Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

Retemperemos o calor dos grandes ideais, e tomemos como lema uma certeza inabalável

Wednesday, 5 December 2012

Esposende é uma das cidade mais bonitas que alguma vez conheci / conheço, muito justamente, 'um privilégio da natureza', cidade do Minho, região mais bonita da península Ibérica [como é óbvio não conheço 1/20 da Península Ibérica], tal como Pedro Barbosa que não sendo o melhor Português de sempre, para mim, ele é. Michel Preud'Homme, não é o melhor guarda-redes do mundo mas para mim, e porque de facto, é. Ahmed Ouattara, não é o melhor avançado do mundo mas em 1995 ele foi, ao lado de Ricardo Sá Pinto, servido por Pedro Barbosa, solicitado por Emanuel Amuneke, lançado por Assis, só uma coisa neste mundo pararia a besta negra Marfinense de 400 kg: outra igual. Mas não existia porque era um 'privilégio da natureza', irrepetível, única, e era nossa, e Oceano também era nosso. Oceano, não tem a sua típica paisagem por estar à beira-mar plantada, mas não obstante junta ao Oceano de água salina, é (Esposende) um lugar que sabe a Minho. Plana, sem subidas, nem descidas, fácil, tive a felicidade de trabalhar durante alguns anos em Esposende. Entretanto aconteceu tanto e tanta coisa mudou, que lembrar o período é sentir uma nostalgia enorme, se é que existem nostalgias pouco enormes. Sinto até muitas saudades dum sacrifício: as ida-e-volta Braga-Esposende no Inverno, já que a solfagem do carro não trabalhava.
Não recordo Esposende por acaso, nem 5 ou 6 vizinhas que lhe estão intimamente associadas. Olhava há pouco esta 'placa' e lembrei-me de Esposende.
No C. C. de Forjães. Azulejos, como tantos outros que lá estão a afirmar coisas diferentes. Estes são de António Oliveira Salazar, e alegam:
'Dêmos à nação optimismo, alegria, coragem, fé nos seus destinos; retemperemos a sua alma forte ao calor dos grandes ideais e tomemos como nosso lema esta certeza inabalável: Portugal pode ser, se nós quisermos, uma grande e próspera nação'. Talvez não possa. Teria sido tempo, talvez.
Ouattara e Esposende não estão relacionadas, sequer na minha imaginação, mas tendo acima falado na locomotiva Ivoriana despertam-se flashes, como paredes de azulejos em movimento do golo mais bonito na história dos campeonatos Nacionais, autoria do melhor avançado do mundo em 1995, avançado que ao lado de Ricardo Sá Pinto, servido por Pedro Barbosa, solicitado por Emanuel Amuneke e sob o olhar atento de Oceano, foi numa tarde de sol lançado a pontapé pelo guarda-redes Costinha. Pegou na bola no círculo central do estádio das Antas. Que fez Ouattara? Ultrapassou 8 jogadores portistas, ultrapassou o guarda-redes Vitor Baía e entrou literalmente com a bola dentro da baliza do FCP. Sublime.

0 comentários:

Post a Comment