No que ao Sporting respeita: Inaugurado em Março de 2011, encerrado em Maio de 2014, reaberto sob o mesmo nome mas diferente endereço em Agosto de 2016, é este um pequeno e doméstico espaço onde se olha o passado, o presente e o futuro da maior potência desportiva Nacional.
O melhor do clube são as pessoas, mas não são quaisquer pessoas. Foram os nossos fundadores, atletas e treinadores. É a nossa história. O clube não és tu, não sou eu, nem «somos nós». São eles. As mensagens que publicarmos evidenciarão esse intuito, versando sobre a instituição, a sua notável história, acumulado de feitos presentes e passados, proeminentes homens que a serviram e ergueram, cumprimentando as suas memórias mas mais importante, preservando a sua autoridade, ainda que não vivam entre nós.
Ademais: Este é um blogue pessoal no qual se vêem analisados outros temas.




Será o futebol um jogo ou uma brincadeira?
Será paixão ou amor?

A primeira fotografia foi obtida após o jogo com o Olhanense para o campeonato.

Fomos roubados, espoliados em dois pontos, mas aquela senhora sorria (um sorriso triste) e não escondia o seu amor, o nosso amor, o Sporting é o nosso grande amor.
Play e jouer são sinónimos de jogar mas, significam, também, brincar.
Talvez devessemos encontrar um ponto de equilíbrio entre o amor que temos pelo nosso clube e o respeito que os nossos adversários nos merecem.
Hoje (ontem) tive oportunidade de assistir a um jogo de veteranos do nosso Sporting Clube de Portugal com o nosso Sporting Clube Barquinhense, um campo, muitos sorrisos, algumas barrigas, muitos pontapés na atmosfera, alguns golos e muito convívio.
Na terceira imagem vemos um detalhe, um pormenor, um golo, no jogo de iniciados entre o Sporting e o Belenenses, um golo marcado com vista para o Padrão dos Descobrimentos, para o Mosteiro de Santa Maria de Belém (Jerónimos) e para o Tejo. O mesmo Tejo que corre junto a Vila Nova da Barquinha, onde Pereirinha, pai, Joaquim Pereirinha, correu hoje (ontem) com o número 25 nas costas, em nome do filho, diria, em nome dum Sportinguismo que, normalmente, passa de pais para filhos, mas, também, passa de tio para sobrinho, ou neste caso de filho para pai.

O Sportinguismo como um verde rio que nos corre nas veias, da cor da relva e das árvores. O Sportinguismo sentido não como uma efémera paixão mas como um amor eterno que nos preenche a alma, como o prazer de crianças que desfrutam do jogo brincado com lealdade,  com pureza e que sabem (deveriam saber) que a glória só se conquista com esforço, dedicação e devoção.
Nós não nascemos gloriosos; fazemos por merecer a glória.

A vitória para nós foi e será sempre fruto do nosso trabalho, do nosso empenho e da nossa crença... do nosso amor.

Play, jouer, brincar ao jogo de futebol

Posted on

Monday, 14 November 2011

Leave a Reply

Search This Blog