Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

Sporting Clube de Portugal na «net», cada vez mais de Sport Lisboa

Monday, 21 May 2012

Este poderia ser o título para um clube, ou uma instituição, composta por adeptos na sua generalidade iguais aos do seu rival, na esperança que a maioritariamente inútil «blogoesfera» do Sporting não espelhe a generalidade dos adeptos do Sporting. Por vezes julgo que não espelha mas demasiadas vezes vejo-me forçado a reconhecer uma mudança no clube, na ausência de vontade que muitos demonstram em ir além da egoísta relação Eu - Vitória - Sporting, e perante a falta de inteligência para ajudar ou ser parte de um clube historicamente melhor do que os demais: uma injúria, decerto, no dia seguinte a termos perdido uma final. Para o bem e para o mal é fácil governar um clube de gente na maioria do tempo somente atenta à vitória, ou ausência dela, quando seria bem mais vantajoso termos um público desperto e inteligente que forçasse quem governa o Sporting a que fossem os próprios melhores e mais inteligentes no que fazem. Uns puxam pelos outros, ou assim deveria ser. Mas não é o que vemos. Em caso de derrota, envergonharam-nos, sinto revolta porque o Sporting só me dá coisas más. Em caso de vitória, o Sporting é nosso grande amor, está unido, todos celebram, tudo parece desculpável e para a semana há mais. Fácil, esta, profundamente incapaz condição de uma multidão de credores do Sporting (por)que gasta com ele tempo, tempo focado na sensaçãozinha de conforto que a indispensável vitória oferece, como se o Sporting servisse para alívio de frustrações. Será por esta condição, ou pelo resultado da insuficiência de quem a pratica, que o Sporting se manterá um clube confuso, ganhe ou perca.

As responsabilidades são de quem governa (dirigentes), e de ninguém mais, mas os adeptos pouco contribuem para qualquer coisa minimamente válida: as vitórias servem para preencher vazios emocionais e as derrotas servem para descarregá-los. Ao meio, um clube chamado Sporting que lhes foi impingido aos 6 ou 7 anos de idade que equipa de verde-e-branco mas poderia levar o nome de Benfica e equipar de cor de merda, aquilo que uns e outros têm na cabeça. Não seja feito nenhum esforço para preservar as diferenças.

10 comentários:

artnis said...

O futebol prega-nos destas partidas.
Ao que parece o tão incensado, pela ilusão de alguns, futebol-maravilha do Sporting, que entre a euforia e a bazófia, pomposamente se dizia "de Sá Pinto", foi traído pelo mesmo tipo de futebol.
E a vós, quer os que têm merda na cabeça, quer os que a não têm, desiludiu, como se antevia.
E, afinal, tudo bate certo. Quando toca a jogar de forma mais organizada e para vencer, o futebol "de Sá Pinto" emperra.
O imediatamente alcunhado, como o Guardiola do Sporting, pelo entusiasmo que transmitiu à equipa (?), pegou numa equipa em situação difícil e gizou uma estratégia.
Saiu-se bem naquele triunfo em que, por uma vez, todos os astros se conjugaram, para fazer acontecer a eliminação do Manchester City.
Teve sorte com os polacos, teve muita sorte com os ucranianos e de algum modo com os bascos.
E pôde contar com a 'protecção' de S. Patrício, sempre.
Agora o balão esvaziou.
De tal forma que nos terá - a mim, seguramente - surpreendido a todos, quando declara:
"O Sporting não pode perder, uma final, com a Académica".
Perdeu. Na verdade, às vezes perde-se e há que ter presente essa possibilidade, em cada jogo.
Sabemos quem o não fez e acabou a provar do próprio veneno.
Ao Sporting, (e aos sportinguistas, quer os que têm merda na cabeça, quer os que a não têm) fica de novo a dúvida quando se lhe vaticinava, também, por mor desse futebol, um radioso futuro na próxima época.
Porque nem sequer é com o futebol "de Sá Pinto" que se ganha alguma coisa.
Felizmente. Caso contrário ninguém os segurava ...!

- P.S. -

Em fim de festa dos "outros", não convém fazer reportagem por perto. Que o diga a repórter da SIC 'mimoseada' por um adepto leonino - que de 'diferente', só se for mesmo a merda que têm, em lugar do cérebro - ao ponto de ter de interromper a emissão.

pedro oliveira said...

Artnis, a diferença é que nós, Sportinguistas autênticos, temos capacidade de reflectir e de pensar a realidade, o ocorrido.
O Sporting é o nosso grande amor quando ganhamos e, principalmente, quando perdemos, pois, é nossa altura que o apoio é mais necessário.
Excelente análise, MM.

MM said...

Artnis,

O que me desiludiu foi a não conquista do 46º título de futebol (Nacional) da nossa história e a impossibilidade de daqui a 9 ou 10 semanas disputarmos o 47º. De que forma transforma-se desilusão ou tristeza em vontade de deitar abaixo, indignação e vergonha (?), não sei. Mas é só sobre isso que o post fala e portanto merda na cabeça não a tem quem se sentiu desiludido mas quem olha para o Sporting e é simplesmente incapaz de distinguir o essencial do acessório. Pensava na blogoesfera (cada dia detesto mais esta palavra), incapaz que sou de perceber se esta forma de entendimento representa - ou não - a generalidade dos adeptos do Sporting.

Pedro,

Não sei se é um problema do Sporting, ou de todos, mas uma certeza tenho: o futebol já teve muito melhores adeptos. É hoje uma relação profundamente egoísta, e acéfala, onde todos se sentem credores. Será assim para o futebol e muita coisa diferente. Um abraço.

artnis said...

pedro oliveira

Se estás a responder ao 'post scriptum', folgo muito em saber, que essa tão apregoada 'diferença' se verifica entre vós - os "autênticos" como lhes chamas e os outros, de igual modo sportinguistas, os 'não certificados'.
Onde adquiriste o 'sportingómetro'? Dos dos 'outros' também fabricam?
Dava-me jeito comprar um dos 'nossos', para a Casa, cá do Burgo.

Nunca coloquei em causa ou em dúvida, em momento algum do meu texto, o vosso 'amor' pelo Sporting.
Limitei-me a fazer a minha análise, com a qual podes ou não concordar, - usando a tua "capacidade de reflectir e de pensar a realidade" - ao chamado futebol "de Sá Pinto".

MM said...

Artnis,

Não existem diferenças que ultrapassem ou fiquem aquém das naturais diferenças entre pessoas. Pessoas diferentes sentem de forma diferente, pensam de forma diferente, desenvolvem amor pelo Sporting de forma diferente. Não somos todos iguais só porque gostamos todos do Sporting, da mesma forma que não seríamos todos iguais por gostarmos todos de cozido-à-portuguesa.

Temos todos um elemento em comum: amor pelo Sporting.
Mas temos incomparavelmente mais a separar-nos: somos todos pessoas diferentes. Todos.

artnis said...

MM

A primeira parte da minha resposta ao Pedro, não passa de um chiste. Aceito o vosso, tão proclamado, conceito de clube 'diferente', de gente 'diferente'.
Foram-no na génese, é histórico.
Hoje, esse tipo de afirmações, são rísiveis e alvo de chacota dos adversários, pois as práticas (comuns) são o que diàriamente vamos observando.

pedro oliveira said...

Artnis,

Relê o "post" que MM escreveu, ok, agora lê aquilo que escrevi no primeiro comentário.
Consegues perceber aquilo de que falamos?
O amor, o sentimento por um clube, como uma parte das pessoas que somos, mas duma forma concreta, inteligente e reflectida, não duma forma acrítica e acéfala.
O Sporting é uma parte da minha vida (tal como da vida de MM) mas é uma parte, não é o enquadramento total duma existência.
Alegro-me quando ganhamos e fico triste quando perdemos mas há sempre coisas muito mais importantes que o pontapé no catchú.
Escrevo este comentário, vejo na SIC a vida do "apoderado" de futebolistas, um tal Jorge Mendes.
Pelo Benfica fala o presidente Luís Filipe Vieira, pelo Porto fala o presidente Jorge Nuno Pinto da Costa,pelo Braga fala o presidente Salvador, pelo Real Madrid fala o presidente Florentino Perez, pelo Sporting fala um assalariado do clube, um tal Carlos Freitas.
Percebes?
É nisso que o Sporting é um clube diferente, os presidentes do Sporting não sujam as mãos em negociatas.
O Sporting (tal como o Barcelona) são mais que clubes, são organizações sociais são uma forma moral de estar na vida e no desporto.
(podem existir excepções mas até prova em contrário os adeptos do Sporting não assassinam com very-lights)

artnis said...

pedro oliveira

Não sendo nenhum sobredotado das meninges, ainda não preciso que me assobiem às orelhas, para beber água.
Tive ocasião de to dizer, no blogue do AB, onde nos demos a conhecer.
Volto a repetir-to agora, sem qualquer sentimento negativo, da minha parte.
Se alguém não percebeu algo daquilo que escrevi,(de início, só sobre o pouco atractivo futebol 'do Sá Pinto') esse alguém és tu, cuja argumentação, 'ad nauseum', é sempre a mesma; "ahh e tal, o Sporting é um clube 'diferente'...!
Foram-no na génese, é histórico. Admito e repito!
Repara que nem sequer respondi ao MM. Como diz o povão, quem cala consente.
Concordo neste caso, com as suas (dele) ideias na generalidade e subscrevo, totalmente, quando afirma; "mas uma certeza tenho: o futebol já teve muito melhores adeptos".
Perguntas, se percebo? Nem tudo, meu caro, nem tudo ...!
Se na realidade e nos (tristes e difíceis) tempos que correm, 'os presidentes do Sporting não sujam as mãos em negociatas', é de louvar toda essa probidade.
Que te posso dizer mais?
Ahh sim ...!
Nenhum dos presidentes mencionados, na peça que não vi, o 'apoderado' ou ainda o vosso assalariado foram réus, nem sequer indiciados e detidos pela Polícia, num políticamente 'abafado' processo de fraude 'naútica', delapidando os cofres do Estado. O erário público.
E que só alguns, estamos pagando e amargando!
A comparação ao Barcelona, colocando de lado a História da Catalunha, para que não se torne tão risível, é aceitá-la num plano peripatético.
É essa garbosa 'forma moral de estar na vida e no desporto' que os leva à destruição de propriedade própria, ao incêndio de propriedade alheia, ou tão-sòmente, aos 'cardinalícios' depósitos?!
São tantos os 'telhados de vidro' ... (até K7s !!! - vê lá do que me fui lembrar!)
E vamos agora ao que me levou à resposta - a tragédia do 'very-light'.
Estava lá. E o 'clima' de rivalidade entre as claques, não era em nada parecido, com o que hoje se verifica.
Éramos um grupo de 18 amigos, entre benfiquistas, sportinguistas e até um portista que iam, fose quem fosse finalista, a todas as finais da Taça.
Quando nos apercebemos da tragédia e vimos passar o corpo ensanguentado do jovem pai de família, Rui Mendes(?), este 'lampião' vosso amigo e o 'lagartão' do seu compadre, levantaram-se e sairam. Foram seguidos por (quase) todos os outros. Ficaram 2 que não tinham nada a ver com os restantes. Acabaram aí, as idas grupais aos futebóis na Luz e Alvalade e às festas populares no Jamor.
Apesar de fazer o trágico disparo na direcção dos adeptos leoninos, creio que o jovem 'assassino', que viria a ser julgado e condenado, não teria a intenção de matar, nem estaria consciente da potência dum 'very-light'.
Agora a frio quero continuar a acreditar que foi 'só', um lamentável e infeliz acidente. Não um assassinato, mas um homicídeo por negligência.
Com responsabilidades (e muitas) de terceiros! E que tanto tardaram em assumir!
Ainda hoje lamento, a violenta morte de Rui Mendes (?)por mor de um acto estúpido e irreflectido de um jovem adepto do meu clube. Como lamento a dos 2 jovens que cairam do gradeamento, no velho José de Alvalade, empurrados pelos seus companheiros de clube. Ou a do portista e a do sportinguista que se esfaquearam mutuamente, à beira das Antas.
Lamento, de igual modo, que tragas à liça esse trágico episódio, em defesa duma 'diferença' que não existe e quando não se falava acerca de violência.
Não fui eu!
Não foram os milhões de adeptos do Sport Lisboa e Benfica. O 'assassino' foi descoberto, julgado e condenado pelo gravíssimo crime que cometeu.
Outros o tivessem sido, ou venham a ser de acordo com os crimes cometidos, e teríamos um futebol melhor!

pedro oliveira said...

Caro Artnis,

Vamos por partes, por tópicos ou por itens de preferires:
1. Os adeptos do Sporting são diferentes.
São, na minha opinião são, os verdadeiros Sportinguistas são diferentes, são pessoas, moralmente, superiores, são desportistas, não querem vencer a todo o custo, antes perder com honra que vencer com batota.
2. Os adeptos do Benfica são todos uns diabos, adepto lampião bom, é adepto lampião morto.
Claro que não, provavelmente, há benfiquistas/lampiões bons (são é raros, muito raros) tanto eu como o MM temos um irmão lampião, portanto... (para bom entendedor meia palavra basta)
3. Quanto ao (tão louvado) Sportinguismo de Sá Pinto.
Gosto/Identifico-me mais com o Sportinguismo sereno de Abel (campeão de juniores)em oposição à raça guerreira (murraças no seleccionador) e expulsão no último jogo com a sagrada veste paz/esperança vestida que caracterizaram a carreira de Sá...
4. Quanto ao futebol do Sporting de Sá.
Eficiente em jogos grandes, ineficaz na mediocridade que caracteriza a Liga portuguesa. Este tipo de futebol é o futebol do Chelsea de Mourinho, uma mer*a, portanto.
Não me vou alongar, apenas, contar-te um episódio que vivi, hoje.
Trânsito caótico em Lisboa (greve de comboios) e um gajo com um galhardete do Sporting (pendurado no retrovisor) a ofender e a gritar para uma senhora numa cena de estacionamento, luta por lugares para estacionar. Eu tinha acabado de estacionar e percebi que aquele bronco "sportinguista" não tinha razão nenhuma.
Saí do carro e disse-lhe:
- O senhor é indigno desse símbolo que tem aí
- Fo*a-se, achas que sou lagatto, meu ca*rão, o carro não é meu quero que tu e essa p*ta se *odam, o carro já está estacionado e daqui não sai
«Deixe estar» disse-me a senhora (entretanto tinha vagado outro lugar e a senhora, com cerca de sessenta/setenta anos, tinha estacionado noutro lugar). «Deixe estar, agradeço-lhe mas há pessoas que nem merecem a nossa indignação»
Comecei o dia a pensar naquilo, Artnis... há pessoas que nem me merecem a nossa indignação.
Não é o teu caso claro, gosto de te ter por aqui, quando comentas com seriedade (quase sempre).
Abraço.

artnis said...

pedro oliveira

Só à noite tive que me deslocar para Lisboa e não me apercebi de toda essa barafunda.
Fui jantar com um possível novo cliente, (se ele aceitar as regras do 'jogo')curiosamente um basco que me disse ser de uma aldeola próxima de Guernica.
Ao vir recomendado por um catalão de Barcelona de quem me tornei fornecedor e amigo há largos anos, não tive como fugir, o que me impediu de ver, mas não de festejar à Gobern,(depois de informado pelo funcionário), a conquista pelo meu Sport Lisboa e Benfica, do seu 23º Campeonato de Basquetebol.
E logo no antro da 'CosaNorte', o que tem outro sabor.
Que queres que te diga.
A total falta de valores que grassa e mina esta pobre 'nova sociedade' não tem Clube, profissão ou grau académico. Infelizmente.
Diria que há pessoas que não merecem o ar que respiram!
Não respeitam nada, nem ninguém. A maioria no entanto, creio estar ainda, do lado da humilde gente boa.
Nos clubes também.

Post a Comment