“A substância fundamental do progresso desportivo do Sporting é um fogo clubista que incessantemente se acende. É o suporte de vida do espírito leonino; é uma matéria viva ...”


No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas, bem como um depósito para comentários sobre diversos tópicos que vou deixando um pouco por toda a parte.
Para deixar um comentário: Clica no título do respectivo 'post' (à direita do texto). Alternativamente, usa a tua conta do FB. Regras superficiais de utilização: Emprega bom-senso.

Brendan Rodgers, referenciado aqui pelo Gonçalo Correia em Outubro de 2012, numa altura em que submetíamos para apreciação, para treinar o Sporting, três nomes: Jorge Jesus, Roberto Martinez e Michael Laudrup. O trabalho desenvolvido no Liverpool viria a dar-lhe razão, evidenciando tratar-se (B. Rodgers) de um treinador muito capacitado.

Ainda, na sequência de mais uma noite Europeia e na sequência de tantas outras campanhas na Europa e no campeonato espanhol, espero que já não exista muita gente a ver Diego Simeone como um 'motivador de homens'.
Há um mês, na defesa do absurdamente mau futebol jogado pela selecção portuguesa, Fernando Santos dissertava na CI sobre «jogar feio e bem ou jogar bonito e mal». Nessa ocasião, o seleccionador ficou a parecer um pouco (muito) parvo, ao mencionar coisas que nada têm a ver com o jogar bem ou mal. Jogar mal não é sinónimo de jogar feio. Nem jogar feio é sinónimo de jogar mal. O Atlético de Diego Simeone, tal como o Manchester United de Alex Ferguson durante anos a fio, são disso exemplos óptimos.

Brendan Rodgers 3 - 3 Josep Guardiola

Posted on

Thursday, 29 September 2016

Leave a Reply

Search This Blog