Friday, 5 July 2013

Mudar para pior será sinónimo de retrocesso, Benfica

«Só ganhas títulos se tiveres qualidade». Aos níveis individual e colectivo é inegável que este Benfica tem muito talento, talento colectivo e individual com origem no trabalho do seu treinador. Sem qualidade jamais o Benfica, ou qualquer outro, somaria 77 pontos numa liga disputada por 16 equipas. Enquanto assim for o Benfica ver-se-á, como se viu nos últimos 4 anos, na discussão por títulos em Portugal e pelas rondas finais, meias-finais e quartos-de-final das competições Europeias que disputa. Esta é a realidade sobre Jorge Jesus, principal responsável pelo incremento de qualidade no futebol do Benfica entre 2009/10 e 2013/14.

Significará tratar-se de um treinador insubstituível?
Significa que treinadores com a sua qualidade não abundam.

Muitos adeptos do Benfica ficaram naturalmente desagradados com os últimos resultados da sua equipa de futebol, resultados de 2 ou 3 jogos que viram o Benfica perder de forma inglória 4 competições em muito pouco tempo, 3 perdas consumadas: Liga Europa 12/13, campeonato 12/13 e Taça de Portugal 12/13; e 2 perdas por disputar: supertaça (Portuguesa) e supertaça Europeia (Bayern VS Chelsea), troféu que este ano se verá discutido em Praga.

Dos 5 títulos, 4 poderiam estar no museu do Benfica, assumindo que a vitória no campeonato vê-lo-ia jogar a supertaça Portuguesa com o acessível Vitória de Guimarães. Logicamente, os resultados fatais de 2 ou 3 jogos, aliados à desilusão de 2011/12 (perda do campeonato), fazem de Jorge Jesus pessoa unwelcomed em muitos sectores da população benfiquista. É compreensível. Menos compreensível será questionar os méritos do treinador do Benfica com base na sua postura, domínio da Língua Portuguesa, expressões eventualmente utilizadas, ou a qualidade das suas intervenções em frente a uma câmara de televisão, por 2 motivos: a Língua Portuguesa ou os dotes comunicativos de Jorge Jesus nada dizem sobre a sua qualidade como treinador, da mesma forma que nada dizem sobre as suas qualidades humanas.

Muitos adeptos do Benfica andam desesperados sem grande motivo: com as alterações no comando técnico e as perdas de João Moutinho e James, será muito difícil, até para o FCP, igualar os argumentos do Benfica em 2013/14.

4 comments:

  1. Belo texto com o qual concordo. Sou benfiquista e confesso que não consigo ter uma opinião fixa sobre se é bom a continuidade ou não do JJ. Por vezes penso: "é o treinador certo para o Benfica" mas noutras ocasiões duvido disso...Não duvido da sua competência mas depois destas 2 últimas épocas é normal os adeptos ficarem frustrados e revoltados e já se sabe que a figura do treinador é a 1ª a ser questionada.

    Em relação ao último parágrafo, não concordo tanto. Penso que será um campeonato bem difícil para o Benfica até olhando para as 1ªs jornadas em que os 3 primeiros jogos do Benfica fora são complicados (Marítimo, Sporting, Vit. Guimarães). Eu quando vi o "sorteio lembrei-me da época 10/11 (do Villas Boas) e como disse o vosso presidente "As oito primeiras jornadas do campeonato têm muita história. Também há maroscas nesta fase, não é só no final do campeonato. Há clubes que à oitava jornada já são campeões e outros que já estão afastados do título"

    ReplyDelete
  2. Os inícios de campeonato são sempre determinantes mas no caso referia-me à (expectativa) manutenção de qualidade na equipa.

    Benfica e FCP foram equipas extraordinariamente boas em 2012/13 e o SLB mantém todos os ingredientes: o treinador é o mesmo, nenhum dos jogadores mais influentes saíram e chegaram outros que permitirão renovar o espírito entre as hostes. O principal adversário do SLB poderá ser (creio) a carga negativa que alguns jogadores transportarão de 2012/13. A renovação da equipa em 2 ou 3 lugares (quem sabe mais) ajudará nesse aspecto. Tudo o mais, continuará lá. Já o FCP perdendo 2 jogadores fantásticos como Moutinho e James aliada à incógnita que constitui a mudança no comando técnico, torna tudo (para o seu lado) mais incerto. A certeza é que será preciso um FCP muito forte para bater o Benfica de Jesus. Já o FCP muito forte de Vitor Pereira, não existe. O FCP mudou a fórmula. Com que resultados (qualidade nos processos da equipa)? Ninguém sabe.

    Sobre o calendário, o Benfica na época passada perdeu 4 pontos nas 4 primeiras jornadas, arrancando depois para 9 vitórias consecutivas. Mas sim os resultados dos primeiros jogos são bastante importantes, especialmente para as equipas menos fortes (como o Sporting).
    Já agora sobre as dúvidas na continuidade de Jesus e as últimas duas épocas: o Benfica de 2012/13 foi por exemplo superior ao de 2009/10. Poder-se-ia questionar um trabalho mau (deve-se questionar aliás, pelo menos tentar perceber os porquês), mas é que nem foi o caso.

    A última época foi a melhor das últimas 4.

    ReplyDelete
  3. O problema dos portugueses e em concreto, neste caso, da maioria dos benfiquistas é que analisam a qualidade de um treinador apenas e só pelo resultado final. Neste caso o jesus passou de excelente a horrível por um pontapé do Kelvin...

    Todo o trabalho efectuado durante 9 meses não é avaliado. Apenas 4 jogos são tidos em conta na análise.

    ReplyDelete
  4. Avaliam-no pelos resultados de 2 ou 3 jogos e pela imagem: o que parece, diz, forma como diz, etc. Não apenas benfiquistas mas adeptos de Sporting, FCP e tantos outros. Jorge Jesus, em virtude dos seus jeitos, é uma personalidade caricaturável. Claro está, alvo de um povo na sua generalidade complexado e imbecil. Deve sair porque "é ridículo", "não sabe o que é hegemonia", "não sabe falar", "é arrogante", mas na sua área ou campo onde se concentram as suas responsabilidades (como ele diz no vídeo, treino), ninguém sabe justificar em concreto por que motivos Jesus é desaconselhável.

    Em Portugal olha-se muito para a imagem e pouco para o que é real. Há falta de espelhos e juízes em abundância.
    (Motivo pelo qual Vitor Pereira fez muito bem em marimbar-se nisso)

    'O fracasso é um evento. Não uma pessoa.'

    ReplyDelete