No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

É costume dizer-se que o futebol vive de emoção e razão, e é costume dizer-se que em futebol a emoção é inimiga da razão. Não é verdade. Podem e devem coabitar, ao nível de quem dirige, joga e apoia (nós, adeptos). Em boa verdade se existir muita dose duma e de outra, estão as condições criadas para um clube se apresentar forte. Emoção e razão da parte de quem dirige o clube, exercendo escolhas, opções, idealizando, antecipando, solucionando o que é expectável e inesperado, conduzindo-o, com tacto, sem interferência de quem apoia (parcela na qual o Sporting leva 10-0 dos rivais). Emoção e razão por parte de quem apoia, exigindo, ajudando, julgando com justiça quem conduz. A justiça não é (ou não deveria ser) uma ciência exacta. Anda colada com a emoção - sentimentos bons produzirão justiça. Lógico, a justiça é algo que em futebol não abunda, e a razão também não.

Liedson assinou pelo FCP, uma opção que faria sentido (na minha opinião) ter sido exercida pelo Sporting há sensivelmente 8 meses. Faria sentido, não mais do que isso, significando que soluções existem muitas e o cemitério não está cheio de indispensáveis, porque não existem. Seria, como afirma o «post» publicado há uns meses sobre o jogador, uma solução complementar, papel que agora desempenhará não no Sporting mas no FCP: o jogador foi contratado só para isso.

Qual a diferença entre ambos? O FCP tem folga para gastar somas relevantes em soluções entendidas como complementares. O Sporting já não tem: prefere gastar em soluções simplesmente más. Liedson tinha um problema e o Sporting também. Poderiam ter cooperado, um resolveria o problema do outro e vice-versa. Liedson tinha um problema e o FCP também. Cooperaram, um resolverá o problema do outro e vice-versa. Não custa muito fazer bem e sem cometer um crime direi que pouco na gestão do FCP me surpreende, gestão alcançada como espectador, universo de opções curto, pequeno, porque de fora vemos todos muito pouco, no universo superficial mas fundamental como são exemplo opções sobre jogadores e treinadores. Lá não existe imaginação, debate, ziguezague, julgamento, opinião ou demasiada análise. O FCP é um clube de acerto, tanto activa como passivamente. Ataca quando outros sobem a fasquia e ameaçam aproximar-se. Joga na expectativa quando se sente confortável e sabe que não está ameaçado. Atacando, ou não, nunca se desleixa, não precisando de carnaval para chegar à baliza quer de Sporting e Benfica, rivais compostos um pelos 'maiores' e 'gloriosos' e outro pelos 'melhores e diferentes', tão melhores, sabichões e tão diferentes que lhe entregam a bola, baliza, desviam-se e se for preciso avisam-no quando estiver a fazer mal.

Em Liedson, o que fazem os adeptos da equipa que perde? Viram-se à parte fraca porque justiça é coisa que em futebol não abunda e os sentimentos bons vão rarando. Qualquer um dos adeptos do Sporting que roga pragas a Liedson por ter procurado o melhor para si, teria no exercício da sua profissão, seja ela qual for, assinado pelo FCP por 1/10 daquilo que Liedson receberá: 8 mil euros por mês e lá iria 99% do universo de indefectíveis sportinguistas de malas e bagagens para a cidade do Porto. Com uma diferença, sabem qual? Quem roga a praga é adepto do Sporting, sportinguista, quando de modo hipotético, assinando pelo FCP, não deixaria garantidamente de sentir amor pelo Sporting. Já os jogadores de futebol e os treinadores não têm clube, embora todos, como todos e qualquer um, sintam afecto pelo clube de criança.

Liedson não é sportinguista no sentido íntimo do termo, dado que o seu afecto de menino terá como alvo, presumo, um clube Brasileiro. É um jogador de futebol, profissional em actividade e enquanto jogador de futebol servirá o FCP com a mesma competência e dedicação usadas para servir o Sporting.

«O Sporting deu-lhe tudo», deu aquilo que tinha de dar, e Liedson fez o mesmo, com brilho. Por isso mesmo a relação foi muito boa.

A utilidade do moralismo, à falta de moralidade

Posted on

Friday, 25 January 2013

Category

,

,

6 Comments
  1. Liedson tinha contrato com o Flamengo. Como tal, iria ganhar à mesma os 500.000€ que vai ganhar nestes 6 meses de contrato sem ter de, para isso, assinar por um rival do clube que lhe deu tudo (tudo não, demais).

    E, ainda mais importante, isto não se diz: "Estou feliz, era um desejo que já tinha há anos". Isto, só um filho da puta o diz.
    Cuspir no prato onde se comeu é triste. É filha da putice.

    ReplyDelete
  2. É irrelevante se vai ganhar mais ou menos. Ele não assinou pelo FCP da mesma forma que não assinaria pelo Sporting só pelo dinheiro. Embora a parte financeira, em ambos os casos, tivesse de cumprir as suas expectativas. O dinheiro é só um dos elementos a pesar.

    É de igual modo irrelevante o elemento de «rivalidade». Liedson não vê o FCP como rival. Tu és adepto e vês o FCP como rival, ele sendo jogador profissional viu-o durante anos como adversário e vê-o agora como o clube que se interessou pelo seu futebol.

    Estás a olhar para o problema entre as partes pelos teus olhos, quando tu, adepto, olhas para o Sporting, SLB ou FCP como 'coisas' exteriores ao domínio prático da tua pessoa. O Sporting ou o futebol não interfere com a vida que fazes, seja ela qual for. É ao mesmo tempo tudo (porque ama-lo) mas nada (porque não interfere na tua vida).

    Para eles, jogadores, não existe mais nada: a vida deles é aquilo.
    Captas a diferença? E com isto não interessa se a deles é melhor que a tua ou a tua melhor que a deles. Tratam-se de coisas completamente diferentes, só isso.

    O pior contudo é esse moralismo bacoco do "filho da puta", próprio de gente estúpida perdoar-me-ás, da parte de quem exerce julgamentos como esse só porque para ti, Tiago, o FCP é «rival». Tens de chamar "filho da puta" a quase todos os jogadores de futebol porque à entrada nos clubes dizem quase todos o mesmo. Palavras de circunstância.
    Cuspir no prato seria enquanto esteve no Sporting ter por lá passado sem deixar nada, como tantos fazem, nalguns casos por erro de «casting», noutros porque têm a cabeça noutro lado, e ainda noutros porque apesar da boa-vontade de ambas as partes as coisas simplesmente não resultam. Fez mais o Liedson pelo Sporting, em 8 anos de Sporting, que tu farás na tua vida toda.

    ReplyDelete
  3. "É irrelevante se vai ganhar mais ou menos."
    Não é nada irrelevante. Se estivesse sem contrato ou viesse para ganhar mais, ou tivesse 25 anos e quisesse estar num clube com exposição que lhe permitisse ainda vir a fazer o contrato da sua vida, tudo bem. Com contrato, a ganhar o mesmo e com 35 anos nas pernas, está a fazer de propósito para renegar o que o Sporting foi (afinal nada) para ele.

    "Para eles, jogadores, não existe mais nada: a vida deles é aquilo."
    Não devia então ter-se despedido da maneira que se despediu. Ele fez questão de mostrar publicamente aos Sportinguistas que, para ele, o Sporting foi mais que um mero empregador. Afinal foi um mero empregador. Tudo bem, mas que o tivesse referido sempre. Assim, é igual ao Simão que num dia está em Barcelona a beijar um cachecol do Sporting e no seguinte está a assinar pelo SLB e a dizer que o Sporting é merda.

    "Tens de chamar "filho da puta" a quase todos os jogadores de futebol porque à entrada nos clubes dizem quase todos o mesmo."
    Chamo filho da puta a quem mostra sê-lo. O Liedson neste momento, mostrou sê-lo. É diferente o que o Liedson está a fazer, do que fez o JVP por exemplo. O JVP foi despedido do SLB e assinou pelo Sporting. Quando assinou pelo Sporting não tinha contrato. E quando chegou ao Sporting não disse que já há muito tempo queria jogar no Sporting. Outro exemplo de quem não foi filho da puta: Quaresma. Estava encostado no Barcelona e tinha idade para ainda fazer carreira. Nunca disse mal do Sporting e nunca disse que há muito tempo que sonhava ir para o FCP.
    É diferente MM, percebes? Percebes a diferença? Percebes a diferença entre ser filho da puta como o Figo, que troca ser ídolo no Barcelona para ser (mais) rico no Real Madrid e ser como o Rui Costa que só sai do SLB porque lhe pedem?

    "Fez mais o Liedson pelo Sporting, em 8 anos de Sporting, que tu farás na tua vida toda."
    Talvez não MM, talvez não.

    ReplyDelete
  4. Tiago, mas o João Pinto é uma pessoa e o Liedson é outra. O que os diferencia como pessoas não é motivo para que o chames de "filho da puta". Liedson não tem / teve se calhar sensibilidade para evitar exprimir sentir-se feliz naquele modo exagerado, ou achas realmente que ele em 2010/11 concebia ou desejava ingressar no FCP? Não. É tudo circunstância. Saiu de Portugal para não regressar mas 3 anos depois proporcionou-se o regresso. O FCP interessou-se.

    "Está a fazer de propósito para renegar o que o Sporting foi (afinal nada) para ele".

    O Sporting para ele foi / é um clube pelo qual sente carinho, porque esteve lá 8 anos. É impossível não gostar do Sporting ocupando uma parte tão grande da sua carreira. Mas o Liedson, ao contrário de ti, não ama o Sporting, não o acha a melhor coisa do mundo. Nem ele nem 99% dos grandes jogadores que passaram pelo clube. É claro que existem excepções e ainda bem mas isso não significa que os outros sejam "filhos da puta".

    Não renegou nada. Assinou um contrato para jogar pelo FCP, foi isso que fez.

    Sobre o fazer mais pelo Sporting, talvez sim, definitivamente sim. Tu, eu ou 99.9% dos adeptos. Se eu não existisse tu não sentirias diferença nenhuma, em termos de Sporting. Nem o Sporting sentiria a minha falta. Tu se não existisses para mim, em termos de Sporting, rigorosamente nada mudaria. Se o Liedson não tivesse passado pelo Sporting tudo o que fez desde golos, vitórias, às recordações nos deixou, nada disso existiria.

    ReplyDelete
  5. Ai meu Deus, mas para que é que os meus consócios perdem tempo com cenas que não interessam? O Liedson já se ofereceu a toda a gente, inclusive ao carnide, até quando ainda era jogador do Sporting. Não admira que vá para o porco, admira-me é que o porco o queira. Mas isso enquadra-se na linha do porco amesquinhar o Sporting.

    O porco é um clube asqueroso, mas sabe o que quer e o que faz. Vê lá se eles alguma vez reforçaram o Sporting nas trocas de jogadores. Enganaram-se uma vez, com o Rui Jorge, mais nada. Nós demos o Izmailov ao porco, ponto final. Falar em troca é obsceno, como se tivesse comparação a importância do Izmailov para o Sporting e a do Miguel Lopes e do Ventura para eles. Além de que ainda se precaveram, ficando com 50% do passe do lateral direito, para o caso de ele se afirmar em Alvalade. Todos os cenários foram pensados. Eles já descartaram o Kléber (que ao Sporting dava um jeitão), mas para Alvalade este jamais virá directamente do dragum, porque o porco NUNCA reforça o Sporting. No que depender dos andrades o Sporting não sobe nem um bocadinho, porque o Sporting pela sua dimensão, pelo que pode crescer, É um rival directo deles. O braga jamais terá essa escala e não sendo ameaça é ajudado para tirar um dos clubes de Lisboa do terceiro lugar, que pode dar acesso à Liga dos Campeõs. Quando o Godinho Lopes vai para lá, já os tipos foram para lá e vieram para cá duas vezes antes.

    ReplyDelete
  6. E por falar em Godinho Lopes, costuma-se dizer quem com ferros mata, com ferros morre e foi ele que começou a contenda, querendo ganhar a todo o custo, comprando tudo e todos, com o Sporting a pagar. Mas não só. Ainda queria saber como se justifica que 400 sócios tenham votado sem terem sido controlados à porta, onde se verificava se as pessoas tinham as quotas em dia. Algo que não é de somenos porque são esses 400 sócios que dão a diferença de votos de que resultou o desfecho eleitoral. Por isso agora os outros vão tirá-lo de lá, custe o que custar. Não se perde nada, mas o clube tem de sair desta guerra ASAP!!

    ReplyDelete

Search This Blog