Kevin de Bruyne, enfim, teve espaço para apresentar sua maestria e anotou um golaço. Romelu Lukaku viveu um primeiro tempo espetacular, perigoso a cada arrancada e mostrou como é um atacante muito mais completo do que alguns de seus treinadores imaginam. E havia a inspiração de Hazard.
[...] Uma Copa do Mundo não se decide com um jogador. E esta Bélgica é tão aclamada justamente por seu conjunto, com protagonistas e coadjuvantes aparecendo [...] mas há céditos que se dão além, em uma grande apresentação coletiva, e Hazard aparece aí. Foi o camisa 10 que se cobra, o craque que se espera. Noite para ratificar o belo Mundial que faz. Vai saindo maior da competição, e com a participação vital dos companheiros. A Bélgica cresce através destes pés.”

Leave a Reply

Powered by Blogger.