No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Quando sentimos um clube, quando amamos um clube, algo sempre mais produtivo para o clube do que a procura de amor-próprio, numa relação imediata com o seu futebol olhamos alguns dos nossos jogadores como símbolos. Alguns, só, não obstante ano atrás de ano, época após época, todos, sem excepção, simbolizarem algo: desde esperança para que materializem as suas aspirações, no caso de um clube grande, coincidentes com as nossas, obtenção de títulos, até algo mais, consoante a qualidade exibida, importância dentro da equipa e tempo de serviço.

A dividir os dois universos: passado e presente.
Enquanto o presente é normalmente olhado com esperança, ou pessimismo, o passado já lá vai. Sobre o presente existe desejo, ou presságio, enquanto o passado não podemos alterá-lo nem dele podemos retirar alguma coisa nova (ou velha). Daí, à inexistência de expectativas, quando num clube olhamos o seu passado só existe contemplação. O presente é o dia-a-dia. O passado, fascina-nos. É a mistura de fascínio popular com a realização de feitos que produz aquilo a que normalmente chamamos de símbolos. Hoje temos (vemos) menos símbolos, hoje temos (vemos) menos jogadores a aparecer como símbolos, quando os símbolos não se têm nem aparecem por geração espontânea. É a mistura de fascínio popular com a realização de feitos que produz aquilo a que normalmente chamamos de símbolos. Não depende unicamente deles, símbolos, mas de nós e da forma como nos habituámos a senti-los. Hoje, de grosso modo, não existe fascínio popular, porque o papel de adepto mudou muito, para pior.

Aquele grupo de gente de 94, vendo agora com distância e saudade, dava todo o ar de sentir de tal forma o clube que já conhecia a nossa tragédia que havia de chegar.

Quando sentimos um clube, quando amamos um clube, quando realmente amamos e nos dedicamos a um clube, o resultado só pode ser este (link).

Longínqua reverência. Infelizmente, os adeptos não são todos iguais ao Ricardo.

Posted on

Tuesday, 4 June 2013

2 Comments
  1. fdx, e a jogada do Rui Costa no 1o golo? Já não se fazem...

    ReplyDelete
  2. #Quando sentimos um clube, quando amamos um clube, quando realmente amamos e nos dedicamos a um clube, o resultado, só pode ser este.#
    queria perceber a referência ao SLB neste post!??

    ReplyDelete

Search This Blog