Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

Estádios, adeptos que sobram nos estádios Portugueses, tão, tão, tão, atrasados ...

Tuesday, 30 April 2013

E quem diz Portugal dirá outros, provando-se que nos recintos a acção de supporting, demonstração inequívoca de apoio, soberania e autoridade por parte dos adeptos da casa por ordem de razão em maioria, nada tem a ver com comportamentos próprios de gente / adeptos disfuncional / disfuncionais.
Sem aborrecimentos, tensão negativa, ineptos tatuados de manias (em grupo, sempre em grupo), jaulas, petardos ou macacos agarrados às redes. Maravilha.


14 comentários:

Anonymous said...

"jaulas, petardos, e macacos agarrados às redes", lol vai pra casa pah

Manuel Humberto said...

Um dos argumentos normalmente utilizados para tolerar comportamentos maus, penalizadores (até financeiramente, via multas pagas pelo clube), anormais e anti-sociais de bandos / grupos de apoio organizado / claques, é o do "apoio". "Fazem assim ou assado mas são os que apoiam", especialmente nos jogos fora. É um erro e essa relação de condição não existe, entre apoio e maus comportamentos. São organismos compostos por gente disfuncional, com severos problemas de auto-estima (e por isso procuram o conforto dos "grupos"), e que deveriam pura e simplesmente ser extintos. Gente que pelo seu comportamento afasta outros adeptos dos estádios de futebol deveria ser banida.

Haja Luz said...

Grande, Grande jogo do Real e borussia, pareciam maquinas, Impressionante.
O árbitro protegeu o borussia.
Özil e Ronaldo, não estavam lá, principalmente o Ronaldo, que nestes desaparece, é costume.
O Özil ainda fez umas coisas mas muito abaixo do normal.
Sérgio Ramos com uma ou duas falhas que podiam ter dado golo, mas foi enorme no esforço, empurrando a equipa para a frente.
Como não me alimento de jornais e intrigas, Diego é um dos melhores guarda redes,para mim mais consistente que o Casillas.

Manuel Humberto said...

A defesa de Diego a remate salvo erro de Gundogan foi estrondosa, equivalendo a qualquer golo, sem menos. Ao Real faltou o golo naquela toada dos primeiros 15 minutos de jogo. Na segunda metade da 1ª parte e ao longo de toda a 2ª parte, o Borussia poderia / deveria ter acabado com as dúvidas. Não foi inferior, nada mesmo, mesmo neste jogo onde tinha (salvo más interpretações) menores responsabilidades. Já em termos de ocasiões de golo, repartiram-se, mas com o Borussia a somar ocasiões mais flagrantes.

Di Maria destoa (para pior), não se percebe ao certo o papel ou mais-valia naquela equipa e não há muita correspondência entre valor de plantel (dinheiro gasto individualmente naqueles jogadores) e qualidade de jogo, para o Real. Sinto simpatia por José Mourinho e desejei sempre que o golo aparecesse para ver se construíam qualquer coisa histórica a partir dele, mas a verdade é que há ali demasiado facilitismo / dinheiro em transferências que não tem reflexo no relvado.
Ronaldo, tal como em Dortmund, poderia ter feito golos, teve ocasiões para isso, mas ao longo do jogo nada de especialmente brilhante. Bola - Adversário Directo - Baliza - Golo, é esta a praia de Ronaldo. Modric foi muito mais influente, o melhor em campo para o Real, e desconhecia a sua apetência para recuperar bolas.

Há não muitos anos o 11 do Real contava com avançados como Raul, alas como Figo, médios como Zidane ou Guti, ou defesas como Hierro. Tinham muito mais categoria que esta equipa engendrada por Mourinho.

Haja Luz said...

Para mim foi essa a melhor equipa de sempre.
Michele Salgado, Helguera,Hierro, Roberto Carlos,César Sampaio, o grande Makelele,Figo, Raul,Steve Mcmanam, Zidane, Ronaldo, David Beckham,entre outros, eram mesmo galácticos, os jogos deles eram tremendos.
Estes eram mesmo bons pela sua imensa capacidade futebolística, não por serem ratos de laboratório como agora

Haja Luz said...

O Angel, tem muita capacidade física e muita rotação, , finta bem, tem boa mobilidade, pressiona muito, ao contrário do nosso compatriota

Haja Luz said...

O Luka Modric, é grande jogador, não te esqueças que a posição dele era a do Özil, como no Real ele joga a médio centro, ele tem que ser recuperador

Haja Luz said...

" mas a verdade é que há ali demasiado facilitismo /dinheiro em transferências que não tem reflexo no relvado."

Quais Manuel?
Mesmo antes de responderes, deves te lembrar que em qualquer clube á contratações que falham e às vezes muitas.
A única falhada é a do brasileiro, mas isso é por problemas físicos

B Cool said...

MH, estive na Turquia e os adeptos turcos serão aquilo que tu chamas de disfuncionais. Não fosse a caixa de protecção e a polícia e não sei o que nos aconteceria. E sim, os turcos apoiam denodadamente a sua equipa e entretêm-se quais macacos a saltar junto às grades de separação ameaçando de porrada e mesmo morte os adeptos dos adversários.

Infelizmente não existe em Portugal a cultura para apoiar a equipa. Por isso as claques apareceram e se mantém. Porque cumprem um papel importante. Mesmo que na Turquia estivessem estado ausentes. Noutros países, seja na Inglaterra, seja na Turquia, consegue-se ver todo o estádio a cantar a uma só voz, a apoiar a equipa nos momentos bons e menos bons. Se todos se comportam assim, as claques tornam-se mais redundantes e apenas servem para exibir bandeiras ou fazer coreografias.

Nas claques, dado o seu espírito ultra, escondem-se por vezes alguns cobardes que se aproveitam da claque para provocar distúrbios. Nem esses tipos são representativos das claques como um todo, nem as claques devem ser imediatamente rotuladas de criminosos.

É reprovável que as mesmas não excluam esses elementos, mas suponho que alguns desses meliantes sejam elementos influentes dentro de algumas claques e portanto estejam um pouco acima da lei. Mas esse facto não dos deve levar a catalogar todos os membros das claques como esses arruaceiros que apenas vivem para fazer porcaria. E sim, em Portugal, senão forem eles a puxar pelo público, as equipas nunca sentirão o apoio dos seus adeptos

Manuel Humberto said...

Haja Luz, exceptuando Cristiano Ronaldo, todos, ou quase todos, embora o Português com Pellegrini na 1ª época já tivesse massacrado a Liga Espanhola com golos, golos e mais golos. 26 em 29 jogos, época de estreia, campeonato novo, equipa nova. Foi a época onde o campeonato se decidiu no confronto directo, em Madrid, com vitória dos Catalães por 0-2. O Barcelona terminou salvo erro com 99 pontos e o Real com 96. Estavam empatados a 10 rondas do fim, o Barcelona venceu em Madrid, ficaram com 3 de diferença e nada mudou até final.

Mas falo no Ronaldo porque ganhou claramente dimensão com José Mourinho. Foi uma "aposta" mais do que ganha (isto encontra relação com a discussão acima: futebol produzido por aqueles jogadores, aposta nesse sentido).

Transferências:
Fábio Coentrão, Di Maria, Özil, Khedira, Canales, até Ricardo Carvalho (custou mais de 7 milhões de Libras), Sahin (ao Dortmund ...), e o mais recente Luka Modric. Esta lista não é muito grande mas em termos de dinheiro gasto é qualquer coisa de absurdo. Coentrão custou 26 milhões de Libras mais Garay, Di Maria 30 milhões de Libras, Modric mais de 26 milhões.

É demasiado dinheiro para tão pouco futebol, embora o responsável principal não seja Mourinho. Desde há muitas épocas (mais de 10) que o Real Madrid compra qualquer jogador que deseja, independentemente de disparates a nível de preço (custo de transferência, desconsiderados ordenados), comportando-se (no mercado) como um vampiro, desequilibrando a actividade, desregulando-a, não olhando a meios para ter o que quer no pressuposto de que tudo tem um preço e que pagando, não está a fazer nenhum mal. O Real Madrid juntamente com 5 ou 6 outros clubes prostituem o futebol, são um cancro, expoentes máximos dos efeitos nocivos que o excesso de liberalização provoca.
Posto isto, é Mourinho que lá está. Num duelo de competências, desejar sucesso à equipa do Real Madrid, desejar sucesso mesmo ao treinador Português, será desejar sucesso a uma instituição que fica a muitas longínquas demasiadas milhões de milhas de distância de clubes e equipas como o Dortmund, instituições socio-desportivamente exemplares enquanto modelos educativos para toda a juventude do planeta Terra [mas existem felizmente outras, em Portugal o Sporting. A. Bilbao em Espanha, West Ham ou M. United em Inglaterra, Dortmund na Alemanha).
O verdadeiro G-8, guardiões do tempo, modo e espaço, núcleo duro de decência do futebol mundial.

Manuel Humberto said...

BCool, sim, culturalmente disfuncionais, mas não é só no futebol. Em tudo: trato às mulheres, desrespeito por sagrados valores humanos. Não significa que sejam todos maus, nem que seja tudo mau. Significa que as coisas são como são.

De igual modo, em Portugal, nem todas as claques são más nem todos os membros afectos a claques são maus. Isso é evidente. Mas o nº de elementos prejudiciais é suficientemente grande e as suas acções são suficientemente negativas para que possamos substituí-los por "claques" e generalizar. Não significando isto, também, que as claques foram sempre más. O problema é que hoje (que não é de hoje) têm muito pouco a ver com o espírito que as viu nascer, infelizmente.

Não são os normais espectadores que rebentam petardos nos estádios, pegam fogo a cadeiras ou exercem violência sobre outros espectadores. São as claques. Como são claques, seria muito fácil - se existisse vontade - identificá-los e bani-los dos estádios de futebol. Se houvesse vontade.

«E sim, em Portugal, senão forem eles a puxar pelo público, as equipas nunca sentirão o apoio dos seus adeptos», isto é uma falácia. Noção que não contém verdade.

Anonymous said...

Não sabia que nas meias-finais só marcavam penaltis na Alemanha. Fez uma grande diferença.

Haja Luz said...

Manuel

A transferência mais cara foi do nosso compatriota, do benzema, do brasileiro e agora do Modric, as dos alemães foram baratas.
Não acho que seja pouco futebol.Não sei se sabes o Real bateu o recorde de pontos, e se não me engano de golos, na outra época fez quase cem pontos. Isto não é pouco! Tenho assistido a grandes jogos e promenores magníficos dos jogadores.
Os atletas são avaliados principalmente pelas suas capacidades atléticas.O Fábio é um caso desses.
Se olhares para o borussia a equipa deles não tem os "artistas" que tem o Real, contudo passaram a eliminatória, porquê? Porque a sua capacidade física é tão forte que se sobrepôs, á maior técnica do Real.
O preço dos passes tem vários factores em jogo.Os clubes pagam o que os outros pedem, se estiver dentro do valor.
Os grandes jogadores sempre custaram muito.

B Cool said...

Quanto à cobardia que faz os indíviduos assumirem atitudes que não assumiriam individualmente, não é por estarem inseridos em claques que as tomam, mas porque estão inseridos numa mole e como tal sentem-se inimputáveis. Infelizmente esta cobardia é bem típica, as claques apenas têm feito sobressair esse traço de personalidade.

Quanto ao afastamento dos ideais que estiveram na criação, tens razão, até porque alguns elementos principais começaram a viver de esquemas dúbios ao abrigo da participação na claque com o beneplácito dos dirigentes desportivos.

Quanto ao apoio nos estádios, sinceramente nos novos estádios parece que as pessoas vão para concertos de ópera ou espectáculos de teatro em que têm que estar calados. Quem grita, quem canta, quem salta é logo chamado à atenção por incomodar os outros.

Isso passa-se na Luz, não sei se em Alvalade ou nas Antas será diferente, porque os estádios reflectem também uma sociedade mais aburguesada, bem diferente de quando havia peão ou superior em que o povo, sim sempre o povo, tem a festa dentro de si. Sinceramente acho que é isso que falta hoje aos jogos, o povo que vibra, que vive os jogos e que faz a festa. Quando o povo regressar aos estádios, as claques tornar-se-ão obsoletas nos seus propósitos, mas o preço dos bilhetes afasta esse mesmo povo dos jogos.

Post a Comment