“A substância fundamental do progresso desportivo do Sporting é um fogo clubista que incessantemente se acende. É o suporte de vida do espírito leonino; é uma matéria viva ...”


No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas, bem como um depósito para comentários sobre diversos tópicos que vou deixando um pouco por toda a parte.
Para deixar um comentário: Clica no título do respectivo 'post' (à direita do texto). Alternativamente, usa a tua conta do FB. Regras superficiais de utilização: Emprega bom-senso.

Para adeptos como nós é impossível de forma assertiva discutir nomes de treinadores para o Sporting, já que nos baseamos no que conhecemos e o que conhecemos é invariavelmente curto.

Quem, em Portugal, conhecia Mirko Jozic em Maio de 1998? Quem entre-adeptos de Espanha, França, Itália ou Inglaterra conhecia André Villas-Boas em Abril de 2011? O nosso conhecimento é limitado e acabamos por discutir 5 ou 6 nomes que são nestas alturas sempre os mesmos ou que até incluem, nalguns casos, opções irrealistas como Lippi e Guardiola. Guardiola não é treinador do FCB mas permanece ligado ao seu projecto desportivo, além de que evidentemente nunca assinaria pelo Sporting. De igual modo, os inevitáveis 'Holandeses', com base em estereótipos de futebol ofensivo e pouco mais. Noutra direcção, estereótipos de treinadores rijos de personalidade forte com a esfera de opções nestes casos a desviar-se para a Premiership e treinadores Britânicos.

Quem está num clube com o dever de decidir deverá ter acesso a uma base de dados mantida por uma ou várias pessoas sobre o que fazem 7 ou 8 dezenas de treinadores na Europa e na América do Sul, em 6 ou 7 campeonatos diferentes. Uma maioria de nomes que pura e simplesmente desconhecemos. Desta forma, como adepto do Sporting e de forma assumidamente insuficiente em razão do que foi escrito, se pudesse por milagre escrever um nome que amanhã aparecesse no campo de treinos do Sporting, apontaria para dois. Curiosamente, dois treinadores que no próximo dia 20 estarão frente-a-frente ao comando das respectivas equipas. Além destas duas, outro género de escolha radicalmente diferente, envolveria quebrar as regras e saber junto de Jorge Jesus da sua disponibilidade para treinar o Sporting entre 2013 e 2015.

Conceberia esperar pelo fim da época? Sem dúvida se a opção em cima da mesa fosse Jorge Jesus.

As outras duas escolhas seriam  Roberto Martinez e Michael Laudrup.

Roberto Martinez, Michael Laudrup e Jorge Jesus.

Posted on

Wednesday, 10 October 2012

8 Comments
  1. Jesus, claro.

    p.s: ainda tentei encontrar, mas nada - quem são esses dois treinadores?

    ReplyDelete
  2. Rui Coelho, Roberto Martinez e Michael Laudrup.

    Com predomínio do primeiro sobre o segundo. Mas como diz o link, é meramente suspeita. Sabe muito de futebol o Espanhol. Já Michael Laudrup é uma 'impressão' quase desfundamentada, baseada no gosto pelo jogador, a sua inteligência, e 2 ou 3 jogos do Getafe quando o Dinamarquês era seu treinador.
    Sobre Jesus, termina contrato no fim desta época e embora exista a possibilidade dificilmente ficará uma 5ª época no Benfica. A generalidade dos benfiquistas quer vê-lo pelas costas, é um dos melhores treinadores Portugueses da actualidade e ao seu nível é o único em condições de assinar pelo Sporting (os outros são J. Mourinho e Villas-Boas).

    O Sporting com Jesus teria ao comando da sua equipa não só um excelente treinador, como descartaria o cenário deste rumar ao Dragão (tal como para o SLB é pouco provável que Vitor Pereira comece uma 3ª época no FCP).

    Mas dos 3 a primeira opção seria mesmo Roberto Martinez.

    ReplyDelete
  3. MM, antes que tudo um abraço.
    Não conheço o Roberto Martinez, ideias/trabalho, até porque não acompanho muito ligas estrangeiras: acompanho mais algumas equipas em particular, e por esta ou aquela razão (não sei) não tenho qualquer impressão, boa ou má, do trabalho do RM. Acredito que seja bom.

    Gosto do Laudrup, não sei se pelas mesmas razões: não me recordo muito bem do seu Getafe (lembro-me que, num dado jogo, achei interessante, mas não fiquei com uma ideia muito firme), mas tenho acompanhado bastante o seu Swansea neste início de época, e tenho gostado. Têm jogado de uma forma interessante: curiosamente, não muito diferente da que jogavam no ano passado (B. Rogers está hoje no Liverpool). O Swansea tem, de há uns tempos para cá, um critério interessante no que toca às ideias em que aposta. E se Laudrup foi escolhido, é um bom sinal. Outro bom sinal: dos jogadores contratados pelo clube inglês este ano, lembro-me pelo menos de dois claramente escolhidos por Swansea – e são dois bons futebolistas, de muito bom nível.

    A probabilidade de ter sucesso no Sporting talvez não fosse assim tão grande (a situação em que o Sporting se encontra é um pouco diferente da que o Swansea se encontrava este verão); mas é uma probabilidade mais alta que a da maioria dos treinadores que conheço. Apenas um acharia mais interessante do que Laudrup, daqueles cujo trabalho eu conheço:
    Luís Enrique.

    Não por ser a tal ideia da procura de um novo Guardiola; é apenas um indivíduo que foi um bom futebolista, que tem boas ideias sobre o futebol e que, sei, é capaz de as implementar. A Roma foi uma das equipas que mais acompanhei na temporada passada, e gostei quase sempre do que vi. Os resultados não foram bons, é verdade, mas parece-me que a probabilidade de ser bem sucedido em Alvalade é superior à de ser bem sucedido em Itália, e particularmente na Roma. Ou pelo menos não seria nunca inferior.

    Num campeonato como o português, num clube como o Sporting – sobretudo num clube com o tipo de jogadores de que o Sporting dispõe – parece-me uma boa opção. E se o Sporting não andasse lá por cima (com resultados que o colocassem entre as três melhores equipas portugueses, um objectivo realista considerando os pontos que o Sporting detém e as equipas fortes que ainda não defrontou) não me parece que tal fosse principal responsabilidade do treinador. Porque é bom.

    ReplyDelete
  4. Adenda:

    Quanto aos jogadores, queria referir dois que foram escolhidos, não pelo Swansea, mas pelo próprio Laudrup.

    Um abraço

    ReplyDelete
  5. Certamente que pior que JJ o SCP não vai encontrar.

    Abraço.

    ReplyDelete
  6. GBC, o link fazia mesmo mencao a B. Rodgers, altura em que assinou pelos 'reds'. Nao conheco mas talvez trate-se de preconceito (nao tenho grande opiniao de treinadores Britanicos).
    Roberto Martinez e o Irlandes dividiam favoritismo para tomar conta do Liverpool. Em ultima analise deixaram cair o Espanhol, optaram por Rodgers. Na minha opiniao, mal.

    Quanto a Laudrup nao conheco treinador ou clube, mas la esta nao interpreto com surpresa o que dizes: seria em todo o caso uma escolha que agradar-me-ia muito.
    Claro, sao 2 treinadores com contrato e a trabalhar, opcoes por isso que o Sporting (julgo) nao considera. Ao contrario da outra opcao que falas ... Luis Enrique. Seria possivel? Talvez. Mais uma vez, sem conhecer, o nome agrada ... mas nao sei porque tambem pressinto que a opcao nao passara pelo Espanhol.

    Um abraco grande.

    ReplyDelete
  7. Manuel Marques, existem (julgo) duas formas de entender Jesus:

    1) imagina-lo enquadrado, com reduzida influencia na construcao de planteis. Imagino ser dificil contrariar um treinador que diga "nao quero trabalhar com os jogadores X ou Y", mas ja nao antecipo dificil contraria-lo nos jogadores a contratar. O clube em ultima analise contrata quem quer, nao se tratando de uma tarefa do treinador. O maior problema de Jesus, do Benfica, ou de Jesus no Benfica sao mesmo as disparatadas entradas e saidas de jogadores nos defesos, problema que ja se tinha visto (pelo menos) no Belenenses. Com resultados optimos, de uma epoca para a outra despachou nao sei quantos para formar uma equipa de jogadores Brasileiros que ninguem conhecia de lado algum.

    No Benfica nao sei que influencia tera Jesus na materia, imagino que bastante, mas isto tem solucao: nao lhe dar esse poder. Construir um plantel com sentido, equilibrado, com qualidade, e deixar Jesus fazer aquilo em que e bom: treinar, faze-los evoluir e orientar uma equipa que discutiria titulos. E um treinador muito bom e reforco que nao me surpreenderia se aparecesse no Dragao no fim desta epoca.

    Uma quase-certeza temos: nao continuara no Benfica, ficando disponivel para quem desejar os seus servicos ...

    ReplyDelete
  8. E logico o outro cenario com Jesus seria dar-lhe liberdade para dispensar 12 jogadores por epoca, contratar 7 Uruguaios, 6 Argentinos e 5 Brasileiros num plantel com 4 medios, 7 extremos, 14 avancados, 4 guarda-redes e um contigente de Mexicanos a fazer numero na equipa-B.
    Para fazer isto, ja nao interessaria muito ter Jesus. Mas olhe que mesmo assim, no meio do (triste) circo que e a gestao desportiva do Benfica, liderou 3/4 do campeonato na epoca passada e este ano la segue novamente em primeiro.

    Outro abraco para si Manuel Marques (falta pouco para dia 25, quem diria que a 3'a jornada estariamos com falta de oxigenio. Confio ainda assim que o Sporting saira da Belgica com os 3 pontos).

    ReplyDelete

Search This Blog