No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.




Futebol é amor, diz a publicidade da marca (link) que vestimos.
Amar é partilhar, é penetração, é quando dois se tornam um; é loucura e prazer.
Num jogo como o de ontem não houve nada disso, existiu uma equipa que procurou jogar, no sentido que os franceses dão à palavra - jouer - e os ingleses à palavra - play - que significa, também, brincar e outra que não procurou jogar, nem brincar, nem divertir-se, procurou garantir um resultado.
Importante é o resultado, dirão alguns, para mim não é, importante é como se atinge o resultado, importante é o caminho que se faz, importante é a atitude, importante é a motivação para jogar e não o objectivo de não deixar os outros jogar.
Rui Gomes escreveu ontem um post (link) cujo título é o slogan da marca que veste o Benfica e o Real Madrid e cujo conteúdo não subscrevo, nomeadamente, esta frase: John Terry errou pela negligência da sua desprovida acção mas, sobretudo, por ter esquecido onde estava a jogar e contra quempela insinuação que carrega, isto quer dizer o quê? Que é admissível um jogador agredir outro sem bola? Que Terry só foi expulso porque estava a jogar contra o Barcelona e o Barcelona é protegido pelas arbitragens?
Acho que todos sem excepção devíamos tomar uma posição forte e condenatória contra a violência no futebol, contra os carniceiros, há jogadores de futebol que me recordam Bill, the Butcher, têm, obviamente, de ser tomadas medidas que os condenem, pois uma equipa de futebol não é e não pode ser um gang de Nova Iorque.
Sobre a expulsão de ontem há um momento a reter, o instante em que Terry passa a braçadeira de capitão a Lampard, o magnífico médio, olha o defesa, não diz nada mas os seus olhos dizem tudo, dizem a Terry: fizeste merda mas nós somos uma equipa e vamos procurar passar a eliminatória, custe o que custar.
Quem seguiu há pouco o link para o És a nossa fé, ter-se-á apercebido dum comentário que dizia que o Chelsea de Grant era o Chelsea de Mourinho, a propósito de eu ter dito (e afirmo) que Mourinho não conseguiu estar estar  em nenhuma final europeia com o Chelsea e depois de ter sido despedido já dois treinadores o conseguiram, Grant e Di Mateo; para os que acham isso, pergunto: Este Chelsea é o de Villas-Boas? E este Sporting é o de Domingos?
O endeusamento de Mourinho (por alguns) vai ainda mais longe, leiam: o que o Mou tem tentado fazer no RM é, precisamente, passar a mensagem de que o clube é o mais importante. Outro ponto: Rafa, um treinador de classe, ganhou a Intercontinental com o Inter de... Mourinho. 
(José Manuel Barroso aqui: http://sporting.blogs.sapo.pt/229012.html)
Ora muito bem o Mundial de Clubes que Rafa venceu, foi disputado em Dezembro de 2010, repito Dezembro de 2010, se quisermos ver o dedo de Mou no Inter (depois de o ter abandonado) temos de recuar uns meses até Agosto de 2010, aí sim, houve dedo de Mou na derrota frente ao Atlético de Madrid de Quique Flores, num troféu que José nunca conquistou, a Super Taça Europeia.
Para terminar deixo-vos com este vídeo (link) afinal o futebol pode ser belo como um sorriso, como o amor.

É por isso que os nossos pés sorriem

Posted on

Wednesday, 25 April 2012

5 Comments
  1. "Acho que todos sem excepção devíamos tomar uma posição forte e condenatória contra a violência no futebol, contra os carniceiros ..."

    O João "assassino" Berreiro, Inshúla, Sharros, Ónenucu, RiMaudo, a baterem forte e feio, em tudo quanto mexe, também contam?

    "pois uma equipa de futebol não é e não pode ser um gang de Nova Iorque."

    Tens razão. Só dá mesmo se forem do Casal Ventoso, da Cova da Moura, da favela da Rocinha ou do Social Once de Buenos Aires.

    E treinados por um gajo do Bº do Aleixo.

    ReplyDelete
  2. "... o instante em que Terry passa a braçadeira de capitão a Lampard, o magnífico médio, olha o defesa, não diz nada mas os seus olhos dizem tudo, dizem a Terry: fizeste merda mas nós somos uma equipa e vamos procurar passar a eliminatória, custe o que custar."

    O capitão daquela equipa nos últimos 15 anos é o Lampard; algo que toda a gente no clube sabe, embora a braçadeira pertença a Terry. Natural porque o JT é do Chelsea, ao passo que Lampard é do West Ham. Mais um do West Ham, entre tantos, formidável clube na linha de Barcelona, Sporting e outros.

    Pedro, quero mesmo muito que o Lampard levante aquele troféu. Magníficas linhas para um magnífico médio, nada menos, e um soberbo capitão. Obrigado por elas.

    Quanto ao mais alinho sem surpresa contigo e subscrevo que foi bem expulso, pouco interessando se o jogador do FCB torceu-se com teatro muito ou pouco no relvado. Interessa que o Terry não pode fazer aquilo. É coisa para o Pepe ou outros incapazes do género; não para o Terry, não pode, não foi seguramente para aquilo que estava ali.

    Novo abraço e que o Sporting construa (literalmente) um bom presente, amanhã. Há semanas assim, calham bem ...

    ReplyDelete
  3. "Rui Gomes escreveu ontem um post (link) cujo título é o slogan da marca que veste o Benfica e o Real Madrid e cujo conteúdo não subscrevo, nomeadamente, esta frase: John Terry errou pela negligência da sua desprovida acção mas, sobretudo, por ter esquecido onde estava a jogar e contra quem, pela insinuação que carrega, isto quer dizer o quê?"

    meu caro, eu 'leio' a resposta à sua pergunta no texto do Rui Gomes, quando este escreve:

    "levada a cabo por uma equipa que nem sequer devia ter passado dos oitavos-de-final."

    creio ter entrelido as razões do Rui Gomes ter escrito o que escreveu, lembrando o jogo na Luz em que ao mesmo Terry foi permitido jogar a bola com a mão dentro da área, em compensação pelos 4 penáltis perdoados ao Barcelona, há épocas atrás e que o levaram à final.

    sendo verdade o que afirma, o slogan da marca que o veste, porquê referenciar o Benfica e não o Bayernn, semi-finalista com o aludido Real Madrid e que usa a mesma marca de equipamentos?

    há algo em si, na sua personalidade, que ainda não percebi.

    sendo, antes de ser lagarto, um confesso adepto do anti-rival, e do lado mais lodoso da 'segunda circular', não compreendo toda a atenção que dedica ao Sport Lisboa
    ...e BENFICA.

    isso só pode ser uma sofrida forma de amor, nunca resolvido.

    p.s.

    para sua informação das 8 (oito) equipas que chegaram aos quartos de final da 'champions'

    6(seis) vestem 'adidas',

    1(uma) veste 'nike',

    e é a mais 'titulada' de todas, a nível europeu - Apoel - aquela que usa a mesma que o clube 'diferente', aqui é mesmo o caso, pois são a única equipa a vestir 'puma' em Portugal.

    ReplyDelete
  4. Caro Tobias,

    Já reparou na marca das botas que Eusébio usava?
    (eu ajudo Puma, Puma King, daí a alcunha (nick name) King, pela qual o ex-futebolista do Sporting de Lourenço Marques ficou conhecido)
    E Aimar, já reparou o que ele calça?

    ReplyDelete
  5. pedro oliveira

    Eusébio da Silva Ferreira, foi o primeiro jogador em Portugal a receber dinheiro de uma marca de material desportivo e a dar o nome a um modelo de bota.

    a 'puma' assinou um contrato com o jogador do Sport Lisboa ... e BENFICA e pagou-lhe 70 000 dólares de prémio pela conquista do título de melhor marcador do 'mundial - 66'.

    depois do torneio, a marca lançou em Portugal as botas de futebol "King - Eusébio".

    o modelo atingiu um extraordinário volume de vendas, sobretudo nas ilhas britânicas, onde o supracitado evento, se realizou na maior delas.

    como vê sei isso e algo mais, que compartilho.

    não, nunca reparei no que Aimar(que pena as 'puma' não lhe 'darem' estofo físico adicional)calça.

    nem sequer na cor do que calça. algo que noutros locais, afecta muito algumas "cabecinhas pensadoras"...
    que chegaram, já, ao democrático desplante de tentar proibir determinado jogador do clube, de usar as suas botas vermelhas.

    a mesma cor de tantas das cadeiras que por lá existiam (ou existem? não sei!).

    grato pela informação, que desconhecia, por não dar grande atenção a esses 'picolos' pormenores, àcerca de 'el mago'.

    finalmente, digo-lhe que nada me move contra a 'puma', a favor da 'adidas', ou de qualquer outra marca de equipamento desportivo.

    são só negócios entre duas entidades.

    ReplyDelete

Search This Blog