Tuesday, 3 January 2017

Sérgio Abrantes Mendes e Rogério Alves

"... este ano o Sporting não está tão forte"
Em matéria de plantel e de 11 a qualidade diminuiu de época para época, como já foi aqui plenamente demonstrado, algo que só não é mais nítido em virtude das boas escolhas que o Sporting vai fazendo de treinadores.

"Tenho algumas dúvidas relativamente ao campeonato ... este ano o Sporting não está tão forte ... vai ter agora um período muito difícil, com saídas muito difíceis que eu acredito que possa suplantar mas o grande problema é que o Sporting não depende apenas dele próprio. Tenho dúvidas que o Sporting consiga recuperar o atraso. Agora quero acreditar que o Sporting comece a melhorar, desejo do fundo do coração que consigamos ganhar e consigamos ultrapassar os nossos contendores - é o meu profundo desejo. Posso não estar de acordo com a forma como os destinos do clube são dirigidos mas duma coisa estou certo: Sporting sempre em 1º lugar. O resto é paisagem." -- Sérgio Abrantes Mendes

Madeira Rodrigues, as acusações de Bruno de Carvalho e a campanha suja que visa associar o candidato ao Benfica:

"Corresponde exactamente ao mesmo tipo de juízo que se fazem neste tipo de campanhas. Não conheço pessoalmente Madeira Rodrigues, só de vista, nunca troquei impressões com ele, não sei ao que Bruno de Carvalho se refere ... parece-me que na entrevista mais uma vez ressalta uma obsessão que não compreendo com o Benfica. É Benfica, Benfica, Benfica e não passamos disto. Há coisas muito mais importantes na vida do clube que devem ver-se abordadas. O resto são faits divers de campanhas eleitorais a que não ligo muito. São o tipo de afirmações próprias de campanhas eleitorais, são o que são, representam o que representam, não têm grande importância, fazem parte de faits divers para as pessoas se empolgarem, por isso não lhes atribuo qualquer tipo de importância. Com 63 anos de idade já assisti a muito acto eleitoral. Nasci em 53, assisti ao 25 de Abril, passei como estudante pelos períodos de maior repressão e portanto para mim isso não constitui admiração. São aquelas guerras de alecrins e manjerona das gentes tristes cá do meu bairro, como gosto de dizer.
O Sporting não tem 4, 5, 6, 10 anos, o Sporting tem mais de 100 anos. Todo o património  de vitórias que o Sporting conquistou, conquistou-o com gente melhor, com gente pior, com luta, com a adesão da sua massa associativa e portanto não me revejo neste tipo de afirmações. Não podemos contabilizar as coisas só por títulos mas Bruno de Carvalho conquistou muito pouco até agora; já lá vão 4 anos. É verdade que tem coisas positivas no seu mandato e temos de reconhecê-lo e honra lhe seja feita, mas há actuações nas quais não me revejo. Esse tipo de frases - dizer que o Sporting é isto e aquilo, que antigamente era tudo mau e agora é tudo bom - o Sporting vale pelo passado, pelo presente e valerá pelo futuro. Obviamente que sim." -- Sérgio Abrantes Mendes 02/01/2016, RR

Também em análise a parte da entrevista concedida por Bruno de Carvalho, e contrastando com Sérgio A. Mendes, Rogério Alves voltou a exibir a sua postura (no mau sentido) tipicamente correcta, e frouxa, onde raramente afirma o que realmente pensa sobre os principais dirigentes do Sporting.
Hoje tal como no passado.

"Temos de enquadrar as declarações num contexto eleitoral. (...) É assim que leio a sua [Bruno de Carvalho] declaração, um pedido para que os sportinguistas sejam mais combativos nos locais onde exercem a sua profissão. Isto analisa-se num apelo à unidade e à militância, o que é legítimo num candidato. Está à espera de uma mobilização mais intensa, para afastar uma fase de um fosso que foi instaurado no clube e que se está a tentar sarar. Vejo aqui um apelo à unidade, independentemente da retórica." -- Rogério Alves 02/01/2016, SAPO Desporto

A julgar pela amostra, segmento da entrevista, vídeo, decida se as declarações de BC representam apelos à união, seja lá o que apelo à união for. Não representam. Mostram-nos pelo contrário algo muito mais verdadeiro: um  demagogo que exibe posturas ensaiadas e reproduz oratórias infantis, porque tendo uma mente profundamente oca, discursa essencialmente para radicais, alienados e adeptos que infelizmente o vêem como uma figura paternal.

0 comentários

Post a Comment