Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

«Estou saturado desta conversa de carácter ou falta dele, quando a definição de carácter se resume a se o jogador faz aquilo que interessa (só) ao clube»

Thursday, 11 July 2013

No pressuposto desta notícia ser verdadeira, referindo que Bruma apelará aos tribunais a nulidade do contrato que alegadamente o liga ao Sporting durante a época 2013/14, confirmando-se para o Sporting o pior desfecho possível, não faltará quem na procura de culpados se proponha a carregar na campanha (há longo em curso) que visa retratar negativamente quer o jogador ou os seus representantes, atentando sobre o seu carácter. Não temos neste «blogue» falado muito sobre o tema porque o que haveria a dizer já foi escrito no passado sobre outros atletas, atletas esses em circunstâncias semelhantes às de Bruma. As dificuldades que o Sporting exibe no relacionamento profissional com os seus futebolistas (muito mais do que assinatura de contratos e questões legais) são demasiado frequentes e tornaram-se infelizmente um hábito. Apesar de recorrentes e apesar do denominador comum em todos os casos ser o Sporting, muitos adeptos ainda acreditam na tese que persistentemente vê os jogadores como 'mercenários', 'sem-carácter' ou 'culpados'. Escrevi há uns tempos: na condição que exerço de adepto não existe intromissão entre a minha pessoa e o amor que sinto pelo Sporting. Lá dentro, existe, por existir uma rede de obrigações e deveres, expectativas próprias de um meio profissional em que no futebol, para os futebolistas, os plantéis estão em permanente reformulação, existindo portanto incerteza. 

Tentar ver ou compreender estes problemas com olhos de adepto é descabido.

Lendo ontem uma mensagem no blogue de Rui Gomes, deparei-me com um comentário que ilustra ou descreve o que sinto sobre estas matérias.

Refere o comentário, chega de infantilizar estas questões, quer para um lado como para o outro. Tratam-se de questões laborais entre adultos, com interesses próprios, por vezes coincidentes, outras vezes não, mas na esmagadora maioria dos casos legítimos (para um lado e para o outro). A verdade é que já estou saturado desta conversa de carácter e falta dele, quando na esmagadora maioria dos casos, a definição de carácter se resume a se o jogador faz aquilo que interessa ao clube ou não.

Subscrevo tal qual foi dito.

Para defendermos o nosso (clube) interesse necessitamos de salvaguardar não os interesses do clube, não os interesses do jogador, mas os interesses de clube e jogador em simultâneo. O jogador tem de ser percebido como aliado, não pode ser visto como um inimigo nem deverá ver-se hostilizado, porque só assim o Sporting defende e salvaguardará o seu próprio interesse. Luís Figo não se tornou no futebolista ímpar que conhecemos por ter feito o seu percurso de formação no Sporting, da mesma forma que João Moutinho não é o futebolista que se conhece por ter sido salpicado por varinhas mágicas de Alcochete. Cristiano Ronaldo já era um futebolista muito talentoso antes de ingressar em Alvalade. A noção de que o Sporting, ou qualquer outro, tem uma fórmula mágica para fabricar ou produzir jogadores de futebol, termos já de si sugestivos de uma instrumentalização pouco recomendável, é descabida, tornando igualmente descabida a pseudo noção de que os jogadores devem tudo o que têm ao Sporting. Quando o Sporting recruta jogadores de 6, 7, 8, 9, 10 ou 11 anos de idade, fá-lo com socorro a critérios que filtram os mais talentosos e não o faz no interesses dos jogadores mas no seu exclusivo interesse. Uma vez inseridos no universo do clube defender os interesses do Sporting significará, em todos os momentos, defender os interesses das duas partes.

Mais uma vez tal não foi feito. Os interesses do Sporting não foram defendidos. Como sempre, o maior prejudicado é o clube.

30 comentários:

Miguel Nunes said...

Falas de uma coisa importante que poucos perceberão. O Sporting teve durante muitos anos a melhor formação, mas a grande diferença não era essa. Era a prospecção! O detectar de talentos antes dos outros. O Bruma é um caso diferente. Já é um jogador que chega à Europa pelas mãos de um empresário que o foi colocar ao Sporting, sem que o Sporting soubesse sequer quem era o Bruma até o tal sr aparecer com ele em Alcochete. Sendo portanto natural que o tal empresário queira lucrar com isso.

É preciso sensibilidade para lidar com os jogadores, mas é importante referir que esta situação toda nasce de algo inaceitável quando falamos de futebol profissional. Deixar que jovens promessas fiquem a apenas um, dois anos do término do contrato.

Há 3 anos atrás davas um contrato de máxima duração ao miúdo a pagar-lhe 2 ou 3 mil mês e tava assinado. Ficava tudo salvaguardado. Quando crescesse recompensar-se-ia o esforço com novo contrato, mas sem esta pressão do fim do mesmo estar a chegar.

Manuel Humberto said...

Miguel, é nessa perspectiva que o refiro. O grande mérito é evidentemente o da prospecção, sem desprezo para os óptimos técnicos e programas de formação que o Sporting eventualmente mantém. Mas na mente do "adepto" é como se o clube andasse lá a fabricar jogadores com fórmulas de laboratório. Chegam a adultos devem tudo ao Sporting. Pq? O Sporting é que fez deles grandes jogadores. Isto é duma estupidez medonha, género desenho animado.

Sobre a renovação, não estou por dentro da lei ou regras da FIFA mas pelo que percebi (o único sítio onde vi essa matéria de contratos de jogadores em idades de formação explicada foi no «blogue» de Rui Gomes e por isso guio-me pelo que lá é dito): o Sporting tendo assinado com Bruma um contrato aos 15 anos, só poderia renová-lo quando o jogador fizesse 18 (a partir de Novembro ou Dezembro de 2012). Não estou por dentro dessas questões de direito do trabalho / regras para assinaturas de contratos mas foi o que percebi.

Miguel Nunes said...

pois, tb não percebo nada disso. E isso faria mudar muita coisa sobre possíveis responsabilidades. Isto nas idades jovens é um bocado uma selva. Por exemplo, para contrariar essa selva e o incrementar de dinheiros e promessas a voarem de um lado para o outro beneficiando apenas jogadores e sobretudo encarregados de educação, Sporting e Benfica têm pacto de não agressão na formação. Há o compromisso de não falarem / desviarem os jogadores um do outro. Quem chega primeiro fica com o miúdo e o outro não mais chateia. Porque enquanto não há contratos, no final da época todos os jogadores são livres para sair enquanto não assinam o respectivo vinculo. Um pouco como o futebol amador.

Miguel Nunes said...

http://www.youtube.com/watch?v=2D_Bl8oHI3Q

este sacanita jogava no Sporting e o pai passava a vida de volta do Benfica a pedir dinheiro que levava para lá o miúdo. Provavelmente qd lá chegasse haveria de fazer igual de novo para o levar para o Sporting. Conseguiu safar-se na Espanha.

É feio? Claro que é, mas consta que o Málaga paga 5mil euros ao pai num emprego qq que lhe deu para o miúdo estar lá. É feio, mas é uma família orientada financeiramente. O futebol é como a vida e às vezes as pessoas esquecem-se disso.

Então eu não levava o meu filho para outro clube se as condições fossem aliciantes?

Manuel Humberto said...

Miguel, absolutamente. E não é assim que o Sporting também alicia jogadores? Certamente não os alicia com promessas de amor eterno ...

Aos clubes cabe fazer contas e rentabilizando desportivamente os futebolistas, transferi-los pela maior margem de lucro possível. E os jogadores farão o mesmo. São interesses comuns. Em muitos casos com opções de carreira duvidosas mas financeiramente vantajosas (ainda agora Moutinho assinou pelo AS Mónaco, desportivamente uma decisão fraquinha).

O FCP perdeu algum dinheiro com João Moutinho?

O clube comprador que oferecer ao Sporting a maior verba oferecerá também a maior verba ao jogador, isto havendo mais do que 1 interessado. E depois a mentalidade dos jogadores é hoje em dia muito mais «consciente». É o que disse Bebiano Gomes, agente ou advogado de Bruma: antigamente os clubes davam de forma labrega 2 murros na mesa e os jogadores assinavam a tremer. Esse tempo já lá vai. Quantos e quantos grandes jogadores de Sporting, Benfica e FC Porto acabaram carreiras enormes sem grandes fundos ou contas bancárias no fecho das carreiras? Aos clubes cabe fazer escolhas e recompensar os melhores. Não no interesse dos jogadores mas no seu próprio interesse. Porque é com os melhores que ganhará mais dinheiro (antes disso, títulos). Já eles jogarão futebol no relvado de Alvalade ou das Antas ou da Luz porque a sua profissão é mesma essa. Qualquer um de nós faria o mesmo.

Mas claro é mais fácil insultar Bruma. Ou Moutinho. Ou Figo (este viu-se insultado em 2 lados, Lisboa e Barcelona). Ou Futre. E tantos outros. É o Sporting quem perde ...

Peyroteo said...

Pois, muitos adeptos ainda têm uma visão muito romântica do futebol. Neste caso (como em outro qualquer), cada um defende os seus interesses e temos sempre a tendência para achar que, quando os processos se complicam, a culpa é sempre da outra parte.
Na novela Bruma é difícil perceber quem tem razão, as declarações são quase diárias e muito pouco coerentes. Depois aparecem acusações gravíssima sobre raptos, etc, que só separam ainda mais as partes.
Pelos vistos, o Sporting ainda quer renovar com o jogador. Se todos pensarem bem, essa ainda é a melhor forma de resolver este assunto. E espero também que este caso sirva de lição.
Totalmente de acordo quando dizem que o que distingue a formação do Sporting das dos outros clubes é a prospecção. É no saber detectar os melhores talentos que está o segredo da qualidade da Academia Sporting. Claro que não basta encontrá-los, é preciso incutir-lhes disciplina, responsabilidade e respeito pelo clube. Tudo isso contribui para a nossa fama de clube formador. E também por esse selo de qualidade que pessoas como Cátio Baldé batem à porta do Sporting antes de bater à porta dos outros.

Tiago said...

O modelo americano é o melhor. Os clubes não têm formação, ficando esta a cargo das universidades.
Chegados à idade "adulta" negoceiam com quem quiserem, sendo que existe a ordem de preferência no draft.
Ganham os clubes, as universidades, os atletas e a competição.

Miguel Nunes said...

"Pude ler esse acordo que dava direito de preferência ao Sporting na compra do Ghilas. Em primeiro, esse acordo estava mal feito e o Sporting precaveu-se mal porque precisava da anuência do jogador. A cláusula de rescisão era de três milhões de euros. Quando chegámos, fomos claros que queríamos falar com o jogador e fazer essa abordagem para exercermos o direito de preferência mas, quando nos chegou o pedido por parte do Moreirense, o jogador já tinha acertado tudo como outro clube. Isto não é direito de preferência, tem outro nome, é má-fé, porque se deixo um jogador negociar com outro clube, não há forma de exercer esse direito." B.Carvalho, Presidente do SCP.

Há uns tempos tive uma discussão no twitter, precisamente pq eu afirmava que os acordos de preferência entre clubes valem 0. Mas, mesmo 0, não é 0.5, é 0. Os clubes não põe e dispõe. Os jogadores são pessoas e há quem continue a não o perceber. Sobretudo no Sporting.

Destaco "é má-fé, porque se deixo um jogador negociar com outro clube, não há forma de exercer esse direito". Tipo... aqui a pessoa que muda a sua vida, muda de cidade onde se calhar terá de procurar colégio para filhos, etc etc, muda de contrato, enfim, aquele que realmente é afectado por tudo isto, para o bem ou para o mal, é aquele que continuam a querer "não deixar negociar"

Agora Manuel, tens uma empresa que te quer muito e te dá condições que para ti são as melhores, chega o teu patrão e diz-te "Não! Tu vais é para ali" e tu vais, mm que seja para ganhar menos, numa cidade longe e que gostes menos...

Continuam a não perceber o essencial... ainda pensam que os jogadores são escravos, mas daqueles bem pagos.

Tiago said...

Exacto Miguel Nunes. Já ouvi várias pessoas dizerem "Mas porque raio não comprou o Sporting o Ghilas?? Só custava 3 milhões de €!!" e respondi-lhes sempre com "Porque obviamente o Ghilas sempre preferiu ir para o Porto!!".
O Sporting ou qualquer outro clube não contrata quem quer, contrata quem pode.

Peyroteo said...

Mas aqui existe outro problema: Não devia o Moreirense ter informado o Sporting do interesse de outros clubes? Essa não é uma obrigação decorrente de um acordo desta natureza? Aí é que o Sporting pode ter razões de queixa porque, pelos vistos, o Moreirense só perguntou ao Sporting se queria exercer a opção, já havia acordo entre Moreirense e Porto e entre Porto e Ghilas. Como o Miguel diz, o acordo passa a valer zero.
Agora o jogador preferir outras paragens, é a opção dele e deve ser respeitada. Mas Bruno de Carvalho também disse o seguinte:
"não quereria um jogador que não mostrasse vontade em vir para o clube e se o Ghilas queria ir para o FC Porto muito bem"

Miguel Nunes said...

"O Bruma tem de precaver-se e preparar o futuro como um jogador com a capacidade que tem e ganhar aquilo que realmente merece. Ele ganha menos de dois mil euros e tem uma cláusula de 30 milhões de euros. Estamos a brincar?" advogado do Bruma.

Do ponto de vista legal é óbvio que nada pode ser criticado no Sporting, mas já do ponto de vista da gestão dos seus recursos... é lamentável... já não são poucos os que o Sporting vai perdendo porque trata os jogadores como folhas de excell.

Então, mas logo que o Bruma se estreia na equipa A, ou logo que tem uma ou outra exibição mais valorosa, não devia logo ter-se sentado com ele? Como é óbvio é um miúdo chateado por estar a ganhar menos de 2 mil euros... as contas do Bruma neste momento passam até por recuperar o dinheiro que já perdeu por estar no Sporting e não noutro lado... Assim que o rendimento sobe para níveis superiores ao que está na folha de vencimento, primeira coisa é premiar o jogador. Toda a gente já faz isto menos o Sporting onde continuam a achar que os jogadores têm de jogar e calar. Não gostam do contrato não assinassem, ignorando que o assinam com um estatuto e que depois vão almejando outro.

Não há mm sensibilidade nenhuma para tratar de PESSOAS. Os dirigentes têm sido aqueles típicos adeptos. Às vezes mais valia ter dirigentes de outros clubes sem esta dificuldade da inteligência emocional... de certeza que tudo era mais bem conduzido.

O Bruma a ganhar o que ganha, a viver no meio da riqueza (dos colegas)... não deve ser nada fácil. Agora com esta valorização do u20 e o estar só a um ano do término do contrato, sabendo que facilmente consegue prémio de assinatura de muitos milhões de euros... só se for mt parvo é que fica no Sporting!

Miguel Nunes said...

«Não foi no Mundial que o Bruma mostrou as suas qualidades, já na equipa B do Sporting tinha revelado tudo o que nós vimos agora. O Sporting tinha a obrigação de chamar as pessoas para chegar a um entendimento»,

nem a propósito. O Bruma era um jogador chateado, obviamente.

Lembraste daquele caso que falámos do miúdo que rejeitou sair para ficar no Sporting, mesmo ganhando bastante menos? Deixa o miúdo impor-se agora, se não tratam logo de renovar (e aqui n é uma questão de aumentar o nº de anos... é mm premiar no salário os melhores), vais ver como se vai sentir injustiçado... quando até já abdicou de dinheiro para jogar no Sporting. Ainda o vemos chateado a querer sair e a passar por vilão... qd está desde janeiro a perder mt dinheiro para jogar no Sporting.

Rui Gomes said...

Caro Manuel Humberto,

Não vou entrar na discussão do Bruma que estou a fazer em volume no meu blogue. Apenas para esclarecimento, pelas regras da FIFA, o mais cedo que o SCP podia ter negociado um contrato de longo prazo (máximo 5 anos) foi a partir do seu 18-º aniversário a 24 de Outubro. Pelos variadíssimos problemas então na SAD e com a equipa, GL só iniciou o processo em Jsneiro, depois de ele ter assumido as rédeas, pelas saídas de Duque e Freitas. Na primeira semana de Fevereiro, salvo erro, Catio Baldé veio a público anunciar que já tinham um acordo, mas que pelos movimentos pré-eleitorais queriam ver o que iria acontecer e saber melhor o projecto para o futebol, antes de por o preto no branco. Daí, o actual impasse.

O problema com as regras da FIFA - é aqui que os representantes se estão a basear - é que especifica que um menor entre os 15 e os 18 anos, não pode assinar um contrato por mais de três anos. Mas há uma lacuna - essa a minha interpretação e, quiçá, poderá ser até a do Sporting - não diz que que não se pode assinar mais que um contrato. Segundo as informaçóes, após o inicial contrato de 3 anos, um segundo foi rubricado e é esse que o advogado de Bruma alega que é ferido de nulidade. E é precisamente este segundo, que coloca o jogador no Sporting até 2014. Para ser sincero, não sei se o Tribunal quererá pronunciar-se sobre matéria desta natureza que cai sob o domínio da FIFA. Esta é que deveria/deverá resolver a contenda.

Por fim, reitero o que já disse vezes sem conta, a essência do problema centra-se no braço de ferro assumido e não na arte do bom negociar sobre o que está sobre a mesa, especialmente antes do Mundial. Só há aqui uma dúvida lateral, mas essencial: é ade admitir que o experiente Pini Zahavi provocou deliberadamente esse braço de ferro, tirando proveito da inexperiência de BdC e da SAD, porque quando se sentou á mesa para negociat já trazia no bolso uma ou mais propostas do exterior. Ele queria este conflito, e os dirigentes do SCP nunca reconheceram isso. O melhor que pode agora acontecer ao SCP, mesmo ganhando o caso, sem mais negociações, é vender o jogador imediatamente pelo melhor preço possível, pois se esperar até Janeiro, ele sairá em Junho a custo zero.

Um abraço.

GBC said...

A situação do Bruma é semelhante à do Labyad. Aí o jogador já não era mercenário, já só procurava um futuro melhor, que não teria no PSV...

Sinceramente, acho que quem contratar o Bruma arrepender-se-á tanto quanto quem contratou o Labyad (no caso, nós). Não porque não tenha qualidade, mas porque está sobrevalorizado para aquilo que vale e para o que poderá valer.

Eu gostava de contar com o Bruma. Acho que o Sporting devia ter resolvido a situação atempadamente. Hoje, acho difícil o Bruma continuar no Sporting. E se há jogadores pelos quais o Sporting deve ceder, o Bruma para mim não está no topo da lista...

Aqui o problema foi esta rescisão, que o Bruma (e os seus representantes) não deviam ter feito. Mas o SCP é verdadeiramente o responsável por a situação ter chegado a este ponto. Se BdC e Inácio sabiam que o contrato de Bruma era dúbio, e se sabiam que seria muito difícil chegar a acordo, as duas partes acordavam a saída de Bruma para outro Clube, com o Sporting a ser ressarcido. Penso que até era isso que o Bruma queria, pelo que disse há uns tempos ao jornal «A Bola». Evidentemente, não cumpriu o que disse. Se foi forçado a isso (pela instransigência e falta de tacto dos dirigentes do Sporting) ou se é mal-formado (aqui não está em causa procurar o que é melhor ou não para mim, mas sim mentir, não me responsabilizar pelo que afirmo e declaro, etc, coisas da vida), não faço ideia. Inclino-me mais para a primeira opção.

A única saída parece-me ser assinar com o Bruma novamente por um ano e vendê-lo já a outro Clube este Verão. Ganhando muito ou pouco. Isso e canalizar o dinheiro (da venda e da não renovação) para rever rapidamente os contratos do Ilori, Dier, André Martins, João Mário, Chaby, Carrillo e Iuri. De entre as soluções verosímeis, parece-me honestamente a melhor.

Se o Passado já não se resolve (ou, pelo menos, a bem), o Futuro está à porta...

Um forte abraço Manuel

Anonymous said...

tinha reticências de voltar a postar aqui, mas aqui vai.
Digam o que disserem os jogadores devem ter regras, e os exemplos vem de cima. O BDC goste-se ou não tem se seguido na minha opinião pelos melhores motivos, preservar o clube de esta ou de outra tentativa de criar "casos especiais". O adrien é um deles, o Labyad outro.
Se queremos salvar o clube financeiramente não vamos centrar tudo num só jogador e deixar o grupo ferido de morte.
Prefiria que o Bruma ficasse, mas era antes de assumir o corte, agora prefiro manter a união do sporting do que ter um miúdo contrariado " a mais" no grupo!
Uma andorinha não faz a primavera, mas fico triste com tamanha ingratidão!
SL

Manuel Humberto said...

Tal e qual Miguel, eles não são parvos e são tão honestos como qualquer um de nós. Procuram o melhor para si. Só muito raramente o melhor para si não é também o melhor para o clube (quantos acharam as exigências de Hugo Viana pouco razoáveis quando o regresso estava equacionado em 2010?), e isto não significa ceder a "caprichos" mas ter lá pessoas capacitadas para perceber quando há interesse em ficar com um jogador para tirar proveitos desportivos e financeiros. Não se pode tratar todos por igual. Este caso de Bruma é ainda mais "parvo" porque trata-se dum jogador cujo potencial económico é superior ao desportivo. Renovar-se-ia com ele e 45 ou 60 jogos na equipa do Sporting fariam o resto, não era preciso sorte nem mais nada, transferência choruda porque o "aspecto" e tiques do jogador enganam muito boa gente. O Sporting pagando ao Bruma, aos agentes do Bruma e aos amigos todos do Bruma nunca mas nunca perderia com ele dinheiro. É estupidez crónica.

E no caso que falas do jogador que está no plantel e poderia estar hoje a ganhar mais noutro clube da sua terra Natal, resta perceber aquilo que o Sporting fará desportivamente com ele. Nem isso é garantido porque a gestão desportiva é outra deficiência crónica do Sporting e tem TUDO a ver com isto. Exemplo. Vou inventar um valor: vale a pena pagar 1 milhão ao Adrien? Se for para tê-lo a fazer 10 jogos por época aos 50 minutos de cada vez, pois de certezinha que não vale. Nem para Adrien nem para o Cristiano Ronaldo. Mas se o Sporting em vez de fazer experiências com jogadores vulgares que chegam dos 4 cantos do mundo utilizasse de facto o Adrien e este fizesse 2 épocas a fio, de certeza que o clube não perderia com ele dinheiro. São vários factores diferentes (a falta de sensibilidade que falas, avaliação desportiva notoriamente fraca e outros) que resultam nestes casos.

O central que saiu para a Roma? Nem lembro se é a Roma. Roma ou Parma. Pedro Mendes não é assim que se chama? Estava lá a jogar todas as semanas. Os dirigentes a 10 metros dele. Mas só a alguns meses do fim do contrato é que se lembraram que até era bom jogador. Até lá deu jeito esquecer o caso porque senão ter-se-ia de recompensá-lo com um salário melhor. Quando quiseram já foi tarde e o jogador fez muitíssimo bem em sair do Sporting.

Manuel Humberto said...

Peyroteo, é difícil perceber quem tem razão porque isto nunca acontece por um motivo só. É como o Miguel diz, várias coisas que se arrastam no tempo e para as quais contribuem várias más decisões em etapas diferentes que culminam nestes desfechos. O processo passou certamente por pessoas diferentes no último ano e ninguém o resolveu a bem do Sporting, responsabilidade dos dirigentes do Sporting e não do Bruma ou dos agentes do Bruma, porque a responsabilidade de zelar pelos interesses da instituição é dos primeiros.

Para fazê-lo teriam que aproximar-se do jogador.
Ao invés, hostilizaram-no. Primeiro com silêncio e desleixo (como é típico no Sporting), mais tarde com uma retórica e processos de intenções delirantes. Tendo o jogador ofertas / interesse de 5 ou 6 clubes melhores que o Sporting a hostilização resolve alguma coisa? O jogador só renova se quiser.

Tiago, sobre Ghilas é isso. Entrando o FCP na corrida muito dificilmente o jogador cairia no Sporting. Para o jogador vir era preciso ter arrumado o assunto em 5 minutos antes do FCP entrar na corrida.

Rui Gomes said...

Caro Manuel Humberto,

À parte de adjectivações subjectivas, o caso de Labyad é diferente do de Bruma, em que não porta as mesmas restrições. Labyad assinou um contrato de 3 anos com o PSV em 2009 - com 17 anos - aqui está novamente a regra dos 3 anos para menores de 18. Esse contrato terminou no verão de 2012 e ele optou por não renovar e saiu a custo zero, daí que se depreenda que o que é denominado salário que ele aufere agora, é também compensação pelos direitos económicos a serem pagos mensalmente. Com Bruma há disputa sobre a validade do tal segundo contrato que é alegado que ele rubricou depois do primeiro de 3 anos. Em qualquer dos casos, o jogador que optar por não renovar fica livre, a custo zero, se não for vendido antes de Janeiro do seu último ano de contrato.

Um abraço.

Manuel Humberto said...

GBC, no caso de Bruma a perda maior não é a desportiva, não poderia concordar mais. Seria desportivamente um jogador importante mas não essencial. Essencial isso sim aos cofres por tratar-se duma transferência fácil (desportivamente não está ali nenhum Nani nem nada que o valha, em termos grosseiros é mais ou menos isto).

«Aqui o problema foi esta rescisão, que o Bruma (e os seus representantes) não deviam ter feito», na perspectiva do jogador poderá eventualmente virar-se contra ele. Dependerá do que deliberarem os tribunais e sobre isso não faço a mais pequena ideia. Guardo contudo a noção de que há uma certa flexibilidade nestes casos, género o jogador escolher o seu futuro ao passo que a coisa se decide nos tribunais. Não imagino a FIFA ou quem quer que seja congelar a sua entrada numa equipa / clube e inscrição num campeonato à espera que isto se resolva. Possivelmente, durará algum tempo. Eu tenho impressão (não passa obviamente disso) que terá havido qualquer coisa de irreversível entre os representantes do jogador e o Sporting. O Sporting querendo medir forças quando o jogador no máximo dos máximos está a 1 ano de acabar contrato, recusando-se receber o advogado do atleta ou atirando para o ar "ameaças" parvas como "eu não cedo a pressões e não me queiram ver virado do avesso", dificilmente não ficaria no fim a chuchar no dedo.

FCS said...

5 minutos é uma eternidade. Dá para fazer 2 ou 3 chamadas e num ápice tudo muda.

Se até há escutas a provar isso...

Manuel Humberto said...

Rui Gomes, o Gonçalo referia-se em termos desportivos, do tipo o próximo clube de Bruma (Inter, Chelsea ou qualquer que seja) sentir alguma dificuldade em retirar dele rendimento no campo e ser expectável sentir-se defraudado pelas qualidades do jogador, assim Bruma enfrente desafios diferentes dos que conhece(u) no Sporting. Dificuldade acrescida. Labyad também é mais ou menos assim. Dá todo o aspecto de ser aquele jogador que nos treinos faz mil-e-uma maravilhas mas nos jogos, jogando em espaços reduzidos, já só sai metade do que sabe fazer. Não estou a dizer que Labyad é mau jogador. Tal como Bruma é um jogador interessantíssimo. Tanto pode dar como não, é mais isso. Depende.

Quanto aos contratos, guiei-me justamente pela sua posição, naquele «post» antigo que publicou sobre o tema. Motivo pelo qual não dou de barato que o Sporting pudesse ter renovado com ele antes dos tais Novembro ou Dezembro de 2012. Nos próximos dias ao passo que as explicações se multiplicarem, talvez essa dúvida fique desfeita.

Manuel Humberto said...

FCS, durante meses o jogador esteve á mercê do Sporting, período que apanha as 2 administrações. Inácio estava lá todos os dias a treinar com ele. Foi uma tristeza absoluta ter-se deixado escapar um jogador daqueles.

Anonymous said...

"É mandar montar já um escritório à saída dos duches enquanto não estão rodeados de Babuínos … Começava já amanha com o Mané … Assina aí 5 anos que daqui a 3 tás no Barça como sempre sonhas-te e ganhas 100% do teu salário, não precisas de dar o dízimo ao cátio!!! ps: Quando saíres Mané, diz olá ao armindo que tá aí ao lado a limpar a retrete! SL"

http://ocacifodopaulinho.wordpress.com/2013/07/11/ponto-final-paragrafo-2/

Esta gente proclama-se sportinguista?
Inacreditável

Alma_Leonina said...

Esta é a primeira vez que comento apesar de ler assiduamente o blog e começo por felicitar o autor pela sua notória qualidade antes de deixar a minha opinião.

Admiro a frieza, objectividade e alguma distância como Manuel Humberto e Miguel Nunes analisam este caso (e outros) e não posso deixar de concordar com alguns aspectos, nomeadamente a renovação salarial atempada com base na performance desportiva, relembrando, e bem, que o futebol é uma profissão para estes jovens. Mas admito a minha visão muito mais romântica da questão.

Futre, Figo, Moutinho, Izmailov, Bruma... Bem sei que não pode haver tantas "maçãs podres". Reconheço que estes casos (algo semelhantes e repetidos) não aconteceram por mau caracter/ personalidade dos jogadores.

É um facto: a gestão da carreira dos melhores talentos da academia efectuada pelo clube deixa-me "deprimida" e considero que a intromissão dos empresários (acredito que entrem cada vez mais cedo na vida dos atletas) também não ajuda em muitos casos.

Mas é difícil para mim, assumindo o meu lado romântico e emocional, aceitar estas rescisões de contractos (que posição radical!!!), estas faltas aos treinos e estes desejos persistentes de rumar para outras paragens por parte dos melhores (como foi o caso de Moutinho). "Sofri" com Moutinho como vou "sofrer" com Bruma! Fazem-me sentir como que pertencendo a um sporting "pequeno" e incapaz de cativar os seus melhores jogadores. O que não é verdade... não deveria ser! E isto, a mim como sportinguista , custa!

Neste caso de Bruma não consigo simpatizar ou compreender a postura dos empresários/ representantes do jogador. Admito que o demasiado longo silêncio por parte do nosso Presidente (que transmitiu uma ideia de distância e indiferença) pouco beneficou as negociações (pelo contrário), mas também não concordo minimamente com a postura dos representantes: foram constantes/ diárias as mensagens, insinuações e ameaças através da comunicação social. Não vejo isto acontecer noutros clubes.

Também não consigo compreender a intransigência do jogador e representantes em ter participado na 6ª feira passada na famosa reunião com todos os intervenientes presentes (incluindo Bruma) como solicitado pelo Presidente. Se todos tivessem realmente vontade de negociar não compreendo o porquê da recusa constante da presença de Bruma (mesmo com os representantes ao lado). Repito... se todos estivessem com vontade de renovar e agir de boa fé... Vejo erros em ambos os lados. Mas também sabemos pouco sobre a novela, acho eu.

Enfim... desejei a continuidade de Jesualdo... saiu furado. Desejei a continuidade de Bruma... saiu furada! Até tenho medo de desejar a renovação rápida de contracto doss nossos melhores jovens jogadores (ILORI ... por favor renovem!!! - e DIER).
Se as épocas desportivas anteriores foram um sofrimento para os sportinguistas (que anseiam logo em Dezembro pela chegada rápida de Maio/ Junho)...nos últimos anos, nem a pré-época (habitualmente caracterizada por alegria e renovar de esperança) deixa se ser motivo de preocupação e tristeza para os sportinguistas!

Continuação de bom trabalho no blog!

rui gomes said...

Caro Manuel Humberto,

Em relação às regras da FIFA, a única dúvida é o possível "loophole" em que não especifica se posem ser assinados mais do que contrato com menores de 18 anos. Isto, leitura à letra, porque pode ser argumentado que o espírito da regra implica apenas um contrato com não mais de 3 anos de duração. Por outro lado, pode também ser argumentado 3 contratos, cada um com um ano de duração. Daí, o "loophole" ! A FIFA tem tido inúmeros problemas com este tipo de caso e com transferências de menores. Sinceramente, não vejo o tribunal - laboral que seja - ter jurisdição para este tipo dde juízo que cai exclusivamente dentro do foro desportivo e, por inerência, da FIFA.

Manuel Humberto said...

Anónimo, as discussões com origem nessa fonte não tem o mínimo de interesse ou relevância. Os usuários e autor do Cacifo do Paulinho são sportinguistas como qualquer um de nós, nessa matéria somos todos iguais, mas aquém e além disso são pessoas mesquinhas, pequeninas, superficiais que se escondem atrás dum teclado e dum monitor para despejar frustrações. São resíduos do tipo de sociedades que habitamos, lixo de cima abaixo, gente destrutiva (ao nível de comunicação) e frustrada que passa os dias a emitir juízos sobre os mais variados assuntos da forma reles que se vê. São problemas de pessoas. Primeiro de pessoas. Só depois de clube.

Alma Leonina, obrigado pelas palavras que nos endereça. Julgo que estamos todos cansados deste tipo de casos e não temos dúvidas que o maior prejudicado foi / tem sido / será o Sporting. Como diz, eu também não receio por um segundo que estejamos na presença de jogadores mal formados, ansiosos por fazer mal ao Sporting ou desonestos na forma como se conduzem. O denominador comum é o Sporting e falamos de indivíduos diferentes entre si, de gerações diferentes entre si e esta história no Sporting já é infelizmente longa.

Rui Gomes, pessoalmente confio por inteiro no retrato que faz. Não será um caso de fácil resolução (pelos tribunais ou FIFA). Nunca são e tanto clube como jogador terão razões de queixa de parte a parte. Teremos de esperar para ver ...

Manuel Humberto said...

Alma Leonina, só mais um pequeno apontamento sobre o seu comentário. Com as devidas diferenças na escala entre os 2 clubes (mas olhando sobretudo ao peso relativo - comparação entre eles, dentro de cada clube). Lista de salários dos jogadores do FC Barcelona (fonte não faço ideia se é credível ou não, «match income»):

Valores anuais para todos eles,

Puyol - €7,11,600 (Euros)
Leo Messi - €8,76,000 (Euros)
Andrés Iniesta - €6,81,400 (Euros)
Gerard Piqué - €6,79,500 (Euros)
Xavi - €6,90,000 (Euros)

Messi é indiscutivelmente o melhor jogador daquela equipa. É muito grande a diferença do seu salário para alguns dos outros que são também indiscutivelmente os melhores jogadores daquele clube? Não. Não interessa a origem: foram formados no FC Barcelona mas são os melhores e são, por isso, os mais bem pagos.

Se olharmos o Sporting, quais são os nossos melhores jogadores? De grosso modo aqueles que terminaram a época no 11 com Jesualdo. Bruma, Ilori, Patrício, Dier, Martins, Rinaudo, Wolfswinkel e outros. Alguém acredita que os salários de Martins, Dier, Ilori e Bruma (os 4 somados) se equiparam ao de 1 Boulharouz, 1 Rojo ou 1 Wolfswinkel? Ou ao pé de outros que nem jogavam ou nem para o banco iam?

Não é assim tão simples mas ajuda a perceber a origem dos problemas: avaliação desportiva e justiça na recompensa dessa avaliação. O Sporting falha nas duas coisas. Assim fica difícil.

Anonymous said...

This comment has been removed by a blog administrator.

Rui Gomes said...

Caro Manuel Humberto,

Já não tenho energia para fazer pesquisa no meu blogue, mas recordo que há uns meses publiquei um post com dados factuais em que era indicado que o Barcelona era, por jogador, a equipa mais bem paga do Mundo, com uma média acima dos 6 milhões de euros. Começando por aqui,o Sporting nem pode ter espaço no mesmo "livro", muito menos no mesmo capítulo de avaliações.

Um abraço.

Manuel Humberto said...

Caro Rui Gomes, poderiam até ser 60 milhões por jogador, ou 6 mil. O ponto é o peso relativo dos jogadores no plantel (na comparação entre eles):

- No FC Barcelona (e é só um exemplo) os melhores jogadores são factualmente os mais bem pagos. No Sporting os melhores jogadores são inevitavelmente os mais mal pagos. O ponto é esse.

Post a Comment