No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Com base no que exprimiu em mais do que uma ocasião, acredito no desejo que Pedro Madeira Rodrigues mantinha de ver Jorge Jesus como treinador do Sporting integrado numa estrutura diferente, necessariamente competente, que além de não embaraçar o seu trabalho lhe possibilitasse atingir os resultados que em condições normais, e até abaixo delas, estão ao seu alcance.
Incapaz de se dissociar de jogos de bastidores, o aparecimento do nome do treinador do Sporting na Comissão de Honra de apoio a Bruno de Carvalho tem tanto de despropositado como de pernicioso. Jorge Jesus é treinador do Sporting e é o Sporting que lhe paga o ordenado. Não é Bruno de Carvalho quem o faz. Jorge Jesus não é garantidamente um dirigente eleito do Sporting e na qualidade de treinador, por algum motivo estranho, parece confundir lealdade ao Sporting com partidismo. Com um acto eleitoral agendado para Março de 2017, tendo o treinador do Sporting contrato até 2019, mandaria o elementar bom-senso que Bruno de Carvalho não propusesse o nome de Jorge Jesus para a referida Comissão de Honra, e mandaria o bom-senso que Jorge Jesus não se emprestasse a números de mau gosto como os que essa lista de nomes representa.
Não existindo maior e mais incondicional adepto de Jorge Jesus do que eu (para o bem e para o mal), o pré-anúncio do seu despedimento, caso Pedro Madeira Rodrigues se veja eleito, tem tanto de inevitável como de positivo. Com o anúncio desta intenção Pedro Madeira Rodrigues exibe integridade, sensatez, ousadia, pouca preocupação por concursos de popularidade, e perfil de líder. Nós, adeptos, ficaremos a conhecer melhor a sua intuição (ou falta dela) para o futebol assim que nos for apresentado o nome do treinador que escolherá

A par não deixa de ser curioso que o candidato Pedro Madeira Rodrigues, nas suas intervenções, se assemelhe nesta altura a um presidente do Sporting.
Bruno de Carvalho, por seu turno, nas mais recentes entrevistas à CMTV e nas publicações no seu recreio de estimação, mais não parece do que um indivíduo de cabeça perdida candidato a qualquer coisa ...

Pedro Madeira Rodrigues e o pré-anúncio do despedimento de Jorge Jesus

Posted on

Saturday, 21 January 2017

2 Comments

Search This Blog