No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

A Inglaterra não vencia o Brasil há 23 anos mas isso não tem importância. Olhemos Sua Majestade não a Rainha mas o Rei, Frank Lampard. Se de 0 a 10 Xavi pontuasse 10, o Inglês chegaria aos 11. São jogadores parecidos ou jogadores que com o tempo se especializaram nas mesmas tarefas. Toda a classe, bem-fazer, elegância, segurança, trato, sentido que dá à bola, carácter decisivo de cada acção, da mais pequena à maior, todas as qualidades regressam (estão sempre lá, a habituação de quem vê é que trata de minimizar) e podemos olhá-lo novamente com espanto. É um jogador perfeito e hoje mostrou-o mais uma vez.

Frank Lampard, olhe-o, admire-o, a linguagem corporal é a mesma de sempre, não engana e nem daqui a 20 anos mudará. Há umas semanas dizia-se sobre o homem que levará o Swansea ao Wembley, Michael Laudrup, ser o melhor jogador do clube quando participa nos treinos. He is a man of dignity and never shouts the odds. He doesn’t on the training field at Swansea, yet the players tell us that Laudrup is still the best footballer at the club when he takes part in practice matches. Win or lose, his post-match interviews are invariably calm and courteous. It has made critics wonder if he is too nice and too sensible to succeed as a football manager. What Michael Laudrup shows is that there is another way to glory. Há uma linha fina que une ou não deixa separar categoria de sensibilidade, ao nível do jogo, e é disto que os relvados de futebol precisam, ao nível de praticantes. Lampards e Laudrups, verdade de bolso que deverá guardar. Empreste boa atenção à imagem. Atente o golo apontado ao Brasil.
Sinta o poder e a origem dos atributos. Que fez Lampard? Rematou a bola? Não. Tocou-a, a bola fez tudo sozinha. Lampard deu-lhe controlo. Controlo. Recordam um golo que Liedson fez a Quim em 2009 numa vitória por 3-2 em Alvalade apontado fora da área? É exactamente a mesma coisa. Controlo. O que Jardel fazia com a cabeça, traço mais importante que ao nível da execução se desdobra em momentos pequenos como o de ontem, ou diferentes, já que finalizar é um momento como existem tantos outros. Comum a todos: o jeito empregue à prática, touch, em profunda associação com a predisposição para a prática, talento, intuição, universos ligados por um cordão umbilical. Onde entrarão atributos tão diferentes entre-si como a habilidade ou a força? Não entram. São superficiais, desnecessários, não têm utilidade e mais do que tornar o jogo feio só o atrasam. Lampard é um exemplar que o demonstra na perfeição.

Já que olhamos um golo, quais os avançados dos '3 grandes' que seriam capazes de um igual? São todos bons jogadores mas Lima não seria capaz. Cardozo já seria. Jackson também, embora nunca o tivesse visto. Wolfswinkel, tal como Lima, também não faria. Entre outros nomes: Lisandro não faria. Domingos já faria. Falcão também, embora precise de estar relativamente perto da área. Liedson faria. Ibrahimovic faria. Cristiano Ronaldo nunca seria capaz. Raúl já seria. Mijatovic também, tal como Davor Suker, ou Fernando Hierro. Guti não daria hipótese, fá-lo-ia de olhos fechados e Savicevic de olhos fechados e mãos atadas. Havendo jogadores de futebol, há também jogadores de futebol ...
A nós interessam os segundos.
Frank Lampard
«Barcelona are my favourite team in Spain, let's put it that way»

Os melhores do mundo, Frank Lampard

Posted on

Thursday, 7 February 2013

1 Comment
  1. Excelente.

    Concordo com tudo, não vou desperdiçar palavras.

    ReplyDelete

Search This Blog