Palmarés

Internacional, equipas

Goalball (D. Adaptado)

1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Hóquei em Patins
:
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
3 Taças dos Vencedores das Taças
2 Taças CERS
Futebol:
1 Taça dos Vencedores das Taças
Atletismo:
Pista feminino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Cross masculino
14 Taças dos Clubes Campeões Europeus
Pista masculino
1 Taça dos Clubes Campeões Europeus
Andebol:
2 Taças EHF Challenge

Nacional, equipas

Futebol:
22 Campeonatos Nacionais
16 Taças de Portugal
8 Supertaças Cândido de Oliveira
Andebol
:
18 Campeonatos Nacionais
15 Taças de Portugal
3 Supertaças
Hóquei em Patins:
7 Campeonatos Nacionais
4 Taças de Portugal
2 Supertaças António Livramento
Atletismo:
Pista feminino
46 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta feminino
22 Campeonatos Nacionais
Cross feminino

5 Campeonatos Nacionais
Pista masculino

48 Campeonatos Nacionais
Pista Coberta masculino
17 Campeonatos Nacionais
Cross masculino
46 Campeonatos Nacionais
Futsal:
13 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
6 Supertaças
2 Taças da Liga
Natação
:
6 Campeonatos Nacionais feminina
6 Campeonatos Nacionais masculina
2 Taças de Portugal masculina
Basquetebol:
8 Campeonatos Nacionais
5 Taças de Portugal
Voleibol:
2 Taças de Portugal feminino
1 Supertaça feminino
5 Campeonatos Nacionais masculino
3 Taças de Portugal masculino
3 Supertaças masculino

 

 
Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.

O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.

João Pereira era bom, mas quem irá substituí-lo é melhor

Friday, 25 May 2012

Um clube de futebol não é, e o futebol não deverá ser, um stand de automóveis ou um armazém com mercadoria para vender ou despachar. Não é essa a sua principal actividade. O núcleo de actuação para um clube como o Sporting é, à superfície, a composição de equipas fortes que lhe permitam disputar com sucesso títulos. Durante muito tempo, o Sporting habituou-se a transferir os jogadores errados por valores errados. É-me por isso um bocadinho irrelevante se João Pereira foi transferido por 3.3 ou 5.1 milhões de euros: congratulo-me ter sido transferido o jogador certo, abrindo as portas do 11 àquele que deverá ser o lateral direito do Sporting nos próximos 2 a 4 anos, Bruno Pereirinha, futebolista superior a João Pereira. Desejaria, ainda, que Rui Patrício não se visse transferido, e veria com bons olhos uma transferência de Diego Capel. De todos os extremos ou jogadores que podem actuar nas alas - Capel, Carrillo, Matías, André Martins, Jeffrén e Izmailov - congratular-me-ia pela transferência de 2 e só 2: Capel e Matías. Podendo ser ambos.

Não era contudo sobre isto que vinha falar. Chamo atenção para este post, aconselhando a sua leitura. Ao ler, tente responder:

Como sabe (o autor do post) que as equipas que ganharam as duas últimas taças para o Sporting estavam profundamente moralizadas na final? Ou que a equipa de Sá Pinto há um mês estava no auge da moralização? Ou que com José Peseiro o Sporting do fim de época era uma equipa desmoralizada e desmotivada? E que desse modo perdeu tudo?

Outrossim, que Peseiro falhou sempre? Ou Sá Pinto, falhou, claramente, neste jogo, embora tenha acertado noutros, durante a época?

Como sabe? Não sabe, lógico. Para o autor das linhas, as equipas estavam motivadas quando venceram e as equipas estavam desmotivadas quando perderam. Porque venceram e porque perderam. É o paradigma resultadista, importante não-ciência, sem qualquer valor, frequentemente equivocada e superficial que conduz as pessoas ao engano.

3 comentários:

pedro oliveira said...

"Nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248º, nº1 al. a) do Código dos Valores Mobiliários, informa ter chegado a um acordo com o Valencia Club de Fútbol, S.A.D. para a venda dos direitos desportivos do jogador João Pereira pelo montante fixo de € 3.684.210,00, e variável de € 526.320,00, dependendo da participação do Valencia Club de Fútbol, S.A.D. na Fase de Grupos da Liga dos Campeões.

Mais se informa que o presente Acordo está dependente da celebração de contrato de trabalho desportivo entre o Valencia Club de Fútbol, S.A.D e o Jogador João Pereira."

Cerca de 4 210 530 euros, por um jogador que (na minha opinião) nunca fez esquecer Abel, não é um mau negócio ao contrário daquilo que vou lendo por aí.
Quanto a Pereirinha não podia estar mais de acordo, contudo, não sei como será a organização do plantel na próxima época, até agora temos três defesas direitos se acrescentarmos Cédric e Árias.
Vamos ver como se irá verificar a integração dos jogadores da equipa B, prefiriria um modelo à Barça, plantel principal reduzido, 22/23 jogadores e chamadas dos BBs sempre que necessário.

MM said...

Não poderia estar mais de acordo Pedro. Nem que fosse por metade do valor a receber - existindo ganho desportivo e dado que estamos a vender, o negócio é para fazer. Não conheço o Cédric, nem conheço o Arias, mas com André Martins, Jeffrén, Izmailov, Capel e Carrillo, é aconselhável que Bruno Pereirinha se fixe como lateral-direito.

Ainda no ganho desportivo: teríamos qualquer coisa a beneficiar com a transferência (aqui e ali falada) de Capel: tudo aquilo que aumente as probabilidades de jogarmos em simultâneo com Schaars, Elias, André Martins, Izmailov, Jeffrén e Carrillo, quando com estes 6 já terão pelo menos 2 de (modo hipotético) ficar de fora. Para não falar de André Santos, Rinaudo e Adrien, sendo que dos 9 Rinaudo é o único cujo lugar será indiscutível - para a posição é o melhor de todos. Há muitas e muito boas opções. Opções com fartura. Falta-nos porém um central.

E resistir à tentação de vender Rui Patrício - é uma transferência absolutamente desaconselhável.

Um clube como o Sporting deve - a partir do momento em que não estão em cima da mesa Ronaldos, Figos e Nanis - orientar-se no mercado (entradas e saídas) segundo um só critério: aquilo que convém à sua competência desportiva. Neste sentido vou lendo muita gente afirmar que o Marcelo Boeck faria bem o lugar do Rui Patrício - não sei baseado no quê quando num ano fez 4 ou 5 jogos. Deve existir para aí uma multidão concerteza muito atenta aos jogos do Marítimo.

Rui Patrício, Bruno Pereirinha, Daniel Carriço, Insúa, Rinaudo, um sem-número de muito boas opções para 4 lugares e meditar muito bem sobre o Ricky - avançar para o concurso de uma alternativa para o seu lugar SÓ com muita certeza. Ainda que no plano teórico fique algum sector debilitado: o Sporting só deve contratar quando tem certezas. Estamos a 1 defesa central de com 2 simples mexidas pular muitos degraus nas chances que teremos de nas próximas épocas conquistar títulos.

Espero que nas próximas 8 a 9 semanas não se cometam disparates - ao nível de entradas e saídas, e nas entradas não poderia também estar mais de acordo Pedro: plantel curto. Menos é mais, quando temos muita qualidade. Mérito de quem acertou em 5 ou 6 excelentes aquisições há pouco menos de 1 ano.

MM said...

"Um sem-número de muito boas opções para 4 lugares" (no esboço) entre o Rinaudo e o Ricky quando ainda por cima falamos de jogadores que pela sua qualidade podem jogar tanto ao meio como na ala. Jogadores muito bons são assim: fazem-no sem grande problema. É o que nós temos, felizmente.

Ao nível de meio-campo não tenho nenhuma dúvida que dos 3 grandes somos os que temos melhores opções. De longe.

Post a Comment