No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Provavelmente relacionado com a mentira de propalados 150 mil sócios e com outros motivos de natureza diferente (mais difíceis de descortinar), a Mesa da Assembleia Geral presidida por Jaime Marta Soares recusa-se a cumprir os regulamentos internos do clube não publicando os cadernos eleitorais no site do Sporting para consulta de todos. Com publicação dos cadernos eleitorais entende-se nome do sócio e nº de votos a que tem direito, nada mais (como morada, endereço de e-mail ou qualquer outra informação pessoal). Tal como alerta Pedro M. Rodrigues e tal como alertam outros associados, mais do que falta de independência e parcialidade esta situação incorre em ilegalidade. Uma vez que estamos a menos de 15 dias da realização do acto eleitoral,  e a data limite para a publicação dos cadernos já se viu portanto ultrapassada, esta ilegalidade é suficiente para que as eleições possam ver-se impugnadas.

Em comunicado emitido ontem sobre este caso, diz Jaime Marta Soares:

«É entendimento da Mesa que o previsto nos Estatutos e no Regulamento da Assembleia deve, ainda, ser conformado com o inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais»

Recordo que a publicação deverá envolver um nome e o nº de votos a que esse nome terá direito, nada mais. (Lembro-me de consultar os ditos cujos em 2013 e não me recordo se o nº de sócio também constava na informação publicada.)

Em todo o caso, para efeitos de denúncia da desonestidade, do descaramento e da hipocrisia que se apoderou do Sporting, pegando na justificação de Jaime Marta Soares com o «inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais», relembro o que fez Bruno de Carvalho, a Mesa eleita pelas suas listas em 2011, bem como a sua lista em 2013 (da qual fazia parte Rui Morgado, mas adiante) aquando das últimas eleições. Nessa altura, perante dados contendo informações pessoais (pelo menos moradas) fornecidos não ao público mas às listas concorrentes às eleições, Bruno de Carvalho usou-se dessa mesma informação para contactar directamente os sócios do Sporting que receberam em casa cartas com panfletos eleitorais da lista por si encabeçada.

Esta situação na altura desagradou a muitos associados que naturalmente entupiram os serviços do clube com queixas e pedidos de informação, a fim de saber quem disponibilizara as suas moradas para efeitos eleitorais.
Mais ninguém o fez. Só Bruno de Carvalho e a sua lista.

Sobre o inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais

Posted on

Monday, 20 February 2017

Leave a Reply

Search This Blog