No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Ao contrário do que o discurso institucional («posts» do presidente do Sporting nas redes sociais) repete, pretendendo convencer adeptos mais distraídos e drogados pela sua demagogia, é errado pensar que os últimos 4 anos do Sporting são sinónimo de pujança desportiva. Evitando as sofríveis comparações com o pior possível, neste caso o período 2009-2013, consciencialize-se a bem do Sporting que a maioria das actuais secções do clube não estão capacitadas para devolver ao clube a glória que há quase 40 anos, em futebol, e há mais de 20 no grosso das modalidades lhe escapa. Se este Sporting pretendesse (não pretende) retomar a dianteira investindo nas suas estruturas de formação, método mais difícil mas simultaneamente o mais eficiente para atingirmos sucesso, faria sentido passar os olhos por cima de 4 anos sem títulos Nacionais nas principais modalidades que praticamos (exceptuando o futsal), perspectivando, em condições normais, que o horizonte a médio prazo se afiguraria risonho. Todavia, não é este o plano onde nos encontramos.

Ao afirmar que "os títulos chegarão no próximo mandato", Bruno de Carvalho demonstra estar a leste de perceber as razões pelas quais não chegaram neste. Teríamos a obrigação de tê-los alcançado? Completamente. Tal como o presidente do Sporting afirmou em muitas ocasiões, o clube teve realisticamente todas as condições para se ter sagrado campeão Nacional em atletismo, futebol, futsal, hóquei em patins e andebol. Porquê? Porque ao contrário de procurar fazer um trabalho de fundo no seu edifício de formação (tal como o Benfica fez como exemplo nos últimos 15 anos, com os resultados que se conhece), Bruno de Carvalho escolheu, a reboque de tentativas simplórias e popularuchas de aclamação, o caminho mais superficial e fácil de todos: dotar as principais equipas do clube de atletas e treinadores consagrados que nos permitissem chegar aos títulos instantaneamente. Uma vez que o clube não tem capacidade para gerar recursos que lhe permitam sustentar as actuais despesas ordinárias (vencimentos e outras), além de não garantir qualquer sucesso a médio e longo prazo, no curto prazo esta política falhou estrondosamente.

No masculino, o Sporting não estará consistentemente na dianteira do atletismo Nacional recrutando, como fez nesta temporada, os melhores atletas dos seus rivais. No feminino, os títulos Nacionais de futebol não serão difíceis de alcançar a partir do momento em que os principais rivais do Sporting não se fazem presentes. Tendo incomparavelmente mais recursos que lhe permitiram recrutar as melhores jogadores, e tendo simultaneamente muito melhores condições (estruturas físicas) relativamente à esmagadora maioria dos outros clubes que competem na principal liga, a obtenção de títulos no futebol feminino é para o Sporting uma mera formalidade. Assim, olhado o contexto da sua obtenção (consumada no caso do atletismo, presumível para o futebol feminino), os campeonatos Nacionais nestas duas parcelas não chegam para disfarçar o fracasso que constituiu a pavorosa aposta (orçamento disponibilizado) nas principais equipas das modalidades colectivas que o clube pratica. Pavorosa por (novamente) não incidir nas suas estruturas de formação.

Permanecemos sem basquetebol, sem voleibol e não alcançámos, nem alcançaremos, os campeonatos Nacionais de andebol e de hóquei em patins não obstante termos nestas duas modalidades os maiores orçamentos entre todos os clubes. Não direi mais importante mas seguramente mais cobiçado, também não alcançámos, nem alcançaremos, o campeonato Nacional de futebol não obstante termos hoje um orçamento próximo dos rivais e não obstante termos o melhor treinador da principal liga de futebol portuguesa. Só para o futebol e tal como já sugeri noutras ocasiões, os últimos 2 anos em que tivemos um treinador tão especial como Jorge Jesus foram nada menos do que uma enorme oportunidade desperdiçada. Assim é porque o Sporting não tem dirigentes de qualidade. Quando na última temporada éramos campeões de Janeiro com 7 ou mais pontos de avanço para o 2º classificado, e já depois de os termos derrotado em duelos directos num trio de ocasiões, o presidente do Sporting exibiu toda a sua insignificância, superficialidade, vaidade, falta de inteligência e falta de conteúdo quando decidiu atirar os foguetes reclamando que os outros dessem mais luta. Imagine que o Sporting até tinha conquistado esse título. Será meramente um (1) título aquilo que nos chega olhados os nossos últimos 40 anos? Seremos melhores ou estaremos melhores relativamente ao FC Porto e ao Benfica por sermos campeões uma (1) vez? Não premeie a estupidez.

Pense sobre isto antes de votar (a ilusória pujança desportiva do Sporting)

Posted on

Friday, 3 March 2017

Category

4 Comments
  1. Muito a sério, nem sei se eles percebem o desenho. Vale pelo Sporting.

    Já agora queria partilhar aqui o desespero em estado liquido:

    http://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/sporting/detalhe/eduardo-barroso-revela-estranho-convite-de-pedro-madeira-rodrigues.html

    Mais um que sonha em ser presidente desde pequenino. E o tio nunca deixou. Para quem ia ganhar de goleada chega a ser aflitivo ver tanto desespero na véspera das eleições. No dia em que o candidato PMR comemora 3 meses de campanha o que é levará uma criatura destas a tentar recriar um episódio com mais de cinco anos? Alguma sondagem muito injusta? Ou muita coisa para esconder? Porque o catering da Tribuna não pode justificar tudo nem para Barroso.

    SL

    ReplyDelete
    Replies
    1. O Sporting ë uma feira de vaidades que atrai a si um vasto conjunto de indivíduos sem qualquer qualidade ou mérito que emprestar a instituições de cariz desportivo. Gente como Eduardo Barroso exemplifica-o e historietas como essa fazem parte desse universo.

      Barroso deveria talvez perguntar ao seu (como ele diz) "grande amigo Pedro Baltazar" que interesses teria na SAD e no esquema que a carta descreve. Um vogal não será garantidamente a melhor pessoa para responder.

      Delete
  2. Replies
    1. Obrigado pela nota, ratinho. "Verborreia cereberal", em referência a Vicente Moura e a Bruno de Carvalho, lembrou-me acrescentar o todo-importante basquetebol ao último parágrafo. Ficara de fora por lapso ...

      Delete

Search This Blog