“A substância fundamental do progresso desportivo do Sporting é um fogo clubista que incessantemente se acende. É o suporte de vida do espírito leonino; é uma matéria viva ...”


No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas, bem como um depósito para comentários sobre diversos tópicos que vou deixando um pouco por toda a parte.
Para deixar um comentário: Clica no título do respectivo 'post' (à direita do texto). Alternativamente, usa a tua conta do FB. Regras superficiais de utilização: Emprega bom-senso.

Jorge Jesus

Quando se diz que o Sporting precisa mesmo de se sagrar campeão este ano, não sugiro uma obrigação imputada a Jorge Jesus ou sequer à estrutura de futebol do clube, estrutura essa composta por Jorge Jesus mais (infelizmente) Bruno de Carvalho, sem desprezo por outras pessoas que não conheço (porque sou ignorante) mas que muito, ou pouco, serão quase-certamente achadas na fórmula que vê uma equipa chegar ou não ao (in)sucesso. E nem penso em Octávio Machado. Antes, pessoas que não conhecemos mas que presumivelmente influenciarão as decisões tomadas. Ao Sporting - JJ e BC - e aos elementos pelos quais só o Sporting é responsável (as suas próprias opções, ou decisões), somam-se parcelas que para efeitos de (in)sucesso contemplarão detalhes, uns pequenos e outros incomensuravelmente grandes, sorte e acaso, ou a fundamental competência dos adversários e rivais SLB, FCP, e até outros como Dortmund, Real Madrid e Legia  que este ano também terão influência na atribuição do título em Portugal. Existe muita coisa diferente a contribuir para o desfecho de um campeonato disputado por muita gente. Desse modo, só se não existissem SLB e FCP poderíamos exigir ao Sporting títulos de campeão Nacional de futebol, quando o mesmo se aplica a FCP e SLB na relação de títulos que ganham e perdem para os seus rivais.
Ainda deste modo, quando se afirma que o Sporting precisa indispensavelmente de conquistar o título este ano, sugiro não uma obrigação mas necessidade, a bem do clube e da sua SAD. Numa medida razoável e sem explicá-lo por não estar capacitado para fazê-lo, mas agarrando-me a mera percepção, com ou sem JJ, com qualquer outro treinador, com ou sem vendas de 40 milhões, com ou sem pujança futebolística, a SAD do Sporting continuará / continuaria a acumular sucessivos prejuízos. Em face desses prejuízos, em face do que provavelmente não será resolvido até 2026, e em face da incapacidade revelada por Bruno de Carvalho e pela sua equipa para encontrarem soluções criativas de financiamento da principal actividade do Sporting (futebol), em face até da incapacidade revelada em coisas mais ou menos simples como encontrar / fechar acordos de patrocínio, o sucesso desportivo adquire especial relevo como factor de estabilidade no clube. Não uma estabilidade relacionada com os destinos de quem se vê (re)eleito presidente, mas estabilidade relacionada com o simples funcionamento do Sporting no dia-a-dia, funcionamento dependente da boa-vontade que os tradicionais financiadores e credores do Sporting demonstram (ou não) para com o Sporting. A ideia de que essa boa-vontade continuará a existir independentemente de mais nada não é, pressinto, verdadeira.

E a reboque também de B. de Carvalho, com uma previsão.

Já tinha saudades de previsões extemporâneas - as minha preferidas.
Esta é bem simples:

Quem tiver dificuldade em aceitar a transformação dum clube centenário numa seita imaginada por, para e apoiada por acéfalos, terá de se mentalizar ou acostumar à ideia de que essa transformação é inevitável, mérito atribuível aos sócios do Sporting que foram legitimando os sucessivos líderes que o Sporting foi tendo, ao longo dum trio de décadas, e que legitimaram igualmente o cabeça-de-vento que hoje preside aos destinos do clube.
Quem gostar muito de Bruno de Carvalho e quem activa, consciente ou pouco conscientemente contribui para transformar um clube centenário numa seita com sede em Lisboa, pode ficar tranquilo porque Bruno de Carvalho permanecerá à frente dos destinos do clube ao longo de pelo menos mais dois mandatos. Está prestes a cumprir um e ver-se-á reeleito para pelo menos mais dois.

Também por isso, em frente Jorge Jesus.


O meu último grande herói, pelo menos no Sporting.


Mais uma vez a reboque do principal actor, propulsionador do sucesso desportivo dos seus clubes, JJ. E a reboque também de B. de Carvalho, com uma previsão.

Posted on

Thursday, 8 September 2016

Category

Leave a Reply

Search This Blog