No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

O derby já abriu algumas portas. A do compreensível anti-sportinguismo.
Uma porta muito importante: a do medo, por parte de quem afirma «é o jogo da vida deles, irão dar tudo», como se o Benfica não fosse fazê-lo ... tendo mais motivos na luta que está pelo título de campeão Nacional. Percebam que estão com medo de nós, medo que se renova todos os anos, sente-se no ar, vê-se nos seus olhos, olhos que nos dizem «gostava de jogar tão bem quanto tu, Sporting, mas não consigo. Gostava de ter 20 000 títulos como os teus Sporting, mas não consigo». E na frente do medo, como sempre, procurarão bodes expiatórios. Daremos sim senhor.

Respeitaremos o adversário e saberemos estar à altura da ocasião: dando tudo. Somos o Sporting Clube de Portugal. O derby é um pretexto.
Se o Benfica se superiorizar e vencer, muitos sportinguistas afirmarão que será o momento para pedir contas. «É a última oportunidade». Para quê, perder? Quem nos desse. Pedindo a um lado para que se preste a outro. Tenho a certeza que ninguém deseja a derrota do Sporting mas caso esta apareça, há muita gente dentro do Sporting que não se entristecerá ...

Porque o derby é um bom pretexto e a emoção é amiga da confusão.

Citarei um consócio, «vencer o Benfica é uma normalidade». E perder com o Benfica também, acrescento. Saibamos todos estar à altura, é o meu desejo. E que na eventualidade duma derrota ela suceda dentro do relvado aos pés do Benfica. Não fora do rectângulo de jogo, aos nossos.

O Pedro Oliveira deu a receita, em Abril.

Olhamos os abismos de frente (...) suprem-se as limitações (...) faça-se da deseroização do transitório a exaltação do definitivo. A mãe [a nossa natureza] não manda ser um Narciso de virtudes secretas ou de falências toleradas.
Ordena vitórias na colaboração, façanhas no meio da praça (...) no cerne dos continentes, nas profundas dos infernos.

Miguel Torga, Ensaios e discursos, pp. 146-147

És homem, não te esqueças.
Só é tua a loucura onde com lucidez te reconheças ...

Não esqueço em nenhum momento que és o Sporting Clube de Portugal e exijo que não te esqueças também. Se deres o melhor não precisarás de esperar pela vitória. Quando o jogo terminar, estará do teu lado. Para qualquer eventualidade, eu estarei também. Ansioso para que comece, desejoso para que não acabe.

Para cima deles. Com classe, à Sporting.

Posted on

Monday, 10 December 2012

Category

,

,

3 Comments
  1. O anti-sportinguista envia um abraço ao anti-benfiquista e espera que seja um jogaço dos antigos. Pena não podermos beber umas bujas antes do "match". Lá estarei, na tua casa, querendo indirectamente a tua tristeza. Aí estarás tu, numa outra tua casa, querendo a minha. E tens toda a razão: todos temos medo de perder o jogo mais bonito do futebol luso. E também muita esperança de ganhá-lo. De um Damião para um Stromp, saudações desportivas. Que se inicie o match.

    ReplyDelete
  2. A casa do Sporting é a nossa casa. Tua, minha e de todos. De quem está perto e quem está longe. Há 56 anos a grande casa do desporto Nacional. Nela cabem as mulheres e homens de todos os clubes, bem como os seus progenitores e descendentes. Nela cabem todos os Portugueses e estrangeiros que residam em Portugal, do Cabo de Santa Maria a Cristoval, de Miranda do Douro aos Açores, e todos os povos no meio. Nela cabem as esperanças dos mais jovens, as ilusões e aflições dos mais incautos, e as certezas dos autorizados. Nela cabe a humanidade e todas as suas virtudes e defeitos, bem como qualquer criatura pela qual é o Leão responsável.

    Que seja um bom jogo, emotivo, um que recordemos com saudade e sobre o qual daqui a alguns anos possas aos teus filhos e netos contar: «Eu estive lá e vi o Benfica perder, mas a música de fundo que tocava naquele estádio ruge ainda com estrondo no meu coração, esta é a nossa casa porque as glórias são intemporais, o nosso paraíso terreno com o passado mesmo aqui ao lado ... neste majestoso cenário o cofre onde guardo o coração, por isso estamos cá Ricardo, dentro deste Nobre Vulcão».

    Um grande abraço e viva o nosso Sporting.

    ReplyDelete
  3. O SCP é muito mais que uma simples vitória ou derrota.

    SCP sempre.

    Abraço.

    ReplyDelete

Search This Blog