Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

Sportingar, sporting... ando

Thursday, 8 November 2012



Há duas maneiras de ver futebol. A boa. A má.

A boa é vê-lo, ao vivo, no campo, essa é a forma que todos os que amam o futebol o gostam de sentir. A boa maneira de ver futebol é com os olhos postos na bola, no campo, nas bancadas, no céu... A boa maneira de ver futebol é com os ouvidos (e se os meus são grandes) postos nos cânticos, nos gritos, nas vozes, nos "apupanços" e nos "acarinhamentos". A boa maneira de ver futebol é com os lábios postos na vida, com sabor a sal... A boa maneira de ver futebol é táctil, é a mistura, a partilha com o sportinguista que está ao nosso lado, cada golo... cada abraço. A boa maneira de ver futebol, tem cheiro, cheira a relva, cheira a ar livre... cheira a vitória.

Hoje vejo o meu Sporting, o nosso Sporting da maneira má... na televisão (vou partilhar na caixa de comentários, em directo, as minhas impressões sobre o jogo, gostaria que fossem escrevendo as vossas).




4 comentários:

pedro oliveira said...

Primeiras impressões,com meia hora de jogo.
Jogo dividido,mas de algum modo controlado pelo Sporting.
Boa escolha da equipa (jogadores) e talvez má escolha do sistema (disposição das peças em campo).
Árbitro,equipa de arbitragem, complicativa, muitos amarelos e pouco bom senso.

MM said...

O Sporting não jogou nada. Poderia ter ganho, deveria ter perdido, empatou e não merece seguir em frente. Pena a derrota do Videoton - sentir-me-ia menos desiludido se o Sporting tivesse ficado hoje definitivamente arrumado. Clarificação no caos, é melhor do que um caos que coxeia. O Sporting que poderia a partir de hoje concentrar-se em exclusivo na taça da Liga, assim, já não pode: ainda sonha com a qualificação.

Gatunos, já não faltavam as arbitragens até os adversários hipotecam-nos o futuro.

Um deserto, pré-Setúbal. O Sporting não joga nada e nada fez para empatar. Preciso de recuar a 1997 para lembrar uma época parecida com esta. Não existe nada.

Nem com Paulo Sérgio foi tão mau.

MM said...

Até o campo parece triste, pouco iluminado. É uma atmosfera lúgubre com o eco dos altifalantes e a casa a meia-luz. No tempo do Quim Berto havia ao menos mais claridade, inclusivamente nos jogos terminados depois das 22:00.

pedro oliveira said...

MM,

Sem ironia, gostei e gosto do Paulo Sérgio, bom no Olhanense, muito bom no Paços de Ferreira,foi um treinador sem tempo e sem jogadores.
Sem ovos não se fazem ovos mexidos.
No Sporting, ultimamente, temos mexido demasiado, sem ovos.
Hoje temos ovos e quero acreditar que temos cozinheiro,vamos fazer disto uma espécie de ano zero e... acreditar.
Grande abraço (triste mas solidário)

Post a Comment