No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.

... verde como o espinafre, branca como a neve, antiga como o dinossauro e jovem como a amizade que é agora minha e sua. Pela descrição parece bem especial, gostaria de conhece-lo. Mas já o conhece. Conheço? Garantidamente, conhece-o. Retirei do bolso um almanaque, abri-o na página 73 e mostrei-o. Espera, sem óculos não vejo nada. Não precisa e li, Shelbourne, o clube foi fundado em Dublin, em 1895 e no ano em que nascia em Portugal o Campo Grande Football Club começou (aos 9 anos de idade) a disputar a Liga Irlandesa de futebol. Hmm, interessante. Se é, mas diz mais: o sucesso trouxe a excitação do futebol além-fronteiras e o club jogou o primeiro encontro Europeu com o Sporting Clube de Portugal. Foi em Setembro de 1962 na Taça dos Clubes Campeões Europeus e o campeão Irlandês foi, infelizmente (na sua perspectiva), derrotado duas vezes pelos campeões Portugueses. 0-2 no Dalymount Park, 5-1 em Lisboa. Em 1963/64, na 2ª participação em provas da UEFA, o Shelbourne voltaria a cruzar-se com outro gigante, FC Barcelona, Taça dos Vencedores das Taças, derrota no Dalymount por 0-2 e na Catalunha por 3-1, na edição ganha pelo adversário de 1962/63 ... o Sporting Clube de Portugal.

Isto tudo? Assim mesmo, em Dublin, no solo que viu da terra brotar os alperces semeados por Ken Doherty e que hoje, com sabor, seguramos em mãos. Pela primeira vez na história do seu clube, da sua terra, engrandecido e engrandecida pelo baptismo do Sporting Club de Portugal.

Quem primeiramente enobreceu o inviolável solo Irlandês ... 1962, início de uma realidade pelo tempo transformada em lenda.

Posted on

Sunday, 14 October 2012

1 Comment
  1. Grande, maravilhoso e delicioso "post", MM.
    Não me refiro ao sabor da fruta (essa é saboreada mais a Norte) refiro-me ao intenso sabor das palavras.
    Grande abraço.

    ReplyDelete

Search This Blog