No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

Amanhã, antes de partir para Alvalade, guarde um pensamento para quem no mesmo dia, mas há 12 anos, se estreou na principal equipa de futebol do Sporting. Foi a 23 de Março de 2002, em Alvalade, num jogo que o Sporting venceu com golos de Facundo Quiroga e de João Vieira Pinto. Custódio subiu pela primeiríssima vez ao relvado ao minuto 84. Campeão Nacional em 2001/02, vencedor da taça de Portugal em 2001/02, vencedor da supertaça de Portugal em 2003, vice-campeão Europeu em 2004/05 - centro-campista dos «Indomáveis», e vencedor da taça de Portugal em 2006/07 na época onde fora promovido a capitão de equipa. Qual a recompensa? Transferência para Moscovo e contratação para o Sporting de Carlos Paredes, jogador naquela fase de carreira 5 ou 6 vezes inferior a Custódio, embora 5 ou 6 vezes mais caro que Custódio. Felizmente, mérito do Sporting, mérito de treinadores do Sporting, mérito de jogadores do Sporting, Miguel Veloso nas temporadas seguintes disfarçaria esta infeliz opção. Foram experiências como esta, 7 e 8 por temporada, em quase todas as temporadas, ao longo de mais de 20 anos que nos trouxeram ao pesadelo onde estamos, pesadelo reconhecível noutras grandes instituições portuguesas de futebol que somam (uma) passivo pouco inferior ao nosso, ou (outra) passivo sensivelmente o dobro do nosso. Contudo, dadas as diferenças entre nós e eles no potencial que os clubes exibem para gerar receita, eles estão vivos. Já nós, tudo fazemos para viver mal.

Ao contrário, quando nos virámos para dentro, sempre que nos viramos para dentro, crescemos e tornamo-nos mais fortes do que eles.

A nossa força não está e nunca esteve dependente de ilusionismo, dinheiro, promessas vãs, estilo e teatralidade. A nossa força esteve sempre dentro do Sporting, bem perto de nós. É altura de dar voz e poder de decisão aos melhores, gente que viu sempre o seu trabalho hipotecado por dirigentes sem vocação para tomar decisões numa instituição tão grande como as maiores da Europa.

Isto só lá vai com conhecimento. Chega de experiências.

Antes de sair para Alvalade guarde um minuto para os seus, e perceba não haver motivos para dúvidas

Posted on

Friday, 22 March 2013

19 Comments
  1. Daqui a umas horas vais engolir muitos sapos, metes a propaganda barata no saco e vais para outras paragens..

    ReplyDelete
  2. Se o Custódio tivesse nascido uns anos antes, em vez do Paredes podia ter sido substituído pelo Leão.

    ReplyDelete
  3. está a chegar outra vez a febre de alcochete e depois vais competir com quem? não é com quem joga com internacionais de certeza nem sequer com quem eles assinam depois dos 24. no futebol está tudo experimentado, do lado dos custos que falas e do lado das receitas que não falas. lá vamos nós outra vez e sabes porquê? porque ninguém tem dinheiro? queres falar do custódio? não vale uma perna do rinaudo nem é mais barato. o gelson que todos criticaram tinha uma disponibilidade e um potencial doido para crescer em alvalade. o fundamentalismo dos putos tem lixado tanto o sporting como a febre do mercado. mas o que lixa ainda mais são as verdades absolutas dentro e as opiniões fora. a turbulência que mata o clube aos poucos. é o que o couceiro vai dizer quando sair, anota.

    ReplyDelete
  4. This comment has been removed by a blog administrator.

    ReplyDelete
  5. "SL"86, se ir para outras paragens significa rever a minha ligação institucional ao Sporting, pode ter a certeza que sim. Essa ligação é só uma e mantida pelo estatuto de associado há 18 anos. Não existe e nunca existiu outra. Não preciso de ser sócio do Sporting para gostar dele como gosto, e ao mesmo tempo recusar-me-ei fazer parte de um universo de sócios que deseja mal ao clube. É que durante muito tempo não existiu grande escolha e não era realmente possível optar. Hoje, é, e podendo-se optar bem, caso a maioria dos sócios votantes do Sporting optem duma maneira, eu afasto-me com agrado: a minha ligação emocional ao clube permanecerá, obviamente, inalterada.

    Esse tom ressabiado e mesquinho do "vais para outras paragens" mostra bem o que são. Já falar de "propaganda" num texto sobre Custódio que passa uma mensagem simples no qual poderiam caber tantos e tantos e tantos outros exemplos de disparates que o Sporting fez, revela a vossa faceta de gente básica e limitada.

    ReplyDelete
  6. "No futebol está tudo experimentado, do lado dos custos que falas e do lado das receitas que não falas".

    Se está, e receitas são coisa que não tem faltado ao Sporting nos últimos 30 anos. O que não há é outra coisa mais importante, e essa podes ter a certeza absoluta que Bruno de Carvalho e a sua equipa não têm e nunca terão.

    ReplyDelete
  7. O jornal oficioso do beifica tem hoje na uma declaração do Severino a dizer que o Carvalho merece o benefício da dúvida. Não, nunca tive dúvidas em quem votar, e também não as tenho sobre quem é que os lampiões querem que ganhe, ou o que é que o "radialista" que quer passar para a TV andou a fazer nesta campanha.

    ReplyDelete
  8. Albano Travassos23 March 2013 at 14:14

    A verdadeira força do nosso clube sempre foi a formação. Mas infelizmente temos tirado pouco partido dela, o que nos força a ir ao mercado, comprando pior e mais caro. Uma vez que não nos é possível segurar jogadores como CR, Nani, Viana, Moutinho ou Veloso para sempre, pelo menos devemos acertar no seu timming de venda (24/25) e mais tarde, recuperá-los aos 29/30, para trazerem consigo a mística ao mais jovens.

    ReplyDelete
  9. Manuel Humberto,

    jeb deixou as receitas hipotecadas até à próxima época. que tem havido muito dinheiro em alvalade é dos mitos que mais interessa esclarecer. a última vez que gastámos ao nível do clube que ganhou mais vezes nos últimos 30 anos também fomos campeões. temos tido é muitos cagões, agora dinheiro...

    ReplyDelete
  10. Albano Travassos,

    Custódio, Carriço, Miguel Garcia, Viana, Carlos Martins, Moutinho, Miguel Veloso, Bruno Pereirinha a tantos outros não são jogadores "difíceis de segurar para sempre". São jogadores a quem o Sporting mostrou a porta de saída, o que é diferente. Num dos casos, Viana, jogador a quem o clube não quis mostrar a porta de reentrada em Alvalade.

    André Martins, é difícil de segurar para sempre?
    Quase nunca joga. Quantos lá estão hoje a fazer concorrência que não têm 2/3 do seu futebol?

    Passe os olhos por este «post», Abril de 2011:
    http://sportingautentico.blogspot.co.uk/2011/04/carlos-freitas-e-revolucao.html
    Estao aí 70% dos motivos para em 2011 ter (eu) apoiado Bruno de Carvalho. Já se sabia que ia ser assim. Estava na cara. Mas as pessoas preferem sempre a ilusão e hoje é a mesma coisa, só que Bruno de Carvalho ao pé do "outro" em 2011 era ou teria sido mais comedido, e hoje, relativamente a José Couceiro, não fazem sequer parte do mesmo campeonato. José Couceiro e a sua equipa são muito muito melhores. Olhando esse «post» clique se quiser na etiqueta "mercado" e veja as mensagens exibidas sob os títulos «Há 3 tipos de automóveis» e «Homenzinhos, felizmente».

    Anónimo, se vamos para esses termos de comparação onde a bitola é quem gasta mais, então o FCP ao pé do Manchester City é uma mercearia de bairro. Não. O Sporting gasta e muito. Se não houvesse dinheiro ou se não houvesse engenharia financeira, não se destruiriam plantéis todos os anos. Os 15 jogadores que chegam por época, todas as épocas, nalgumas 17 das últimas 20, chegam porque há dinheiro (dívida). Em 2011 e 2012, houve fundos. Os resultados são todavia os mesmos.

    ReplyDelete
  11. Caro Manuel Humberto,

    Pela minha experiencIA futebolística de muitos anos aprendi que cada jogador é um caso e uma história e quando se analisa o aproveitamento, ou não, dos activos do Sporting em anos mais recentes,o enquadramento analítico terá mesmo de ser esse. Este não é o espaço adequado para pormenorizar casos, pela inerente complexidade, mas cito somente dois exemplos: 1) Carlos Martins: um jogador de técnica brilhante,
    taticamente indisciplinado e rebelled, por natureza, que passou ao lado de uma brilhante carreira. Esteve muitos anos no Sporting e impressionava sempre qualquer novo treinador mal o via treinar, para eventualmente o descartar, como peça fundamental, pela sua indiscipline. Disse Boloni um determinado dia: Carlos Martins tem tudo para ser um grande jogador, salvo duas coisas. disciplina pessoal e de jogo. O seu tempo no SCP simplesmente esgotou-se e alguma possibilidade de ainda se ver alguns raios do seu futebol teria de see, forçosamente, num outro clube. 2) Hugo Viana...teve o seu tempo no SCP e foi muito bem vendido - salvo erro 12 milhões na altura - não se podia exigir mais. Pela possibilidsade de regressar - chegou a faze-lo a curto prazo - pediu ao SCP um salário insuportável (mais de 100 mil mensais) e, posteriormente, acabou por ir para o Braga por uma pequena fracção do que exigiu ao Sporting.
    Uma última palavra: até ao resurgimento da equipa B, era missão quase impossível salvaguardar todos os interesses inerentes aos inúmeros talentos formados e, ainda de maior importância, o aproveitamento desportivo e financeiro da mesma depende, totalmente, do nível competitive da equipa principal. Sem esta a disputer títulos e a competir na Europa, nomeadamente na Champions, com regularidade, nunca sera possível assegurar os duplos dividendos desejados.
    Em geral, o futebol visto da bancada, não oferece uma perspectiva total e real do que consta à raiz. O dia a dia é muito complexo e com adversidades de ordem diversa que raramente surgem na praça pública. Por isto, muitos têm uma muito irreal noção do que consta, à raiz. Um abraço....

    ReplyDelete
  12. Não sei se o Sporting gasta muito ou gasta pouco mas que gasta menos que os principais adversários que tem de enfrentar durante a época é uma evidência que está relacionada com ser menos competitivo. E se passar a gastar ainda menos não é só a competitividade dentro do campo que baixa ainda mais. Aliás só candidatos sem dinheiro é que dizem que o Sporting gasta muito e que vai entrar em todos os campos para ganhar ainda com mais a formação. E os resultados dependendo de haver ou não retorno também não são os mesmos. Peço desculpa pela intromissão.

    ReplyDelete
  13. Rui Gomes, compreendo o que diz e precisamente por cada caso ser um caso, é sempre (sempre) possível olhar o jogador A, B, C, D ... Z e perceber quais são os que devemos manter ou não. Ao mesmo tempo, é sempre possível encontrar razões para rotular um jogador como "nocivo" (não emprego ao termo um sentido muito negativo, meramente naquela esfera de "é melhor sair"). A verdade é só uma: bem treinado jogou que se fartou (qualidade) em 2004/05, e em 2009/10 treinado por um técnico (Jesus) muito bom e especialmente dotado na valorização individual dos seus jogadores, Carlos Martins voltou a jogar muito e a contribuir para o título que nessa época venceram e para alguns jogos fantásticos que fizeram na LC do ano seguinte.

    É que se os virmos à lupa dos jogadores perfeitos, não ficamos com nenhum, mas isso enfim os sportinguistas têm sempre dois pesos e duas medidas quando olham uns (os seus) e outros (os que vêm do mercado) ... natureza humana.

    O que aniquilou Carlos Martins no Sporting foi essencialmente ter tido como treinador Paulo Bento, treinador sofrível como existem tantos outros por aí ao nível (supostamente) mais alto.

    Sobre Hugo Viana, não é verdade que tenha pedido um salário incomportável, embora o "incomportável" tenha sempre qualquer coisa de subjectivo a partir do momento em que não existem tectos. A verdade é que foi para Braga ao passo que o Sporting anda desde essa altura (alturas em que poderia tê-lo feito regressar, plural) a pagar salários incomportáveis a outros que ao pé do Viana são jogadores de subbuteo.

    Um abraço grande Rui Gomes.

    Caso a caso, um por um. E sim é possível acertar 20 em 20. Geralmente não são precisos mais do que 2 jogos para se perceber o potencial de um futebolista. Mais difícil é inventar, isso sim dá mais trabalho. Ma claro é preciso que quem vê saiba aquilo que está a ver.

    Anónimo, gastar menos que os rivais não é critério. Em futebol não existe uma relação directa entre investimento e qualidade. "E se passar a gastar ainda menos não é só a competitividade dentro do campo que baixa", pode baixar, mas não é por passar a gastar menos. Essa premissa é falsa.

    ReplyDelete
  14. É uma pena que Severino se preste a isto. É triste. José Couceiro, mesmo correndo o risco de perder as eleições ao dizer isto, disse: " Comigo só vêm para o Sporting por mérito e não por cunha". Muito Bem. É preciso critério, e não distribuir tachos, como parece ser o caso de outros.

    ReplyDelete
  15. No futebol não existe uma relação directa entre investimento e qualidade? Só se o investimento for mal feito mas ainda há pouco tempo o editor do lateral esquerdo também me quis convencer que os bons jogadores não ganham jogos. Pois não só os bons jogadores nunca chegam, é a mesma história do investimento mal feito ou só o investimento por si não garante nada ou garante tanto como não investir. Já agora o que aniquilou o Carlos Martins no Sporting foi o Carlos Martins.

    ReplyDelete
  16. Rui Gomes, um exemplo como nada disto é evidentemente sinónimo de "ficar com todos" ou um exercício abstrato:
    André Santos ou Adrien têm necessariamente lugar no plantel do Sporting? Hoje têm, garantidamente, por serem bons jogadores. Mas poderiam muito bem não ter lugar sequer no plantel (não excluindo que tivessem, depende factualmente dos outros 18 ou 19) se pelo Sporting andassem Viana ou Moutinho. Pronto é assim tão simples. Época a época ver quem fica e quem sai relativamente a quem pode "subir" ou "entrar".
    E ter treinadores muito bons com eles no dia-a-dia, todos integrados numa estrutura sólida e competente. É "só" isto. E "isto" em nºs, tudo contemplado, são alguns 30 indivíduos ao nível dos seniores, entre jogadores, treinadores e dirigentes.

    ReplyDelete
  17. Anónimo, não é na eventualidade do "investimento ser mal feito". O motivo não é esse. É mesmo pelo facto dos bons jogadores não terem de ser necessariamente caros. Veja lá quantos bons jogadores o Sporting fornece a outras equipas e quanto tiveram esses emblemas de pagar pelo seu concurso.

    Carrillo, Rinaudo, Deco, Maniche, Derlei, Nuno Valente, Custódio ou Viana foram caros? Coentrão foi caro? Ilori e Dier são caros?

    O que aniquilou Carlos Martins no Sporting foram más decisões. Como são quase sempre.

    ReplyDelete
  18. Caro Manuel Humberto,

    Respeito a sua opinião, com certeza, e até concordo com algumas considerações, mas nossa pespectiva assenta-se em experiências diferentes. Comandei diversas equipas a diversos níveis ao longo dos anos e gostaria, de facto, que o dia a dia quanto a jogadores fosse tão simples como indica. Para já, as decisões as avaliações e decisõea a que me refiro, têm de ser feitas pré e não pós-facto. Depois temos oscilações competitivas e de treinamento, problemas de character pessoal, factores alheios e, por vezes, imprevisíveis. No centro de tudo, as incontornáveis considerações financeiras. Comandar milhões da bancada é semelhante à play-station. Isto é uma temática para ser abordada em conversa «in loco» e não por escrito, pela sua complexidade. Só em casos excepcionais se contratam jogadores de talento superior comprovado «baratos». Alias, salvo a experiência que fez com Elias e falhou, o Sporting há muito que não tem condições para assegurar esse tipo de talentos, parte pelos recursos financeiros, parte porque eles não querem ir para o Sporting. Uma realidade desagradável. Quanto ao salário do Hugo Viana, com um telefonema para a semana, poderei dar-lhe os numerous exactos. Bem, ficamos por aqui. Um abraço

    ReplyDelete
  19. Rui Gomes (perdoe alguma falta de pontuacao), tambem respeito muitissimo a sua opiniao mas o que refere nao invalida nada do que foi escrito. Trata-se de uma lista de nomes concreta: Joao Moutinho, Miguel Veloso, Custodio, Miguel Garcia, Carlos Martins, Hugo Viana, Daniel Carrico, Bruno Pereirinha e tantos outros para tras ou do mesmo "tempo" que estao "esquecidos". Desta lista de nomes quais foram as questoes de "oscilacao competitiva", "financeiras", "problemas de caracter" ou "factores alheios" que determinaram as suas saidas do Sporting?

    O que digo tem muito pouco de play-station. O contrario, tem muito mais: mandar 15 embora para trazer outros 15 quando quem toma essas decisoes nao tem nenhuma ideia se esta a trazer 15 melhores relativamente aos que sairam. Play-station sera isso: brincar ou tratar a actividade como um jogo de computador onde e facil mandar embora e contratar outros. Ate porque claro, o dinheiro (divida) fica afecta ao clube, nunca a quem toma as decisoes ...

    Sobre o pre ou pos-facto subscrevo mas novamente isso tem pouco a ver com o que mencionei. Dei-lhe o exemplo de Carrillo que nem pouco mais ou menos reune grande tempo de utilizacao ou consenso entre os adeptos, mesma coisa para Bruno Pereirinha, Daniel Carrico que sempre foi visto como "mediano", o proprio Andre Santos, Adrien e tantos outros. Carlos Martins, quer melhor exemplo? Sao tudo jogadores que o Sporting, generalidade do universo de Sporting, nunca se importou de perder. Miguel Veloso idem, e muitos outros.
    Sobre Hugo Viana nao preciso de conhecer os valores envolvidos. Basta-me ver que assinou pelo Sporting de Braga. E mesma coisa para Joao Moutinho, nao tem grande relevo quanto lhe paga o FCP.

    Um abraco.

    ReplyDelete

Search This Blog