No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Quem mantinha dúvidas sobre a qualidade da alternativa eleita, não ficou surpreendido pela proximidade de votos entre as listas mais concorridas (eu fiquei, mais adiante explicarei porquê). 53,63 e 45,35, quando a mais votada realizou campanha ao longo de pelo menos 2 anos, beneficiou da difusão de uma mensagem mentirosa que visou elege-la com base em fundamentos errados, e assumia-se à partida para a eleição (ou foi desse modo percebida) como a próxima na linha, fruto da votação que já atingira nas eleições de 2011. A verdade é que esta lista, alternativa essencialmente resumida na pessoa de Bruno de Carvalho, encabeçando uma estrutura onde brilham os nomes de Augusto Inácio e Virgílio Lopes, pouco cresceu.
José Couceiro em pouco tempo, dias, reuniu uma equipa e um programa de acção incomensuravelmente melhores do que os exibidos por Bruno de Carvalho, e os parciais onde não venceu situaram-se na esfera do propalado 'carisma', atributo óptimo nalgumas circunstâncias mas irrelevante na tomada de decisão, e ao nível dos objectivos propostos. Sem surpresa, Bruno de Carvalho prometeu a construção de um pavilhão «ali ao lado do estádio» em menos de 3 anos, Voleibol, Ciclismo, uma equipa de futebol muito forte e inclusivamente (pasmem-se) condições para que a Sporting SAD transitasse de uma crónica exploração negativa para a distribuição de lucros (equilíbrio e meio-termo, já dizia o outro, são características de perdedores natos).
Nesta matéria Bruno de Carvalho deu 20-0 a José Couceiro e considerado o aparente carisma, e o contexto propício ao aparecimento de aparente carisma, muitos sportinguistas (compreendo-os) deixaram-se enfeitiçar pelo canto da sereia, não percebendo que Bruno de Carvalho reúne ao fim do dia em matéria de substância todas as características das lideranças e das formas de gestão que conduziram o Sporting ao pesadelo que hoje vive.

Talvez estes resultados sugiram que a dose de fanáticos no Sporting não é tão grande quanto a sua representatividade em meios públicos de discussão, os únicos onde no dia-a-dia os adeptos podem ter palavra sobre o seu clube. Ao contrário, se isto fosse representativo de alguma coisa, Bruno de Carvalho teria certamente vencido as eleições com 80% dos votos. A minoria de ressabiados apoiantes de Bruno de Carvalho não é relevante no universo de Sporting, quando a sua forma de entendimento na hora da vitória, derrota, ou quaisquer outros momentos, dão razão a quem nunca lhes deu crédito, tratando-se de um universo de gente que olha o clube de uma forma pessoalizada.

Bruno de Carvalho venceu, eu venci, os outros perderam.

«O Sporting é outra vez nosso e agora mandamos nós», palavras da sereia em momentos posteriores à declaração de Eduardo Barroso, palavras de quem irá factualmente (singular) mandar, onde o plural permanece música de qualidade duvidosa para os ouvidos de quem gosta de música sem qualidade. Música divisionista, «nós e eles», o Sporting elegeu um (literalmente) pequenino ditador, ninguém tenha grandes dúvidas sobre isso.

Quem gosta muito de ditadores ou de meros tiques ditatoriais? As sopeiras:

Faço votos que este Lionheart seja um daqueles que dizem que entregam o cartão. Sinceramente chegámos a um ponto onde a divisão é necessária para o bem maior, o Sporting. Daqui a umas horas vais engolir muitos sapos, metes a propaganda barata no saco e vais para outras paragens. Ui a azia que vai para aqui!
Calma aziados, calma!

É este o Sporting de Bruno de Carvalho? Espero que não. Somente parte daquele que o viu eleito, parte sequer muito importante, afirmação subjectiva resultante da mera interpretação dos nºs e isto traz-me à conclusão: manifesto-me surpreendido pelos resultados ... será a generalizada população do Sporting quem tratará, ou não, de fazer o que até aqui sempre tem feito: escolher mal. Afirmámos vezes sem conta. Outrossim, esperava uma vitória mais expressiva, antecipando por parte dos sócios uma maior inclinação relativamente a Bruno de Carvalho.

A verdade é que a diferença foi (em fim) pequena.

Arrumados então os básicos, básicos que ontem faziam alusões às afinações (ao fim de 2 anos e apesar de comprovada história da carochinha continuavam a falar de afinações), incapazes de inclusivamente alcançar o contra-senso de que a organização do acto eleitoral se viu dependente do PMAG eleito em 2011 pelas listas de Bruno de Carvalho, e arrumado de igual modo este processo eleitoral, ficamos com o seguinte: Buno de Carvalho terá, tal como teria José Couceiro, uma tarefa (como ele diz) hercúlea pela frente e a única garantia é a de que precisa de ajuda para levar o Sporting a bom-porto. Precisa dos sportinguistas do seu lado e precisa que as pessoas por si escolhidas para liderar o futebol do Sporting idealizem, primeiro, um bom trabalho, e o executem ao passo que o idealizam, com sucesso. O seu sucesso traduzir-se-á no sucesso do clube. Pessoalmente, alvo da minha estima, não atribuo grande crédito à acção de Augusto Inácio no Sporting. Não atribuindo igualmente crédito a Bruno de Carvalho para tomar decisões em futebol, resta-me desejar que Virgílio se assuma, a este nível, de ora em diante, como a grande mais-valia da instituição. Sem que possa fundamentar ou baseando-me não em suposições mas impressões, Virgílio será, em tese, em matéria de substância, o elo mais forte da cadeia. Poso estar redondamente enganado mas exprimo esta esperança.
Deste modo, desejando que o pequenino ditador abandone rapidamente o estapafúrdio cenário de Luís Freitas Lobo, desejando que invente o menos possível e que Virgílio tenha pouca gente a interferir com o seu trabalho, espero que este último se revele uma mais-valia para a estrutura a que pertence.

Por último, gostaria enquanto sportinguista de transmitir um genuíno agradecimento a José Couceiro. Um obrigado pelo sportinguista que é, pela postura elevada que em todos os momentos exibiu e desejo que possa, um dia, servir o Sporting no lugar a que se propôs. Como sempre, José Couceiro escolheu o caminho mais difícil, a posição que lhe daria menos garantias de sucesso. Mas também por isso é uma pessoa melhor do que as demais. Obrigado José Couceiro.

Um obrigado a José Couceiro e votos de muito sucesso aos dirigentes eleitos (em particular, Virgílio Lopes)

Posted on

Saturday, 23 March 2013

21 Comments
  1. “Bruno de Carvalho venceu as eleições para o Sporting com 53,63% dos votos. O líder da Lista B obteve a confiança de 8944 sócios (59,54% do total) o que corresponde a 45.327 votos (53,63%).

    No segundo lugar ficou José Couceiro com 45,35% (38.327 votos), correspondendo a 5928 sócios (39,46% do total). No último lugar ficou Carlos Severino com 1,02% (863 votos), correspondendo a 150 sócios (1% do total).”

    Podemos interpretar estes resultados que acima vês da forma que quisermos, só não podemos é negar a eleição democrática do candidato que mais votos reuniu e abrir guerra com um presidente que ainda não começou sequer o mandato, só porque apoiámos outro candidato... quer dizer, esse francês todo articulado que nesta página encontro deveria ser o rasto de alguém com o bom senso de perceber que a partir de agora o Sporting Clube de Portugal tem um presidente, o de todos nós. O Couceiro teve essa capacidade e mostrou-se agregador na hora de cumprimentar o adversário. Sempre gostei dele, mais gosto agora.

    Farás o mesmo ou vais continuar nisto?

    Tive de perceber há dois anos que acima do candidato que então apoiava, estava o Sporting, e até ser óbvio que o Godinho Lopes nos estava a arruinar mantive-me ao lado dele. Não espero outra coisa de ti face ao Bruno de Carvalho, isto se fores mesmo do Sporting Clube de Portugal e não do José Couceiro de Portugal.

    Haver um sportinguista que chama de “pequenino ditador” ao próximo presidente do Sporting quando ainda nem sequer o viu um dia que seja no mandato é preocupante, e diz mais de ti do que da pessoa a quem insultas. Se queres estar neste barco, é para ajudares a remar. De contrário não és necessário.

    SL

    ReplyDelete
  2. Rui Coelho, a minha lealdade e para com o Sporting Clube de Portugal, sempre foi e sempre sera. E a sua? Veja que durante muitos meses quem andou a defender o indefensavel - uma linha de accao mediocre como a mantida pela direccao de Godinho Lopes, tambem se usava do argumento imbecil que o meu caro agora utiliza.

    Eu quando defendi a queda da ultima direccao - nao nos mesmos modos que o caro porventura defendeu, para si, eu era um sportinguista optimo.
    Hoje, nao sou.

    Rui Coelho faca-me um favor: gaste o seu latim com atrasados mentais da sua especie. Cumprimentos.

    ReplyDelete
  3. Tantos cuidados na escrita e depois chamas atrasado mental a uma pessoa que pede apoio para o novo presidente do Sporting?
    Lá porque escreves muito caro, talvez para alimentar algum complexo de inferioridade, não penses que impressionas por aí além. Muito menos a insultar sportinguistas que apenas comentaram civilizadamente um post teu. Não deixes o ressabiamento toldar-te os pensamentos. Podes apagar o comentário ou responder insultuosamente como ao comentário anterior, tanto me faz porque não tenciono voltar a ler uma linha sequer deste blog. Cumprimentos, felicidades e as melhoras.

    ReplyDelete
  4. Tantos cuidados na escrita e depois chamas atrasado mental a uma pessoa que pede apoio para o novo presidente do Sporting?
    Lá porque escreves muito caro, talvez para alimentar algum complexo de inferioridade, não penses que impressionas por aí além. Muito menos a insultar sportinguistas que apenas comentaram civilizadamente um post teu. Não deixes o ressabiamento toldar-te os pensamentos. Podes apagar o comentário ou responder insultuosamente como ao comentário anterior, tanto me faz porque não tenciono voltar a ler uma linha sequer deste blog. Cumprimentos, felicidades e as melhoras.

    ReplyDelete
  5. Nao, Miguel Coelho, chamo - com propriedade - atrasado mental a alguem que escreve, "se queres estar neste barco, é para ajudares a remar. De contrário não és necessário".
    O espiritozinho mal amanhado que foi afinal de contas o mesmo que serviu muitos dos apoiantes de uma direccao erronea como a anterior.

    Querem nas vossas mentes imaginar que sao uma virtual ou real guardazinha pretoriana do presidente do Sporting, facam-no. Por alma de quem aparece aqui um pincel a dizer que um sportinguista e necessario ou pouco necessario?

    Iludam-se. Mas isso sao voces. Habituem-se ao culto da personalidade, sabe Deus como o presidente do Sporting dele precisa para dormir melhor ...

    ReplyDelete
  6. Manuel, o que é que mudou? Ainda são piores de aturar que a "continuidade".

    Quanto ao mais, o meu obrigado ao José Couceiro também. Um homem sério e educado, ao contrário do que ganhou. Antes não soube perder, como agora não soube ganhar. Por isso mesmo há quem não o respeite. Quem votou nele que dê ao cabedal.

    ReplyDelete
  7. Lionheart, e sao irrelevantes. Fazem a festa de que?, ou vem para aqui com comentarios imbecis como se eu (tu, ou alguem) tivesse perdido ou ganho alguma coisa. Sera tudo afecto ao Sporting e so ao Sporting, ninguem mais. O residual sao fantasias de gente ressabiada.

    E esta tudo nas maos dos dirigentes ontem eleitos. Como esteve nas maos dos anteriores, e dos outros para tras e assim sucessivamente ate aos tempos da Carlota Joaquina. Que tenham todo o sucesso, significando (para mim) devida dose de esperanca na accao de Virgilio Lopes. Ja dos restantes, ao nivel de futebol, Bruno de Carvalho e Inacio, nao espero nada de diferente do que tivemos ate aqui (ultimos 15 ou 20 anos, de grosso modo).

    So sobre Bruno de Carvalho, se souber aproximar o barco de aguas mais navegaveis e se construir o pavilhao como diz que fara, tera o meu louvor no fim do mandato. Nao espero dele grandes resultados ou titulos, ate porque apesar da "conversa" nunca esteve nem esta em condicoes de promete-los.

    ReplyDelete
  8. O melhor post que li neste pós eleições. Reconheço-me naquilo que aqui é dito e o meu profundo agradecimento a José Couceiro pela elevação, pelo dominio dos dossiers e pela capacidade que teve de enfrentar uma estrategia bem urdida de confrontação em que uma lista capitalizava votos e outra fazia o jogo sujo que se calhar tirou votos a este BdC há 2 anos atrás. Se calhar não merecemos mais, mas também não acredito na união do clube, nem essa união interessará ao pequeno ditador que como primeiro acto foi ir literalmente recrutar à rua a sua guarda de honra. Não seria este o caminho, mas o desespero levou-nos a isto...

    ReplyDelete
  9. Tenho estado a ver os programas desportivos do cabo e os comentadores dos rivais estão a levantar uma questão que já calculava, mais por gozo, do que por interesse para os seus clubes. É a questão do conflito de interesses entre o Sporting e o Moreirense por causa da posição que Inácio irá ocupar no Sporting. Felizmente que já há algumas jornadas o Sporting descolou da linha de água, senão o que não se diria. Mas para quem tanto falou em ambição, não posso deixar de reparar a que ponto chegámos quando há um conflito de interesses entre o Moreirense e o Sporting por causa do actual treinador do Moreirense.

    Imagina o que não se diria contra a continuidade. Há dois anos houve uma situação parecida quando o Sporting foi jogar a Braga e tirar o terceiro lugar aos "guerreiros", era José Couceiro o nosso treinador e Domingos já tinha sido confirmado como treinador do Sporting. Sabendo que a probabilidade de Inácio vir a serão treinador do Sporting para a próxima época é muito alta, vai haver um "upgrade" do caraças. E também é cá uma "evolução" passarmos do Luís Duque para o Inácio, quando foram ambos demasiado próximos de José Veiga, naquele "projecto" de equipa tenebroso de 2000/2001. Há aqui um padrão muito duvidoso. Mais do mesmo, com outros protagonistas.

    ReplyDelete
  10. Pedro O, essa accao (mais uma) foi demonstratativa do que esta ali. Um candidato a presidente do SCP que para feitos de demagogia repete a exaustao "unidade" e depois a primeira coisa que faz e ir a rua afirmar 'o Sporting e nosso outra vez, agora mandamos nos', esta-se a espera do que?

    Um individuo consciente das enormes dificuldades, solido, sabedor do que quer para o SCP e a forma melhor de la chegar, alguma vez se perderia nesses tiques bacocos de neo-burguesia falida?, classe a que ele pertence. Nao. Mas as pessoas, especialmente as que vivem em depressao, preferem sempre o estilo ao conteudo ... da mesma forma que em 2011 votaram em Luis Duque e Carlos Freitas, e em 2009 deram 90% ao verbo de encher que deu pelo nome de Jose E. Bettencourt. Os erros de percepcao sao os mesmos, e depois vem para aqui dar licoes de Sporting como esse Rui Coelho e possivelmente o seu irmao.
    Pedro O, obrigado pela sua perspectiva, uma na qual me revejo. "Desespero" e alienacao, nada menos do que isso.

    Lionheart, nao acredito na tese de que Augusto Inacio sera treinador do Sporting. Amanha, para o ano, ou seja quando for. Bruno de Carvalho nunca se viraria para ai. Treinador estrangeiro com "nome", para colmatar as suas proprias deficiencias de avaliacao. Sera mais por ai.

    ReplyDelete
  11. O problema do Manuel é que, pese embora o inegável garbo sportinguista, tem uma tendência irreprimível a nublar as suas teses, e a desenvolver uma pequena mitologia privada.

    Gostaria imenso que me explicasse de modo sério o que há em Couceiro que não lhe transmita mais que impotência e impassividade. Onde foi sucedido? Onde defendeu o Sporting de modo claro?

    Estou verdeiramente convencido de que J. Couceiro perdeu deliberadamente as eleições. Nunca que pareceu que acreditasse pessoalmente no projecto que encabeçava. Por isso também agradeço a Couceiro, chegou ao fim da linha.

    Seria uma morte em lume brando e a continuidade da submissão. Prefiro um Sporting numa 3ª divisão qualquer que um clube sem identidade, amorfo, gozado por tudo e por todos, que sucessivamente perde adeptos e sócios.

    Se Carvalho é populista? É inequívoco. O seu grande erro, reconheço-o, é o de querer captivar uma franja de adeptos essencial mas que desde o primeiro momento nele depositou as maiores esperanças. Para mim isso é um enigma.
    Contráriamente a um projecto castrado e resignado o Sporting precisa mais que nunca de esperança.

    ReplyDelete
  12. És pequenino. Percebeste bem o que quis dizer, mas preferes ser pequenino.

    Fica por aí a ladrar. A caravana já passou.

    ReplyDelete
  13. This comment has been removed by a blog administrator.

    ReplyDelete
  14. Krin, a partir do momento em que para si o Sporting precisa mais do que nunca de esperanca e Jose Couceiro mais nao representa do que passividade e impotencia, quer que lhe diga o que? A minha mitologia privada ou teses nublosas sao tao complicadas que conduzem-me a simples nocao de que o Sporting precisa de qualidade. Ao nivel de dirigentes - qualidade de decisao.

    Um pouco como uma equipa de futebol. Precisamos de confianca?, vontade?, desejo?, valia? Sim para todas, nao haja duvida.

    Mas do que e que precisamos afinal? Qualidade.
    Mas para si o Sporting precisa de esperanca.

    Sao visoes diferentes e nao duvido por instantes que a sua encerra menos mitologia do que a minha. Tenhamos esperanca e pelo sim pelo nao reze, pode ser que ajude.

    ReplyDelete
  15. Rui Coelho, entao nao percas tempo: segue a caravana e salta la para dentro.
    Depois vem dizer-me se te mostraram coisas bonitas.

    ReplyDelete
  16. Manuel,

    Rezo sim senhor. É estranho que no post seguinte clame por identidade quando a mesma estava moribunda há muito é estranho. Foi agora que se lembrou das consequências inevetáveis de aceitar os termos do futebol moderno?

    Ao mesmo tempo teria de aceitar o seu diagnóstico distorcido e derrotista de que não há diferença relativamente a adeptos de outros clubes. Por um lado, mesmo clubes que têm a vigarice neo-burguesa (fcp) ou o domínio paternalista (slb) por único totem, reiteram a sua própria mística. Não vai cair no erro de, à imagem de um advogado bem conhecido da nossa praça, defender (para estupefacção do seus interlocutores) que o Sporting é um clube diferente. É que os outros, com todo o direito, vão asseverar que também eles são distintos.

    Se concordo que os três milhões já eram devo tentar explicar o fenónemo, não substancializá-lo como trunfo contra quem nada tem que ver com a perda de força espiritual do clube. Se queremos travar a perda de vitalidade do clube só o conseguimos com uma boa dose de voluntarismo. Não tenha dúvidas. Não tendo já solo nem sangue nada nos resta...

    Infelizmente chegamos a uma situação em que a única saída é, num momento difícil, procurar restabelecer os laços afectivos com o clube. Isso não ocorre com a "boa" gestão desportiva que tanto apregoa, como se fosse possível distinguir entre a boa e a má gestão, isso é uma distinção do ti-socrates. Como se estivessemos perante uma identidade mágica e não um processo complexo com diferentes possibilidades de realização. A gestão desportiva e os resultados só conseguem inverter as coisas afirmando-se como instituição respeitável. À partida Couceiro, parte da clientelagem dos rivais não iria muito longe, além da sua inveterada tendência para o infortúnio.

    O case study da relação do Sporting com as instituições, particularmente com a arbitragem não se pode dever a uma sina, a um castigo divino, a uma marcação invisível das camisolas verde-e-brancas, é, além do facto indesmentível da corrupção, fruto da perda de dignidade e identidade do clube.

    Sendo Carvalho o único capaz de manifestar firmeza no respeito pelo SCP, não deixa de ser surpreendente que nele projecte o condão de descaracterizar o clube. Já a divisão entre sportinguistas bons e maus tendo por base a adesão popular a um projecto é deveras estranha e fruto dessa sua mitologia privada, que pretende um Sporting simultaneamente competitivo e imune às máculas da massificação da indústria do desporto.

    ReplyDelete
  17. Krin, caso pretenda dialogar qualquer coisa de útil terá de introduzir conteúdo nas palavras e estas terão de exibir uma linha qualquer de pensamento. Mais ou menos certa mas uma que permita avançar.

    Acho estranho clamar por identidade agora quando esta está moribunda há muito. Quem lhe diz, Krin, que a identidade só é para mim importante agora? Ou que só é importante em virtude da eleição de Bruno de Carvalho? Retira esta conclusão de que forma ou a partir de quê?, quando ainda por cima atribui-lhe o cariz de é estranho. Estranho é quem não tem nada para dizer achar que deve falar só porque sim.

    Se queremos travar a perda de vitalidade do clube só o conseguimos com uma boa dose de voluntarismo. Não tenha dúvidas.

    Totalmente de acordo mas o que tem isso a ver com o tema, comigo, qualquer coisa que (eu) tivesse escrito relativamente ao tema (eleições, clube, etc)? Pretende dar-me lições de voluntarismo relativamente ao Sporting? Não estou a afirmar que pretende. Estou a perguntar para perceber a importância da sua afirmação nesta caixa de comentários. Onde é que alguma vez me viu sugerir que o Sporting não precisa de adeptos dedicados e de uma massa humana activa e voluntarista como grande força para o clube que é? Que tem isso a ver com a eleição de Bruno de Carvalho ou José Couceiro?, algo que claro, vá além da distinção que muitos dos apoiantes de Bruno de carvalho fazem entre os próprios, "povo", e "não-povo". É isso Krin? Os apoiantes de BC são o "povo", ao passo que os outros são o "não-povo"? Explique-me para perceber.

    Infelizmente chegamos a uma situação em que a única saída é, num momento difícil, procurar restabelecer os laços afectivos com o clube. Isso não ocorre com a "boa" gestão desportiva que tanto apregoa.

    Nunca me viu apregoar que a boa gestão desportiva tem como principal propósito o restabelecimento de laços afectivos com o clube. Embora as esferas se toquem, colocada desse modo, a relação que fez é estúpida. Atribuir-ma, é abusivo ou meramente inventar.

    Como se fosse possível distinguir entre a boa e a má gestão desportiva.

    Distinguem-se de que forma então?
    Violeta e púrpura?, amarga e doce?, molhada e seca?
    As opções desportivas e subsequente gestão desportiva não contempla a existência de qualidade ou falta dela? Lá está Krina, o meu caro entende que as coisas têm determinados resultados só "porque sim", para o bem e para o mal. Está profundamente errado e essa forma de entendimento é estúpida. Trata-se de um fenómeno complexo (quanto-baste), sem dúvida, razão pela qual encontra-se dependente de conhecimento. Existe quem o tenha. Existe quem não o tenha.

    A gestão desportiva e os resultados só conseguem inverter as coisas afirmando-se como instituição respeitável.

    Outra conclusão estúpida. Os resultados estão, estiveram e estarão sempre na dependência de uma gestão (opções) desportiva(s) de qualidade. A afirmação de uma instituição respeitável relaciona-se de e algum modo com a questão mas não da forma que (o Krin) imagina. Dou-lhe um exemplo: uma instituição saudável e respeitável terá mais facilidade em seduzir os bons jogadores por quem porventura se interesse. Ou até os menos bons que andem informados sobre clubes, campeonatos, etc. E mesma coisa para treinadores. E de muitas outras formas relacionadas à tranquilidade e o dia-a-dia de uma instituição. Agora nada disto se substitui às opções desportivas. Achar que sim, é estúpido.

    Sendo Carvalho o único capaz de manifestar firmeza no respeito pelo SCP. É a sua opinião.

    Já a divisão entre sportinguistas bons e maus tendo por base a adesão popular a um projecto é deveras estranha.

    Não poderia concordar mais, motivo pelo qual os apoiantes de Bruno de Carvalho não deverão fazê-lo.
    A capacidade que têm de acusar outros daquilo que fazem e são, não é estranha. Somente natural.

    ReplyDelete
  18. Manuel,

    As palavras não têm conteúdo. O que você quer dizer é certamente que a sua combinação com outras palavras, sempre num contexto específico, deve fazer sentido comunicativo. Acha as minhas afirmações descabidas, não encontra uma linha de pensamento que permita progredir, incrível. Mas rebate o que escrevo, fico-lhe agradecido até porque me permite perceber mais claramente o meu limite. Deste se segue a minha recusa em ser conivente com o agravamento da sua condição mental. Está convencido que a partir dessa metodologia eristica vai levar a mais que uma escaramuça virtual? Não conte comigo.

    Compreendo que seleccione algumas afirmações, as tire de contexto e se esforce por reduzi-las ao absurdo. Está no seu direito e é coerente com o expediente de apagar mensagens quando entende que as mesmas conspurcam o seu espaço blogspot. Qualificá-las de estúpidas é que me parece despropositado. Seria certamente mais coerente tornar o blog privado e reservar os comentários a todos os reaccionários selectos que lhe merecerem respeito.

    ReplyDelete
  19. As palavras que utilizou nesse comentário poderia tê-las gasto para responder ao que lhe perguntei. Quando evidentemente não é obrigado. Compreendo que não tenha feito.

    ReplyDelete
  20. Fá-lo-ia com todo o gosto se concordasse com o propósito do Manuel, debater as ideias de modo a provar que sou o maior. Denunciar ditadores quando a primeira coisa que faz é ser ditador no seu próprio quintal.

    ReplyDelete
  21. Mais uma vez está equivocado sobre os meus propósitos.
    Krin, não me faça perder tempo. Um abraço e passe bem.

    ReplyDelete

Search This Blog