Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

José Mourinho e mais uma jornada onde os culpados são os outros

Friday, 16 September 2016

Escrevemos (parece menos bacoco do que "escrevi") ontem, relativamente a José Mourinho, como comentário ao texto de PB que descreve e explica o porquê da fraca dinâmica da sua equipa (com bola).

Destaco os comentários na sequência do jogo de Roterdão mas também por outro motivo: JM é evidentemente um bom treinador (quem sou eu para sugerir o contrário?), mas muito do que (com inteira verdade) afirmo relaciona-se com o universo de ideias, escolhas, filosofia. Poderia JM ser um treinador diferente? Claro que sim - a competência técnica que em tempos o tornou num fenómeno estará (antecipo) intacta. Falta-lhe inteligência para perceber que deseja as coisas erradas das suas equipas. E se ao fim de sensivelmente 6 anos ainda não o percebeu, é líquido presumir que não mais perceberá. Continuará a insistir e continuará a estar muito aquém daquilo que o notabilizou nos estrondosos Leiria, FCP (1ª época) e Chelsea (2 épocas da primeira passagem).

José Mourinho está irremediavelmente ‘perdido’ em relação ao ‘apaixonante’ que o texto refere, monstro devorador que no FCP e algum Chelsea combinava domínio total com capacidade de esmagar o que encontrava pela frente (resultados). Continuará a treinar os melhores clubes do mundo mas nunca será como dantes, à semelhança do que durante algum tempo aconteceu para Fabio Capello. Daqui até pegar numa selecção, terá de escolher Ligas onde não abunde muita concorrência se quiser somar muitos títulos. No Chelsea foi campeão porque – lógico – é um bom treinador mas não tinha grande concorrência - o Manchester City de Pellegrini não era exactamente um gigante do futebol Europeu, ou sequer da Premier League. No ano seguinte, ainda sem grande concorrência, JM deixou o Chelsea a meio da tabela conseguindo responsabilizar os seus jogadores pelo sucedido, algo que denota desfasamento da sua parte.
Poderá até vencer o título contra Guardiola, Conte, Pochettino ou Klopp, mas não significará tratar-se dum feito. Precisará que as equipas de Guardiola ou de Conte colaborem muito nesse hipotético título do M. United.
Existe sempre a secreta esperança que um dia JM se reerga das cinzas mas não acontecerá. Falta-lhe massa cinzenta e falta-lhe “brilho”. Mourinho e Wenger deveriam combinar e ir treinar grandes clubes da Holanda ou de França. Aí sim dariam espectáculo e passariam por magos. Wenger está ‘morto’ para aí há 8 anos, só que o Arsenal ainda não deu conta, caso o Arsenal se proponha vencer títulos. Não faço ideia se se propõe.

A minha esperança é um dia ver Guardiola, Jesus, PB e Klopp na mesma Liga, sem desprezo por outros grandes treinadores. Mas com Klopp numa equipa realmente grande e não no Liverpool. Esperança honesta e realista. José Mourinho? Um fantasma ao nível do treinador do Bayern cujo nome agora não recordo, com a diferença que esse ao menos não gera as mesmas expectativas do Português. É um peso morto para os clubes e para os seus jogadores, pelo menos em equipas de topo como o Manchester United. Mourinho terá de ir para o Bayern ou clubes como o Bayern e disputar títulos que não se vejam disputados por treinadores de topo. Aí sim, será campeão 1 ou 2 vezes seguidas e jogará novamente os 1/4 de final da LC. E depois de se ver eliminado poderá culpar os jogadores, erros individuais e conspirações de balneários e jornalistas, como gosta muito de fazer.

1 comentários:

Manuel HB said...

Outra coisa: não vi o jogo de Roterdão. Não faço por isso ideia se o MU mereceria outro resultado do que aquele que obteve. Mas olhado o histórico de JM, torna-se impossível (tornou-se há muito) confiar nas suas análises.

Post a Comment