Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

Conversão de dívida em acções. Hipoteca a 2 dos principais credores. Aumento de capital.

Friday, 21 June 2013

Pelo que é dado a perceber no Jornal de Negócios:

1) A Holdimo, empresa de investidores Angolanos na qual sobressai (destaque dado pelo jornal) o nome de Álvaro Sobrinho, verá um crédito mantido sobre o Sporting convertido em acções. 20 milhões de euros correspondentes a 26% da Sporting SAD. Significará isto, presumo, que vendo-se trocada por acções, a dívida deixará de existir, ao passo que o grupo de investidores ganhará palavra sobre as actividades / negócios da Sporting SAD.

2) Os direitos de superfície do Estádio José Alvalde e do edifício Multidesportivo foram hipotecados ao BCP e BES, dois dos principais credores do Sporting.

Tratar-se-á, presumo, duma condição imposta pelas duas instituições a fim de que o Sporting continue a ver-se financiado tanto por BES como BCP.

3) Serão propostos na AG marcada para o próximo dia 30, um ou mais aumentos de capital no valor de 18 milhões de Euros, a realizar por novas entradas em dinheiro através de subscrição junto de investidor, ou investidores, de referência. O(s) aumento(s) de capital, presumo, permitirão ao Sporting Clube de Portugal manter-se accionista maioritário da SAD, ficando por conhecer o património que passará do clube para a SAD a fim de viabilizar o dito aumento de capital.

Notícia completa, aqui.

15 comentários:

Anonymous said...

Se o Sporting continuar accionista maioritário não vejo qualquer problema na entrada dos investidores angolanos na SAD.
Boas notícias, portanto.

Anonymous said...

Apenas com mais 18 milhões de euros - estes em capital - é que a Holdimo ficará com 26% de capital da SAD. É o que diz a notícia do Jornal de Notícias.

Manuel Humberto said...

Pois, não sei, como em qualquer negócio dependerá da natureza (boas intenções) dos participantes. Mas para que isso aconteça é necessário o aumento de capital. Foi pelo menos o que percebi da notícia: sem aumento de capital a tal dívida convertida em acções não corresponderá a 26% da SAD. Corresponderá a mais.

No resto, não poderá presumir que os 'investidores' trocam crédito por coisa nenhuma. Alguma coisa terão de ganhar já que a Sporting SAD não estará daqui por 2 anos (como afirmou Bruno de Carvalho durante a campanha) a distribuir lucros, pelo que 26% da SAD do Sporting, em si, não tem se calhar muito valor. [Uma Sociedade falida (como a nossa) tem tanto valor quanto uma carica.] Se trocam 20 milhões de dívida por acções é porque perspectivam benefícios pela entrada na SAD.

Se é bom, ou mau, não faço ideia. Imagino que dependerá das pessoas envolvidas. Tanto as do Sporting como os Angolanos.

Manuel Humberto said...

Sim (2º Anónimo), foi também o que percebi.

Anonymous said...

A Holdimo apenas vê os seus créditos convertidos em capital. Dessa forma fica com 33,9% da SAD. Só após o aumento de capital em mais 18 milhões é que essa percentagem baixará para 26%. A menos que a Holdimo entre com os 18 milhões. A propósito esta Holdimo é ou não o BES Angola. Parece que sim e que, pelo menos nesta fase, o BES e o BCP ficam com quase tudo.

Mauro Silva said...

Alguém me consegue explicar como é que se contraiu crédito junto da Hodimo sem o conhecimento prévio (e aprovação) dos sócios?

Manuel Humberto said...

Mauro Silva, sou sócio do Sporting, não sou accionista da sua Sociedade, e naturalmente desconheço o crédito que a Sporting SAD vai contraindo junto de A, B, C, D ou E. O Mauro conhece? Se estiver a par de todos os créditos que o clube contratualiza com as centenas de entidades que o financiam, então poderá perguntar por 1 deles. Se não conhece não vejo sentido na sua pergunta. Além do mais, não assumirei que uma Sociedade Anónima cotada em Bolsa estreite crédito às escondidas dos seus accionistas, já que legalmente não pode fazê-lo. De igual modo, detecto um tom acusatório no seu comentário como se a dívida contraída tivesse sido realizada "às escondidas" para fins maquiavélicos. Veja lá porque essas pessoas serão donas de 26% da Sporting SAD ... esperemos que sejam pessoas de bem.

Ou então o Mauro Silva pura e simplesmente rejeita a contracção de crédito. Mas nesse caso imagino que rejeitará os 20 milhões de A, os 10 milhões de B, os 35 milhões de C que perfazem a dívida astronómica do Sporting para com mil-e-uma entidades diferentes.

Mauro Silva said...

De igual modo, detecto um tom acusatório no seu comentário como se a dívida contraída tivesse sido realizada "às escondidas" para fins maquiavélicos. - De igual modo, detecto em si uma capacidade extraordinária para taxar outrém ao invés de a si próprio, Manuel. Não foi, absolutamente, nada disso. Era/é uma dúvida legítima, tão só...

É que estatutariamente, qualquer proposta de crédito/débito terá que ser exposta aos sócios e aprovada em AG. No caso do interposto crédito à Holdimo não me lembro de tal ter acontecido, nem sequer há qualquer referência à Hodimo nos Relatórios & Contas, nem tal foi comunicado nunca à Comissão de Mercado. Acho estranho, tão só.

As deduções que é seu apanágio fazer das palavras de outrém (no caso, as minhas) ficam consigo próprio.

Continuo com a mesma dúvida: como é que se contraiu crédito junto da Holdimo sem o conhecimento prévio (e aprovação) dos sócios?

João Santos said...

Mauro, eu não o conheço, mas permita-me esta pergunta:
É suposto estarmos aqui a jogar ao "jogo da ingenuidade" ?

O Godinho fez várias coisas sem o conhecimento por parte dos sócios (e aqui só me refiro a coisas importantes como esta, e não de simples actos de gestão), e isto foi apenas mais uma.
E sinceramente duvido muito que ele tenha problemas de consciência com isso, até porque este tipo de actuação tem sido prática "normal" das últimas décadas no Sporting, infelizmente.

Agora espero que na AG os sócios fiquem devidamente esclarecidos sobre a situação do clube, para não apanharmos mais surpresas destas.

Manuel Humberto said...

Mauro Silva, se as deduções são minhas, ficam naturalmente comigo. Poderão estar certas ou erradas e não obstante arrogar uma "dúvida legítima, tão só ...", continuo a achar que o seu comentário teve o propósito que lhe descrevi.

«Outra operação que motivará alterações nos donos da SAD é a emissão de obrigações obrigatoriamente convertíveis em acções no montante de até 80 milhões de euros. Essas acções têm um destinatário: os bancos credores do Sporting. A emissão será efectuada mediante subscrição privada consistindo na conversão de créditos detidos pelo BES, no montante de 24 milhões de euros, e pelo BCP, no montante de 56 milhões de euros"» - Diário Económico.

Mais dívida para pagar dívida, à semelhança do que fez o SLB há bem pouco tempo. Soluções novas? Zero. Está-se a fazer tudo aquilo que se criticou durante tanto tempo.

RG said...

"Mauro, eu não o conheço, mas permita-me esta pergunta:
É suposto estarmos aqui a jogar ao "jogo da ingenuidade" ?

O Godinho fez várias coisas sem o conhecimento por parte dos sócios (e aqui só me refiro a coisas importantes como esta, e não de simples actos de gestão), e isto foi apenas mais uma"

Caro amigo João Santos qual é a sua intenção como o comentário referido? Pretende dizer que o anunciado hoje foi obra de Godinho, mesmo quando o mesmo já lá não está, demonizando o senhor ou pretende eternizar o ex presidente mostrando que afinal o que deixou feito era o correcto, uma vez que o que todas as medidas publicadas hoje e que irão ser postas em aprovação na AG são segundo palavras do presidente do CF do clube a salvação do clube?

Quanto ao essencial concordo consigo Manuel, mais divida para pagar divida! Quanto a Holdimo tendo as informações que tenho de um dos seus investidores, e já anunciado, tenho algum receio....

Confesso também que esperava valores mais elevados num investimento externo

SL

Gonçalo said...

Não RG, o que ele pretende dizer com o comentário e caso lê-se sem malícia o comunicado hoje lançado, veria que a participação na SAD da Holdimo é para pagamento pagamento de um valor de 20M€, ou seja, não vamos pagar em dinheiro a dívida mas sim com acções. Portanto a dívida foi contraída anteriormente, por conseguinte no tempo de (des)governação do seu amigo da Quinta da Marinha.

Mas claro, não quero por em causa as suas fontes que dizem que a Holdimo é um dos investidores (rir), as minhas disseram-me que seria um dos que estava por detrás do Couceiro caso ele ganhasse as eleições, é irónico que agora mostre receio...

Sporting até morrer said...

Caro RG,

A dívida Holdimo foi contraída pela actual Direcção ou pela anterior?
Não me diga que por já lá não estar Godinho Lopes, não se pode falar dele e a culpa de haver uma dívida a esta entidade, de que nunca tinha ouvido falar até hoje, é da actual Direcção...

Talvez dia 30 nos expliquem como esta dívida foi contraída e com que propósito pelo angelical Godinho Lopes.


Quanto ao mais dívida para pagar dívida leva-me a perguntar o que representa a entrada de 18M de um investidor?


Confessa que esperava mais valor de um investidor externo, mas foi este o montante que BdC prometeu em campanha e quando comparado com aquele que Godinho Lopes obteve em 2 anos de promessas, temos uma diferença abissal...
Ainda hoje todos esperamos pelo investidor angolano, árabe, chinês, Gazprom, etc, etc.

Manuel Humberto said...

RG, para um leigo como eu é também essa a ideia que fica, e aqui fazemos um paralelismo com as SAD dos nossos rivais.
Os padrões para as 3 SAD são os mesmos e são estes padrões que nos ajudam (adeptos) a perceber o que está em causa:

- Lança-se um empréstimo obrigacionista de X para vencer no tempo Y.
- Chegados a Y, para evitar que fatias da SAD (pela obrigatória conversão das obrigações em acções) passem para quem subscreveu, e como logicamente as SAD não têm meio de liquidar junto dos subscritores o montante emprestado, lança-se novo empréstimo obrigacionista para pagar o anterior, sendo por isto que as notícias referem sempre 'mais um', 'novo', 'outro' empréstimo obrigacionista.

E isto é como disse comum a Sporting SAD, Benfica SAD, FC Porto SAD.

Sugerem ainda os padrões que o próximo empréstimo obrigacionista é sempre superior ao anterior - reforçando a noção de que uns servem para pagar outros. Já a curva do se paga anualmente em juros, só em juros, resultante da emissão das obrigações, persegue sempre uma trajectória ascendente - reforçando a noção de efeito bola de neve.

RG, a notícia do Diário Económico refere que será requerida à AG (sócios do Sporting) autorização para um novo empréstimo obrigacionista até 80 milhões de Euros. Estes 80 milhões de Euros foram justamente o que pediram Benfica e (salvo erro) FCP nas respectivas AG's que antecederam os seus (últimos) empréstimos obrigacionistas. Trata-se dum limite, não significando que as obrigações emitidas sejam no valor de 80 milhões. Para o Benfica, Abril de 2013, foram 45 milhões, ficando 35 milhões em reserva para novos empréstimos obrigacionistas e tratou-se do 3º consecutivo desde 2007 (ciclos de 3 anos). Para o FCP foram 30 milhões de Euros. No caso do FCP, Dezembro de 2012, tratou-se do 4º empréstimo obrigacionista consecutivo dos últimos 9 anos (5º na história da SAD portista). Os ciclos são normalmente de 3 anos reforçando, lá está, a noção de efeito bola de neve. Ora diz-nos o bom-senso que as instituições Bancárias - parceiros deste género de subscrição, não se irão prestar a este papel eternamente, e a não ser que as SAD dos clubes se transformem do avesso virá o dia (adivinha-se que para o Sporting esse dia está bem próximo) em que estas falidas empresas ficarão muito simplesmente sob controlo dos seus principais credores. O clube estará, como está, completamente despido (devedor da SAD, inclusivamente), sem património (já pertence todo ou quase-todo à SAD), numa situação em que terá, no limite, de considerar a tão propalada refundação.

Alternativas a este caminho (novo empréstimo obrigacionista)?
Como sugeres, existência de investidores. Os investidores que foram repetidamente prometidos durante a campanha.

João Santos said...

O Mauro, parecia querer jogar ao "jogo da ingenuidade", e o RG parece querer jogar ao jogo do "Eu percebi o que queres dizer, mas vou fazer de conta que não percebi...".

Já explicaram por mim, mas aqui vai:

Eu estava-me a referir a esta pergunta do Mauro: "Continuo com a mesma dúvida: como é que se contraiu crédito junto da Holdimo sem o conhecimento prévio (e aprovação) dos sócios?".

E é nesse ponto que digo que o Godinho realmente andou a fazer negócios com essa empresa sem o conhecimento dos sócios (ou até da CMVM, já agora). O que infelizmente, não deixa de ser normal, porque tem sido o "pão nosso de cada dia" das últimas décadas de gestão do Sporting. E tudo isto não teria grande problema, se dai resultassem surpresas agradáveis, mas por normal acontece o contrário.

Post a Comment